Odisséia de Homero - Livro XIV - Tifsa Brasil
  • Recentes

    13 de junho de 2018

    Odisséia de Homero - Livro XIV

    O herói, por serros e áspera azinhaga,
    Segue do porto, à selva, o divo busca
    Leal pastor, que lhe afirmou Tritônia
    Ser dos escravos dele o mais zeloso.
    5 Achava-se ao portal, num sítio alegre
    Onde, n’ausência do amo, edificara,
    Sem da senhora auxílio ou de Laertes,
    Vistoso amplo curral de pedra ensossa;
    De espinho sebe em roda, e cerca de achas
    10 Do cerne de carvalho externa havia.
    Na área em chiqueiros doze conchegados,
    Em cada qual cinqüenta, se espojavam
    Prenhes porcas; dormiam fora os machos,
    Poucos, pois de contínuo aos pretendentes
    15 O mais nédio cevado remetia:
    Trezentos e sessenta eram por todos.
    Ao pé jaziam quatro cães de fila,
    Pelo porqueiro maioral mantidos.
    Este a seus pés talhava umas sandálias
    20 De táureo tinto coiro; três ajudas
    As varas pastorar, mandara o quarto
    Conduzir constrangido um bom capado,
    Que na régia a gulosos recheasse.
    Ladrando os brabos cães a Ulisses correm,
    25 Que assenta-se manhoso e o bordão larga;
    Mas vítima seria, se o porqueiro,
    Cair deixando o coiro, à pressa e em gritos
    Não viesse a pedradas enchotá-los.
    E a ele se virou: “Meus cães, ó velho,
    30 Quase, por meu labéu, que te espedaçam,
    E os deuses de outras penas me acabrunham:
    Choro a engordar os cerdos para estranhos,
    E o meu divo senhor quiçá faminto
    Vaga de povo em povo, se é que vive
    35 E goza a luz do Sol. Comida e vinho
    Terás naquela choça, e tu repleto,
    Me refiras teus males e aventuras.”
         Na choça introduzido, em ramas densas,
    De agreste cabra com velosa pele,
    40 Do porqueiro acamadas, pousa Ulisses,
    E lho agradece: “Abençoado amigo,
    Compensem-te os Supremos o agasalho.”
         Tu respondeste, Eumeu: “Ninguém desprezo,
    Qualquer acolherei de ti somenos;
    45 Jove os mendigos e hóspedes protege,
    Aprova os tênues dons que a medo faço,
    Pobre servo, a mancebo submetido!
    O Céu de meu senhor veda o regresso,
    Que tanto me queria, e, como é de uso
    50 Para com bons escravos laboriosos,
    A envelhecer aqui, me enriquecera
    Com mulher e pecúlio, pois os deuses
    Têm prosperado meu serviço. Ai dele!
    Pereça toda a geração de Helena,
    55 Dano e exício de heróis! Para essa Tróia
    Também foi meu senhor vingar o Atrida.”
         E ataca mal o cinto, e dous farroupos
    Trazendo, os mata e lhes chamusca pêlo,
    Corta, espeta, e no espeto o assado quente
    60 Oferece e apolvilha de farinha;
    Vinho melífluo em copo de sobreiro
    Mistura, à face do hóspede se assenta:
    “Anda, ora come do que aos servos cabe;
    Os cevados aos procos se reservam,
    65 Que do castigo olvidam-se impiedosos.
    Néscios! os numes a violência odeiam
    E a virtude honram só. De alheias plagas
    Invasores hostis, que em naus de espólios
    Onustas partem pôr favor de Jove,
    70 Temem-se do castigo; os procos, julgo,
    Voz divina informou da triste morte.
    Nenhum de núpcias trata ou de ir-se embora,
    Todos em voraz ócio os bens estragam:
    Uma nem duas vítimas lhes bastam;
    75 Noites e dias, quantos Jove alterna,
    Consomem carnes, ânforas esgotam.
    Em Ítaca e no escuro continente,
    Não há magnata que possua tanto,
    Nem vinte juntos; a resenha escuta:
    80 Pastam-lhe em terra firme doze armentos,
    E há porcadas iguais, iguais rebanhos,
    Vastos cabruns encerros, com pastores
    De fora ou do país; nesta ilha mesma,
    Guardam fiéis cabreiros onze fatos,
    85 E eu rejo estas pocilgas. Nós forçados,
    Pensão quotidiana, remetemos
    A mais nédia cabeça a tais senhores.”
         Tácito Ulisses come e ávido bebe,
    Ideando a vingança; e, confortado,
    90 A copa do porqueiro aceita plena,
    Jubiloso e veloz: “Rico era e forte
    Quem te comprou, qual, hóspede, o apregoas?
    Morto o crês pela causa de Agamemnon:
    Talvez o conhecesse eu vagamundo;
    95 Sabe a etérea mansão, quando o nomeies,
    Se ocultar testemunho em mim depares.”
         “Velho, constesta Eumeu, não mais se apoiam
    Em peregrino algum a esposa e o filho:
    Quanto são mentirosos os mendigos!
    100 A senhora os socorre e asila e inquire;
    Mas incrédula geme, qual viúva
    Que lamenta o marido ao longe extinto.
    Urdir hoje uma fábula pretendes,
    Para de capa e túnica mudares?
    105 As entranhas cães e aves lhe tragaram,
    Ou, dos peixes roído, a vaga os ossos
    Lançou-lhe à praia e os cobre densa areia.
    Morreu, morreu, deixando em luto amigos,
    Mormente a mim, que o não terei tão brando,
    110 Nem que de pai e mãe voltasse à casa,
    Onde a luz vi primeiro e me criaram:
    Tão saudoso os não choro e a pátria amada,
    Como Ulisses me lembra. Até receio,
    Pois tanto me estimava e destinguia,
    115 N’ausência nomeá-lo, irmão n’ausência
    Mais velho o chamo, a suspirar por ele.”
         E o divo herói: “Bem que emperrado o negues,
    Não temerário to assevero e juro,
    Ulisses vem; de alvíçaras me aprontas
    120 Capa e túnica, inteira vestidura;
    Mas, inda que indigente, o prêmio enjeito,
    Antes que ele se mostre em seu palácio:
    Como do inferno as portas, abomino
    Falácias da pobreza. Atesto Jove,
    125 De teu amo o lar puro a que me encosto
    E a mesa hospitaleira, o anúncio é vero:
    Neste ano e lua mesma, ou na vindoura,
    Cá de retorno, punirá severo
    Os ultrajes da esposa e de seu filho.”
    130  Não ganharás alvíçaras, meu velho,
    Ajunta Eumeu; não conto mais com ele.
    Bebe tranqüilo; outras lembranças volve,
    Que este assunto angustia-me e contrista.
    Juramentos a parte, oh! se viesse,
    135 Qual o anelo, Penélope e Laertes,
    E o deiforme Telêmaco. Esta agora
    Única planta choro, que ao celeste
    Bafo eu supunha igual de rei medrasse
    Em garbo, esforço e mente; mas, iluso
    140 Por imortal ou por humano, a Pilos
    Do pai foi-se em procura, e à volta os procos
    O incidiam cruéis, para que arranquem
    Da ilha a estirpe do divino Arcésio.
    Basta; se escape ou não, toca ao destino,
    145 E o Satúrnio o proteja. Ora me explanes
    Quem és, de que família, de que terra,
    Os infortúnios teus; que exímios nautas
    E em que navio aqui te conduziram?
    A Ítaca não creio a pé viesses.”
    150 Começa Ulisses: “Narrarei sincero.
    Se de espaço a lograr teu vinho e pasto,
    Incumbido o serviço a outros sendo,
    Fôssemos nesta choça, inda que um giro
    Decorresse anual, não me era fácil
    155 Expor as penas que infligiu-me a sorte.
         “O Hilácides Castor, na extensa Creta.
    Gerou-me numa pelice comprada,
    E a par de seus legítimos criou-me
    E honrava em seu palácio; é glória minha
    160 De um pai vir dos Cretenses endeusado,
    Por opulência e muita clara prole.
    No Orco o sumiu fatal necessidade:
    Meus irmãos tudo em lotes partilharam,
    Escassos bens e um teto me cederam.
    165 Casei por meu valor com rica herdeira,
    Pois fugaz, nunca fui nem vil e inerte:
    Posto porém que as forças me falecem,
    De tamanha miséria quebrantadas,
    Pela palha avalia o que era a messe.
    170 De Mavorte e Minerva obtive audácia:
    Hostes rompi; se, infenso e belicoso
    Da emboscada elegia os camaradas,
    Nunca da morte o horror se me antolhava;
    Sempre avante, os contrários punha em fuga,
    175 De lança indo alcançando os mais ronceiros:
    Tal em combates fui. Nunca me aprouve
    Na família cuidar, cuidar nos filhos;
    Sonhava em remos, naus, zargunchos, frechas,
    Em petrechos de guerra sanguinosos:
    180 Dos homens são diversos os prazeres;
    Um deus nesse meu ânimo cevava.
    Antes de irmos a Tróia, vezes nove
    Regi corsários: da escolhida presa,
    Aos matalotes sorteado o resto,
    185 Locupletou-se a casa, e entre os Cretenses
    Tive grande renome e autoridade.
    Mas, decretando Jove aquela empresa
    Tão matadoura, os povos me expediram
    Adido a Idomeneu; sem resistirmos,
    190 Que o público rumor nos obrigava,
    Velejamos. Nove anos pelejou-se:
    Ao décimo, assolada Ílio Priaméia,
    Dispersa no regresso a frota Aquiva,
    Ai! guardou-me o Satúrnio outros pesares!
    195 “Um mês único estando em meus haveres
    Com filhos e a mulher que esposei virgem,
    A vogar para o Egito inclino a idéia,
    E nove embarcações tripulo em breve,
    Reses degolo e sagro; os divos sócios
    200 De solenes festins seis dias gozam.
    De Creta largo ao sétimo, e do puro
    Bóreas ao fresco alento, qual se fosse
    Veia abaixo, aportamos sem perigo,
    Aos pilotos e ao vento encomendados.
    205 À quinta singradura o Egito enxergo,
    No rio surjo caudaloso e belo;
    Exorto a se manter a bordo a gente,
    E encalho as naus flutívagas, mandando
    À terra exploradores. Estes loucos,
    210 A impulsos do apetite, agros depredam,
    Matam, mulheres e crianças roubam:
    Mas, ao rumor, de madrugada acorrem
    Éqüites e peões erifulgentes
    Que enchem toda a campina e o Fulminante
    215 Medo incutindo aos meus, nenhum resiste;
    Cercados, parte a bronze agudo acaba,
    É reduzido o resto a cativeiro.
    Mesmo o deus (mais valera que eu no Egito
    Falecesse e os trabalhos atalhasse)
    220 Isto inspirou-me: o elmo da cabeça,
    Do ombro tiro o broquel, deponho a lança;
    Do rei boto-me ao coche e as plantas beijo.
    Com mágoa do meu pranto, ele consigo
    Dirigiu-me a seu paço; e, bem que de hastas
    225 O sanhoso tropel me acometia,
    Contê-los soube, atento ao Padre sumo,
    Às injúrias dos hóspedes avesso.
         “Sete anos lá no Egito enriquei muito,
    Pois muito me brindavam; mas, no oitavo,
    230 Cadimo comilão, vezeiro e useiro,
    Induziu-me à Fenícia pátria sua,
    E me reteve. As estações volveram;
    Para ajudá-lo na descarga, à Líbia
    Fingido o avaro me arrastou, vender-me
    235 Tencionando: embarco suspeitoso.
    Creta avistamos com sereno Bóreas;
    Mas, alagada a ilha, os céus e o ponto
    Sós nos rodeiam; Júpiter cerúlea
    Grossa nuvem desfecha, ofusca os mares,
    240 Fuzila, toa; um raio a nau revira
    E enxofra toda; a gente cai nas ondas,
    Como alcatrazes de redor flutuam,
    Da volta os priva um deus; que, em tanta afronta,
    No mastro me salvou. Nele abracei-me
    245 Dias nove, e à dezena escura noite,
    Quase a morrer de frio e de fadiga,
    Arrojou-me à Tesprócia um rolo d’água.
    Do régio herói Fídon o amado filho,
    Levantando-me, ao pai guiou-me afável,
    250 Que me proveu de túnica e vestidos.
         “Lá foi que ao bom monarca ouvi de Ulisses,
    Hóspede seu; mostrou-me os dons em cópia,
    De ouro, de bronze ou trabalhado ferro,
    Para dez gerações talvez sobejos:
    255 Em depósito achavam-se no erário,
    Dês que ao Dodônio falador carvalho
    Foi-se o Laércio demandar a Jove
    Se, após tão largo tempo, aqui regresse
    Oculta ou claramente. O rei jurou-me,
    260 Com libações, que a nau já tinha prestes
    E a companha que à pátria o conduzissem.
         “Fídon, sendo teu amo inda em consulta,
    Num Tesprócio navio, que a Dulíquio
    Frumentária partia, remeteu-me
    265 À real proteção do ilustre Acasto;
    Mas, com malvado arbítrio, ao largo a gente,
    Maquinando afundir-me em servil dia,
    Despojam-me, e o que vês grosseiro trapo
    Vestem-me e este gabão. Na tarde abordam,
    270 Prendem-me à toste com torcida corda,
    Saltam para cear na praia amena:
    Fácil os mesmos deuses me desatam;
    À cabeça o capuz, do leme ao fio
    N’água deslizo, a braços remo e nado;
    275 Inadvertido escapo, terra tomo,
    De flório carvalhal me estiro à copa.
    A suspirar procuram-me, e cansados
    Vogam de novo: o Céu, pois meu destino
    Inda é viver, manteve-me escondido,
    280 E a benfazejo teto encaminhou-me.”
         E Eumeu: “Tal vaguear, tanto infortúnio,
    Me abalou. Só de Ulisses nada creio:
    Homem cordato, como assim mentiste?
    Balda esperança! Em Tróia o Céu vedou-lhe
    285 Morte egrégia ou nos braços dos amigos:
    Honrara ao filho o túmulo exalçado,
    E as harpias inglório o têm roído!
    Solitário entre os porcos, só me movo
    Da prudente Penélope ao chamado,
    290 Quando há qualquer notícia. Os que a ladeiam,
    Ou chorem meu senhor ou se comprazam
    De gastar-lhe a fazenda, me interrogam:
    Nada investigo, dês que um vago Etólio,
    Neste alvergue hospedado por homizio,
    295 Jurou que o viu na régia, estando em Creta
    As naus a reparar de uma tormenta:
    Que no estio ou no outono aqui seria
    Com imensa fortuna e os divos sócios.
    E tu, velho infeliz, que o deus me envia,
    300 Não penses me agradar com tais embustes:
    Não te honrarei nem te amarei por eles,
    Sim porque temo a Jove e hei de ti mágoa.”
         Ulisses replicou: “Nem juramentos
    Vencem-te a pertinácia! Ante os Supremos,
    305 Sacro ajuste se firme: a vir teu amo,
    Segundo os meus desejos, me transportes,
    Com manto novo e túnica, a Dulíquio;
    Senão, de alto os ajudas me despenhem,
    Para que outro mendigo não te engane.”
    310 Logo o pastor: “Minha virtude e fama
    Agora e no porvir se manchariam.
    Como! a vida arrancar-te, neste asilo
    Depois de te acolher! Ao grã Tonante
    Nunca mais suplicar me atreveria.
    315 Hora é de ceia, e os sócios cá não tardam,
    Para mais abundante a prepararmos.”
         Chegam nisto os serventes, e as manadas
    A pernoitar encerram nos chiqueiros,
    Que ressoam de roncos e grunhidos.
    320 Insta-os o maioral: “Trazei-me um porco
    Ótimo, que, imolado ao peregrino,
    Regale-nos também, já que albidentes
    Animais com fadiga pastoramos
    E outros sem trabalhar impune os comem.”
    325 Eis racha a bronze a lenha, e ao lar presentam
    Um quinquene cevado. Não se esquece
    Dos imortais; raspa da nuca o pêlo,
    Queima em primícias, do amo a volta implora.
    Um troço de carvalho não fendido
    330 Na rês descarga; sangram-na, chamuscam,
    Desentranham, dividem; na gordura
    Eumeu porções do corpo todo envolve
    E ao fogo os põe de farro apolvilhadas;
    As postas a preceito assam de espeto;
    335 E, do brasido à mesa vindo as carnes,
    Alçado o justo Eumeu, conforme ao rito,
    Forma sete quinhões: um vota às ninfas
    E ao que nasceu de Maia, e os mais reparte
    A cada comensal; o dorso inteiro
    340 Do albidente por honra a Ulisses coube,
    Que em júbilo exclamou: “Dileto a Jove
    Tanto fosses, Eumeu, quanto me és caro.
    Tu que nesta miséria assim me tratas!”
         “Do que há, disse o pastor, come a teu gosto
    345 O deus, hóspede egrégio, os bens outorga,
    Ou tira a seu prazer, pois tudo pode.”
    E as primícias oferta aos Sempiternos,
    Liba, o copo ao turrífrago sentado
    Junto ao quinhão transmite. Os pães Melausio
    350 Distribui, que o pastor, ausente Ulisses,
    Sem sabê-lo Penélope ou Laertes,
    Do seu comprara aos Táfios. Satisfeitas
    Sede e fome, levanta o escravo a mesa,
    E os convivas contentes vão deitar-se.
    355 Brusca a noite, chovia sempre Jove,
    Mádido sempre o Zéfiro espirava;
    Por tentar se o capote lhe conceda
    Solícito o pastor, ou qualquer outro,
    Um conto Ulisses tece: “Eumeu, vós todos,
    360 Escutai-me a vanglória; pois com vinho
    Doudeja o sábio, cantarola e dança,
    Ri solto, parla o que era bom calasse:
    Ora desato a língua, e nada encubro.
    Oh! saúde eu tivesse e o vigor d’antes,
    365 Ao pormo-nos em Tróia de emboscada!
    Ulisses comandava e o louro Atrida,
    Sendo eu terceiro por escolha de ambos.
    Ante o muro jazíamos armados,
    Entre urzes e morraças pantanosas;
    370 Bóreas esfria o tempo, geia e neva,
    Encaramela o arnez; de escudo aos ombros,
    Dormindo os mais embrulham-se em capotes;
    O meu tinha esquecido, não cuidoso
    De que gelasse, e de broquel e banda
    375 Nítida vim somente. Um terço a noite
    Já decorria, os astros resvalavam;
    O cotovelo do vizinho Ulisses,
    Que prestes me sentiu, belisco e falo:
    — Solerte herói, domado pelo inverno
    380 Vai-se-me a vida: falta-me o capote;
    Que a túnica bastava persuadiu-me
    Algum demônio, e agora é sem remédio. —
         “Ele, exímio no prélio e no conselho,
    Com pronto aviso em baixa voz responde:
    385 Cal-te não te ouça a escolta. — E ao braço e punho
    Apoiando a cabeça: — Amigos, disse,
    Visão divina o sono interrompeu-me;
    Longe estamos da frota; alguém se apresse
    A pedir a Agamemnon um reforço. —
    390 Lesto levanta-se o Andremônio Toas,
    Larga o purpúreo manto e à frota corre;
    Seu manto enfio, e durmo até que fulge
    A aurora em trono de ouro. Ah! se eu tivesse
    Aquela idade e força, um dos pastores
    395 Me daria um capote, em reverência
    Ao homem de valor; mas, roto e velho,
    Pouco socorro espero e poucas honras.”
    Acode Eumeu: “Foi guapa a tua história
    Nem discorreste em vão, cordato amigo.
    400 Não te faleça roupa, ou cousa alguma
    Que há mister suplicante peregrino;
    Mas teus andrajos de manhã retoma;
    De muda nada temos, uma andaina
    De roupa há cada qual. Em vindo o filho
    405 De Ulisses, te dará túnica e manto,
    E os meios de partir para onde queiras.”
         Nisto, ao fogão lhe achega e alastra a cama,
    Que de espólios cabruns e ovelhuns cobre;
    Deita-lhe em cima o gabinardo espesso
    410 Que em temporais tremendos envergava.
    O herói se estira, muito perto os moços;
    Porém não pôde Eumeu longe dos porcos
    Pegar no sono, e, com prazer de Ulisses
    De que houvesses tal zelo em sua ausência,
    415 Para sair cortante espada ombreia,
    Veste albornoz ao vento impenetrável,
    Mais uma pele de crescida cabra;
    Contra os mastins e os malfazejos dardo
    Rijo empunha, e dormir foi com seus porcos
    420 Em caverna de Bóreas abrigada.

    NOTAS AO LIVRO XIV
    21-57 - Vara de porcos, não vem em Constâncio, posto que venha em Morais, e que Lobo, na Corte na Aldeia, diga ser o mais próprio para significar a reunião destes animais. — Eumeu, com a pressa de ir buscar sustento para o hóspede, aperta mal o cinto. M. Giguet diz: “Eumée relève sa tunique, qu’il passe dans sa ceinture.” Diz Pindemonte: “La tunica si strinse col cinto, et alle spalle in freta mosse.” Nem um nem outro, parece-me, exprimiu o pensamento: o essencial e o belo é ter o pastor, com o afogo de servir o seu hóspede, atacado mal o cinto, para não perder tempo. Esta passagem assim entendida, como é forçoso que o seja à vista do texto, foi louvada por Chateaubriand.
    182-186 - É antiquíssimo o costume de não se atender ao modo por que se ganhou a fortuna: fosse por furtos, vexações, pirataria, pouco importa; há dinheiro, e basta. Não raramente, as condecorações e os títulos vêm dourar o baixo metal de que se compõem certas riquezas; e no futuro os descendentes honrar-se-ão do negro tronco donde procedem.
    237 - Alagar-se a terra é frase marítima, assim como arrasar-se, para exprimir que ela com o andar do navio tem desaparecido: falta nos dicionários.
    409-416 - Gabinarda, ou gabinardo como dizem Filinto e outros, é um grande capote de mangas; vem em Morais e não em Constâncio. Quanto a albornoz, capa aguadeira de capuz, eu assim o pronuncio pelas razões do mesmo Constâncio, e não albernoz, como escrevem com Filinto alguns autores. Ir para o índice do livro
    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 » Comentários:

    Postar um comentário

    Olá tudo bem? Encontrou o que procurava? Achou o Tifsa útil? Então compartilhe, curta, envie ou recomende aos amigos nossos artigos. O Tifsa não tem uma campanha de marketing multimilionária ou o patrocínio de celebridades, mas temos algo muito melhor: você.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole as leis, ou que configure em crime cibernético e que vão de e termos de uso, por favor denuncie.

    Item Reviewed: Odisséia de Homero - Livro XIV Rating: 5 Reviewed By: Pbsena Sena

    Contato

    Scroll to Top