Odisséia de Homero - Livro V - Tifsa Brasil
  • Recentes

    11 de junho de 2018

    Odisséia de Homero - Livro V

    LIVRO V
    Mal surge a Aurora do Titônio leito,
    O mundo alumiando, à corte sua
    Preside o poderoso Altitonante,
    E Minerva solícita o Laércio,
    5 Pela Ninfa retido, assim deplora:
    “Ó padre, ó vós beatos sempiternos,
    Cetrígero nenhum será benigno,
    Reto e humano, sim duro e injusto e fero;
    Pois ninguém, entre os povos de que Ulisses
    10 Era um pai, já se lembra dos pesares
    Que padece, impedido por Calipso,
    Faltando-lhe galé que à pátria o leve
    Pelo equóreo amplo dorso. O nobre herdeiro
    Traçam-lhe assassinar, que a Esparta e Pilos
    15 Foi do afamado pai colher notícias.”
         E o Nubícogo: “Filha, que proferes?
    Não projetaste mesma o como Ulisses
    Venha e se vingue? O filho guiar podes,
    E a nau dos pretendentes retroceda”.
    20 Vôlto a Mercúrio: “Núncio e amada prole,
    Já já, que a ninfa de cabelos crespos
    Solte o herói: Nem varão nem deus o ajude:
    Em tecida jangada a curtir penas,
    Ao vigésimo dia arribe à esquéria;
    25 Donde os Feaces, a imortais propínquos,
    Honrado a par de um nume, à terra o enviem,
    Em nau de alfaias e ouro e bronze onusta,
    Quanto nunca, se incólume tornasse,
    Do espólio que lhe coube, transportara:
    30 O lar e os seus rever tem por destino.”
    Calça o Argicida os áureos seus talares,
    Com que, parelho aos ventos, o amplo globo
    E o vasto mar transcursa; a vara toma
    Que, a seu prazer, dá sonos ou desperta;
    35 À Piéria descai, e rui dos ares
    E à tona d’água aleia, qual peixinhos
    Por inquieto golfo o guincho caça,
    Crebo na escuma as asas imergindo.
    Já do azul ponto à ínsula apartada
    40 Voa, e à gruta caminha de Calipso:
    De longe tuia recendia e cedro,
    Ardendo no fogão; melífluas árias
    Ela entoava, a teia percorrendo
    Com lançadeira de ouro. Em torno à gruta
    45 Choupo, odoro cipreste, alno viceja;
    Ali — extensas no bosque aninham-se aves,
    Gaviões e bufos, linguareiras gralhas,
    Ao marinho bulício afeiçoadas.
    Fora, parreira de pubentes ramos
    50 Flores em uvas; quatro fontes regam
    De água pura, chegando-se e fugindo,
    Aipos e violais em moles veigas:
    Um deus pasmado ali se deleitava,
    E o fez Mercúrio assim. Deve ver saciado,
    55 Ele dentro penetra, e a ninfa augusta
    Num relance o conhece; porque os deuses
    Por distantes que morem, dão-se todos.
         Lá não encontra o generoso Ulisses,
    Que era na praia, os macerados olhos
    60 Pelo ponto infrugífero estendendo,
    Em suspiros e lágrimas. Num trono
    Maravilhoso e esplendido sentado,
    A ninfa o inquire: “Venerando amigo,
    De áurea vara a que vens? não vinhas dantes.
    65 Cumprirei, no que possa, os teus mandados.
    Hospitaleiros dons vou presentar-te.”
         Ela, em mesa que alçou, mistura ambrosia
    E rubro néctar. Saboreia alegre
    E diz Mercúrio: “Deusa, em deus perguntas
    70 A que venho? Obrigado fui por Jove:
    Quem voluntário atravessava o ingente
    Pélago salso, onde cidade falta
    Que nos sagre solenes hecatombes?
    Mas transgredir-lhe as ordens não podemos.
    75 Dos que os Priameus sitiados muros
    Ao décimo ano destruíram, consta
    Que tens contigo o mais desventuroso:
    No regresso ofendida, excitou Palas
    Tempestade em que os sócios pereceram;
    80 Salvo abordou só ele às praias tuas.
    Quer Jove que o mais breve o deixes livre;
    Dos seus não morra ausente: amigos, pátria,
    O alto paço rever, tem por destino.”
    Freme Calipso e rápido responde:
    85 “Cruéis sois todos, ínvidos, ciosos
    De que em seu leito às claras uma deusa
    Mortal admita e ame e aceite esposo.
    Roubado Órion da Aurora dedirrósea,
    O invejastes, vós deuses té que Febe
    90 Casta e auritrônia o derribou na Ortígia
    Com brandas frechas; de Jasão cativa,
    Quando num trietérico pousio
    Com ele Ceres de anelada coma
    Ajuntou-se amorosa, a fulminá-lo
    95 Foi pronto Jove: agora, ó deuses, tendes
    Zelos desse homem, que salvei lutando
    Sobre a quilha de nau despedaçada
    Pelo mesmo Tonante, e que sozinho
    Arrojoram-me à ilha as negras ondas.
    100 Carinhosa acolhi-o, na esperança
    De isentá-lo da morte e da velhice;
    Mas do Satúrnio o mando irresistível
    Execute-se, vague pelos mares
    De novo o herói. Não posso despedi-lo;
    105 Vasos faltam-me e nautas que o transportem
    Por essa imana via: hei de contudo
    Mostrar-lhe o como ileso à pátria volva.”
         “Despede-o já, replica-lhe Mercúrio;
    Nunca irrites a Júpiter, nem queiras
    110 Irado experimentá-lo.” Disse, e foi-se.
         Dócil a ninfa, se dirige à praia
    Onde Ulisses longânimo gastava
    A doce vida, os olhos nunca enxutos,
    Saudoso e enfastiado; pois com ela
    115 Por comprazer dormia constrangido,
    E gemebundo, o ponto contemplando,
    Passava o dia em litoral penedo.
    Rosto a rosto lhe fala a deusa augusta:
    “Cesse o pranto, infeliz, não te consumas;
    120 Parte, consinto. Abate a bronze troncos,
    De alto soalho ajeita ampla jangada,
    Em que o sombrio páramo atravesses:
    De pão te hei de prover e de água e vinho,
    De agasalhada roupa; auras favônias
    125 Te levarão seguro à terra cara,
    Se esta for dos Supremos a vontade,
    Que em saber o juízo me superam.”
         E arrepiado o herói: “Que teces, deusa?
    Numa jangada queres tu que eu tente
    130 As vagas horrendíssimas, difíceis
    Às mesmas de iguais bordos naus altivas,
    Do Etéreo aos sopros a exultar afeitas?
    Não farei tal, solene se não juras
    Que nenhum dano, ó deusa, me aparelhas.”
    135 Sorri mansa Calipso, a mão lhe afaga:
    “És ardiloso e desconfias sempre.
    Já comigo o jurei; mas o orbe saiba,
    O céu vastíssimo, a infernal Estige
    (Grave aos numes terrível juramento),
    140 Que nenhum dano, Ulisses, te aparelho:
    No teu caso obraria o que proponho.
    Férrea e iníqua não sou, mas compassiva.”
         E anda e Ulisses também, que entrado ocupa
    O trono de Mercúrio; em frente, a ninfa
    145 Lhe oferece o que os homens alimenta,
    E as serventes a ela ambrosia e néctar.
    Saciados ambos, começou Calipso:
    “Voltar queres, astuto, em breve aos lares?
    Embora, adeus. Se as penas antevisses
    150 Que te aguardam, comigo em laço estreito
    Imortal ficarias, bem que aneles
    Tua esposa abraçar, cuja lembrança
    Te rala de contino; em garbo e talhe
    A sobrelevo; que as mortais não podem
    155 Comparar-se em beleza às divindades.”
         Ulisses respondeu: “Sublime deusa,
    Não te agraves portanto; eu sei que em tudo
    A prudente Penélope transcendes,
    Nem da morte és escrava ou da velhice;
    160 Mas para os lares meus partir suspiro.
    Se um deus me empece, como os já passados,
    Suportarei constante os outros males.”
         Cai a noturna treva: ambos num leito
    No amor se deliciam. Na alvorada,
    165 Uma túnica e um manto Ulisses veste;
    Veste a ninfa um sendal cândido e fino,
    Faixa de ouro gentil ata à cintura,
    Orna a cabeça de elegante coifa.
    A despedir o amante resignada,
    170 Érea forte bipene lhe fornece
    De oleagíneo cabo artificioso,
    Enxó dá-lhe amolada; aos fins o leva
    Da ilha, onde medram árvores gigantes,
    Choupo, alno, abeto e percutir as nuvens,
    175 Secos e aptos a vencer caminho:
    Depois que a selva mostra, à casa torna.
    Ardente ele derruba troncos vinte,
    Falca, desbasta, esquadra, alisa e talha.
    Com trados volta a ninfa; o herói verruma,
    180 Cavilha, junta as peças: quanto é largo
    De nau de carga o bojo, obra de mestre,
    Era a barca de Ulisses. Finca espeques,
    Pranchas estiva, um tabulado forma;
    Antena ao mastro anexa; mune o leme,
    185 Contra escarcéus, com vergas de salgueiro;
    Alastram-na pesados lígneos toros.
    De lona, por Calipso oferecida,
    Vela engenha, e de escotas e calabres
    O mastro apruma; enfim, sobre alavancas,
    190 A jangada escorrega ao mar divino.
    Ao quarto Sol perfeito o seu trabalho,
    Por despedida ao quinto a ninfa o lava,
    Perfuma e veste; o vinho em odre fecha,
    Num maior água, em saco os acepipes,
    195 O sustento em surrão; tépidas auras,
    Meigas invoca. O pano o divo Ulisses
    Contente expande, lesto agita o leme;
    Cortado o sono, as Plêiadas observa,
    Tardo Bootes, a Carreta ou Ursa
    200 Em Órion sempre fita ao revolver-se
    A só que foge os banhos do Oceano:
    Ir desta à esquerda lhe ordenou Calipso
    Dias vários navega, até que enxerga,
    Já no décimo oitavo, umbroso topes
    205 Da mais vizinha terra, a dos Feaces,
    Qual pavês a ondear no escuro pego.
         Vem da Etiópia e dos Sólimos serros
    Netuno o avista; sacudindo a fronte,
    Em si raiva: “Ah! que dele dispuseram
    210 Na minha ausência os deuses! Quase tocas
    Onde, Laércio, é fado os males findes;
    Mas nem todos provaste”. Eis move o cetro;
    Procelas concitando, altera as ondas,
    A praia e o mar enfusca, assola os ventos;
    215 A noite rui do céu; muge Euro, Noto,
    Bóreas árido, Zéfiro insolente.
    No peito esmorecido o herói murmura:
    “Ai de mim! temo o anúncio de Calipso,
    Que à pátria eu chegaria atormentado.
    220 Jove de que bulcões enluta os ares!
    Que lufadas, que brenhas, que borrascas!
    Presente o exício tenho. Oh! três e quatro
    Vezes ditosos os que em Tróia sacra
    Por amor dos Atridas feneceram!
    225 Acabasse eu na hora em que êneas lanças
    Do Aquileu corpo em cerco me choviam!
    Lá funerais houvera gloriosos:
    Força é hoje beber indigna morte.”
         Nisto, empinado vagalhão desaba,
    230 Horríssono investido a frágil barca:
    Demite o leme e fora cai Ulisses;
    Um tufão rende o mastro, e vela e antena
    Longe arremessa. Os ventos o soçobram;
    Vir ao de cima os escarcéus lhe tolhem;
    235 Pesam-lhe as vestes que lhe deu Calipso.
    Surde enfim, da cabeça escorrendo água,
    Com ânsias vomitando os salsos goles;
    Mas não se olvida, a nado o lenho aferra,
    Senta-se vigoroso, engana a Parca.
    240 Ele à matroca em vórtices flutua,
    Como Áquilo outonal pela campina
    Montões joga de folhas e de espinhos:
    Noto, Euro, Bóreas, Zéfiro contendem;
    Ora um, ora outro, apossam-se da presa.
    245 Ino Cadméia, já falante moça
    De torneado pés, que entre as marinhas
    Deusas é Leucotéia, amiserou-se
    Do seu penar; do fundo na figura
    De um mergulho saindo e na jangada
    250 A revoar pousando: “Infeliz, disse,
    Porque o Enosigeu te aflige e vexa?
    Ruja, que não sucumbes. Sê cordato,
    As vestes e o madeiro entrega às vagas;
    Lança-te a nado à ilha, onde um refúgio
    255 Se te destina; toma, e aos peitos esta
    Cinge, para salvar-te, imortal banda.
    Ao negro ponto, às praias mal que atinjas,
    Virando as costas, para trás a arrojes”.
         Dada a banda, as maretas remoinhando
    260 Nas entranhas a escondem. Cauto Ulisses
    Geme e hesita em seu ânimo divino:
    “De um nume que ilusão! Desobedeço,
    Pois a terra indicada é mui remota.
    Antes sofrer com paciência, enquanto
    265 A barca se sustém; nadar pretendo
    Assim que a desconjunte a marulhada:
    Outra nenhuma salvação me resta”.
         Grosso escarcéu Netuno eis sublevando,
    Qual dissipa em tufão de palha acervos,
    270 Traves destroça e tábuas furibundo:
    Num dos pedaços leve o herói cavalga,
    Despe-se, a banda cinge, prono estira
    Os braços vigorosos, ardente nada.
    A cabeça o tirano azul meneia,
    275 Consigo diz: “Batido pelas ondas,
    Padece agora, até que aos homens chegues
    De Jove alunos; desta feita espero
    Escarmentar-te”. E ao ínclito palácio
    De Egas move os cavalos crinipulcros.
    280 Palas não se descuida: aos outros ventos
    Obstrui as vias, e os sopita e calma;
    Deixa o Bóreas soprar e os mares quebra,
    A fim que a salvo se introduza Ulisses
    Entre os Feaces do vogar amigos.
    285 Duas noites flutívago e dous dias
    A cada instante a morte imaginava;
    Mas na aurora terceira, quedo o ruído,
    Sereno o ar, de cima de uma vaga
    Olhos aguça e a ilha vê mais perto.
    290 Como se alegra o filho, cujo enfermo
    Pai dileto, por graças dos Supremos,
    Sara de uma longuíssima doença,
    De que um gênio odioso o atormentava;
    Tal folga ele da terra e da floresta.
    295 Nos pés se estriba e insiste; mas, a alcance
    De um grito, ouve o murmúrio dos rochedos,
    E a mareta a roncar na árida costa
    E de alva aspersa escuma a cobrir tudo.
    Busca em torno angra, porto ou surgidouro,
    300 Acha recifes e ásperos cachopos.
         Dos joelhos frouxo e de alma quase morta,
    Geme e em seu grande coração discorre:
    “Ah! terra deu-me Jove inesperada,
    Brenhas de água venci, mas onde aborde
    305 Não me aparece; agudas pedras vejo
    E a fremir escarcéus, e lisa penha
    Escarpada e a raiz na profundeza.
    Não posso os pés firmar para evadir-me:
    Por mais que eu lide, à resvalente roca
    310 Talvez do fluxo o ímpeto me esbarre;
    Se além nado a encontrar ou seio ou passo,
    Temo que entre gemidos a ressaca
    Me empuxe e empegue, e infenso deus me lance
    Algum dos monstros que Anfitrite cria;
    315 Sei quanto me é contrário o grã Netuno”.
         Inda pensava, e à crespa riba um feio
    Esto o rebate; e a cútis lacerava
    E fraturava os ossos por Minerva
    Se não fosse inspirado: a penha aferra
    320 De ambas as mãos, e aguarda em ais que o rolo
    O deixe ao recuar, mas o refluxo
    Ao largo o arrasta e longe; e qual pólipo,
    Que destacam da cama, traz pedrinhas
    Apegadas aos pés, retém o escolho
    325 Das fortes mãos tenazes a epiderme.
    Da marejada opresso, ah! perecera
    Contra o fatal querer, se a gázea Palas
    A prudência do herói não reforçasse.
    Do fundo acima vem, transnada e fende
    330 Marulhos que bramindo a costa orvalham,
    Uma abra demandando, enseada ou praia;
    A foz emboca enfim de um rio ameno,
    Tuto e limpo de pedras e abrigado;
    Reconhecida a veia, orou devoto:
    335 “Quem sejas, rio, atende as preces minhas;
    Do furor de Neturno a ti recorro.
    Um peregrino é sacro aos mesmos deuses:
    Eu, peregrino errante, há muito sofro;
    Suplico, ó rei, de mim te compadeças.”
    340 Tranqüilo a correnteza o rio amaina,
    Recebe-o em sua areia. Ele os nervudos
    Braços contrai e pernas; combalido,
    Inchado o corpo, alija amargas gotas
    Pelos beiços e ventas; anelante,
    345 Sem voz e extenuado, o corpo estende.
    Resfolga e areja, anima-se, descinge
    E entrega a banda ao rio, que a transporta;
    Ino dela se apossa. Em apartado,
    Num juncal se reclina, e o chão beijando,
    350 Fala à sua alma grande: “Ai! que me resta?
    Se ao relento pernoito às margens turvas,
    O rocio matutino e as graves auras
    Me abaterão de todo: em selva opaca,
    A consentir-me estar cansaço e frio,
    355 Dormirei sossegado; mas receio
    Ser de feras escárnio e mantimento.”
         Reflete, e envia-se à floresta umbrosa,
    Em monte ao pé do rio. Uma figueira
    E um zambujo, a medrar na mesma touça,
    360 Ali de modo achavam-se enredados,
    Que nem úmidos sopros, sóis violentos,
    Nem chuveiros a copa transpassavam:
    Debaixo acama Ulisses tantas folhas,
    Quantas para a abrigar dous ou três homens
    365 Em rigoroso inverno bastariam;
    Ledo se deita e chimpa-se no meio.
    Qual, no extremo de um campo sem vizinhos,
    Conservando semente para o fogo,
    Mete alguém seu tição na escura cinza;
    370 O paciente herói se esconde nelas.
    Palas, porque o descanse das fadigas,
    Lhe derrama nas pálpebras o sono.

    NOTAS AO LIVRO V
    120-121 - É notável que a descrição da jangada assim aqui como mais adiante, case inteiramente com o que vemos hoje em dia. As que andam nas costas de muitas províncias do Brasil têm o mesmo soalho de que fala Homero, com um banco alto onde os jangadeiros atam os cabos da vela. Este soalho ou tabulado é um como tombadilho, mas não comparável aos dos navios; e eu o chamara jirau, nome da língua geral dos indígenas usado para significar o objeto, se não temesse a pecha de querer acaboclar a linguagem de Homero. Pobre tradutor do poeta, já me vi metido em uma jangada na costa do Ceará, a qual saía ao mar pela primeira vez e tinha uma vela descompassada; virou-se, e tive de perder entre as grossas vagas chapéu, sapatos e meias: foi este um dos grandes perigos em que me tenho achado. A ninfa Ino certamente não me acudiu nem me emprestou a cintura de salvação, como fez a Ulisses; mas outra jangada, maior e melhor, veio em socorro nosso, e levou-me de pés descalços a bordo do brigue português Aurora, que me transportou ao Maranhão. Os velhos gostam de memorar as suas aventuras.
    148-155 - Rochefort, cujas reflexões acerca de Homero são de ordinário cordatas, é um dos seus mais insuportáveis tradutores: nesta fala, não só alambica as expressões amatórias, mas empresta ao singelo autor cousas alheias ao seu pensamento, chamando a Penélope, v. g., vulgaire objet d’une folle tendresse; e, gabando-se Calipso da sua beleza imortal, acrescenta: Car j’ai lieu de penser que mon air et mes traits, Ne sont point au dessous de ses faibles attraits. Busquei nada emprestar ao poeta: coteje o leitor paciente o original com as nossas duas traduções.
    193-195 - Calipso não só meteu num surrão os mais necessários comestíveis, mas também num saco vários manjares delicados ou acepipes. Em vez de seguir o original nestas interessantes miudezas, traz Rochefort os seus dous versos: Tout chargé des présens qu’une amante attendrie Remet, en soupirant, à 1’amant qui 1’oublie. E explica em nota quais eram os presentes, dizendo que os suprimia, porque o francês não podia exprimir tais particularidades! M. Giguet e outros modernos têm mostrado quão fútil é a censura que era moda fazer à língua francesa.
    206 - Afirmam que o rinón do original é uma nuvem, e termo da língua dos Ilírios; mas Homero não escreveu nessa língua. Podia a ilha Esquéria, ou seja Corfu ou qualquer outra, apresentar-se a Ulisses por algum lado que tivesse a figura de um escudo; ao menos é o que diz o poeta. Junto a Santos no Brasil há uma ilha que chamam a Moela, por ter a forma deste estômago das aves depois de aberto e como costuma vir às mesas; uma das maravilhas do nosso globo, é o agregado de montanhas do Rio de Janeiro que todas juntas representam um gigante deitado: que impossibilidade há de oferecer uma ilha a figura de um escudo? A maior parte dos tradutores cingem-se a este sentido.
    359 - Opinei, em nota à Ilíada, que éphineòs não era em geral figueira brava, mas uma chamada baforeira: aqui opino que phuliès também não é figueira brava em geral, mas aquela que os Latinos dizem olester, e nós dizemos azambujeiro ou zambujeiro ou zambujo. Os que traduzem não especificadamente são obrigados a confundir as duas árvores, isto é, a que Homero denomina éphineòs com a que denomina phuliès: quem traduz os antigos deve ser escrupuloso nestas particularidades, que, não sendo sempre essenciais, podem sê-lo algumas vezes. Ir para o índice do livro.
    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 » Comentários:

    Postar um comentário

    Olá tudo bem? Encontrou o que procurava? Achou o Tifsa útil? Então compartilhe, curta, envie ou recomende aos amigos nossos artigos. O Tifsa não tem uma campanha de marketing multimilionária ou o patrocínio de celebridades, mas temos algo muito melhor: você.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole as leis, ou que configure em crime cibernético e que vão de e termos de uso, por favor denuncie.

    Item Reviewed: Odisséia de Homero - Livro V Rating: 5 Reviewed By: Pbsena Sena

    Contato

    Scroll to Top