Odisséia de Homero - Livro II - Tifsa Brasil
  • Recentes

    21 de maio de 2018

    Odisséia de Homero - Livro II

    Veste-se, à luz da dedirrósea aurora,
    Sai da alcova o amadíssimo Ulisseida
    Ao tiracolo a espada e aos pés sandálias,
    Fulgente como um deus, expede arautos
    5 A apregoar e reunir os Gregos.
    De hasta aênea, ao congresso alvoroçado,
    Não sem dous cães alvíssimos, se agrega;
    Minerva graça lhe infundiu celeste.
    Seu porte e ar admira o povo inteiro;
    10 Cedem-lhe os velhos o paterno assento.
    Egípcio ergueu-se, de anos curvo e sábio,
    A lembrar-se de Antifo, que audaz indo
    Com Ulisses a Tróia, do Ciclope
    Foi na seva espelunca última ceia;
    15 O herói carpia o filho, e bem que houvesse
    Três outros, um dos procos Eurínomo,
    Dous nas lavouras ocupados sempre,
    Concionou lagrimando: “Nunca, atentos
    Cidadãos, em congresso nos sentamos,
    20 Desde que Ulisses embarcou divino:
    Que provecto ou mancebo o ajunta agora?
    Que urge? anúncio há exército inimigo?
    Ou tratar vem de público interesse?
    Nas justas intenções o assiste Jove”.
    25 O Ulisseida não mais fica em seu posto;
    Ledo, orar cobiçando, em pé recebe
    Do arauto Pisenor sisudo o cetro,
    Por Egípcio começa: “Eis-me, tens perto
    Quem, ancião, convoca esta assembléia;
    30 Nem há novas de exército inimigo,
    Nem trato hoje de público interesse,
    Mas do meu próprio. Hei duas graves penas:
    Falta-me o pai, que o era do seu povo;
    O pior é que amantes importunos,
    35 Filhos dos principais aqui presentes,
    Minha mãe vexam, minha casa estragam.
    A Icário temem ir, que a filha dote
    E escolha o genro que lhe for mais grato;
    Em diários festins, meus bois tragando,
    40 Cabras e ovelhas, minha adega exaurem.
    Nem outro Ulisses que remova o dano,
    Nem forças tenho e militar perícia;
    Mal seria tentá-lo: oh! se eu pudesse!
    Da ruína e infâmia, cidadãos, salvai-me,
    45 Os vizinhos temei, temei que os deuses
    Em vós a indigna tolerância punam:
    E vos rogo por Júpiter, por Têmis,
    Que demite ou congrega as assembléias,
    Socorro, amigos; só me reste a mágoa
    50 Do extinto pai. Se dele ofensas tendes,
    E contra mim os instigais, mais vale
    Vós os móveis e imóveis consumirdes:
    Assim, tinha o recurso de que a tempo
    Em Ítaca meus bens vos reclamasse,
    55 Compensações recíprocas fazendo.
    Ora, insanável dor me infligis n’alma”.
    De cólera chorando, o cetro arroja;
    Comisera-se o povo. À queixa amarga,
    Em roda emudeceram, mas Antino,
    60 Rompe o silêncio: “Altíloquo e impotente
    Da ignomínia o ferrete em nós imprimes?
    A ninguém mais, Telêmaco, a mãe cara
    Somente arguas, que de astúcias mestra,
    Quatro anos quase, nos contrista, ilusos
    65 De promessas, recados e esperanças,
    E al tem no coração. Com novo engano,
    Nos disse, ao predispor fina ampla teia:
    — Amantes meus depois de morto Ulisses,
    Vós não me insteis, o meu lavor perdendo,
    70 Sem que do herói Laertes a mortalha
    Toda seja tecida, para quando
    No longo sono o sopitar o fado:
    Nenhuma Argiva exprobre-me um funéreo
    Manto rico não ter quem teve tanto. —
    75 Esta desculpa ingênuos aceitamos.
    Ela, um triênio, desmanchava à noite
    À luz da lâmpada o lavor diurno;
    Ao depois, avisou-nos uma escrava,
    E a destecer a teia a surpreendemos:
    80 Então viu-se obrigada a concluí-la.
    Saibas nossa resposta, e a saibam todos:
    Penélope de Icário ao paço envies,
    Marido a sabor dela o pai lhe escolha.
    De indústria, engenho e ardis, a ornou. Minerva,
    85 Quais não dera às mais célebres Aquivas,
    Tiro e Alcmena e Micena emadeixadas;
    Mas dos dotes abusa em que as supera,
    A príncipes da Grécia atormentando.
    A insistir na repulsa, na vontade
    90 Que os imortais no peito lhe puseram,
    Terá glória perene, embora sintas
    Esgotados rebanhos e tesouros;
    Pois, o assevero, a empresa não largamos,
    Antes que ela um consorte a gosto eleja”.
    95 Logo Telêmaco: “A expulsar, Antino,
    Quem me pariu e amamentou me instigas?
    Viva Ulisses ou não, se tal cometo,
    A meu avô dar cumpre estreita conta;
    Aflito pelo pai, depois que as Fúrias
    100 Penélope, este lar deixando, impreque,
    Me incitará mau gênio humanos ódios:
    Não, não proferirei tamanho crime.
    Mutuando os festins, comei do vosso,
    A casa despejai-me. A preferirdes
    105 Gastar os bens de um só, recorro aos deuses:
    Júpiter o castigo vos fulmine,
    E nestes paços expireis inultos”.
    Aqui despede o próvido Satúrnio
    110 Do alto águias duas, que, de pandas asas
    Pelas auras a par, ante o congresso
    Mirando em giro e sacudindo as penas
    Sobre as cabeças, prometiam mortes;
    Lacerando-se à unha a testa e o colo,
    Da cidade por cima à destra voam.
    115 No anúncio a refletir, pasmaram todos.
    Ergueu-se o herói Mastórida Haliterse,
    Agoureiro o melhor entre os coevos,
    E orou de grado: “Cidadãos, ouvi-me,
    Risco iminente pressagio aos procos:
    120 Não tarda Ulisses, que vizinho traça
    Deles o exício e de outros Itacenses.
    De os refrear o modo averigüemos,
    Ou se abstenham por si, que é mais cordato.
    Inexperto não sou; predisse aos Gregos,
    125 No embarcar para Tróia o astuto Ulisses,
    Que sem nenhum dos seus, após vinte anos
    E transes mil, ignoto aqui viria:
    Quanto prenunciei vai ser cumprido”.
    Eurímaco retorque: “Eia, a teus filhos
    130 Corre a vaticinar, para que um dia
    Sério desastre, ó velho, não padeçam:
    Profeta eu sou maior; nem quantas aves
    Ao sol adejam, pronosticam males.
    Como Ulisses, ao longe oh! pereceras,
    135 Áugur falaz; com olho só no lucro,
    O ódio nunca em Telêmaco excitavas.
    Mas, se de teu prestígio e idade abusas
    Irritando o mancebo, eu te asseguro,
    Funesto lhe serás, sem nada obteres,
    140 E a ti multa imporemos, que te grave
    E ao vivo doa. Mande, eu lho aconselho,
    A Icário a mãe: as núpcias lhe aprontemos,
    E um dote para a filha haja condigno.
    Cesse a porfia assim; pois ninguém medo,
    145 Nem o loquaz Telêmaco, nos mete.
    Predições desprezamos, cujo efeito
    Único é detestarmos o adivinho.
    A desfalcar seus bens continuaremos,
    Enquanto ela indecisa entretiver-nos:
    150 Todos rivais, pela virtude sua,
    Longos dias passamos na esperança,
    Outras nobres senhoras enjeitando”.
    Dissimula Telêmaco: “Não quero
    Nisto, Eurímaco e ilustres pretendentes,
    155 Falar mais: tudo os Céus e os Gregos sabem.
    Mas dai-me ágil baixel de vinte remos,
    No qual, o instável pélago sulcando,
    Eu vá, na Esparta e na arenosa Pilos,
    Do suspirado pai colher notícias:
    160 Talvez alguém me informe, ou soe o brado
    Com que Jove aos mortais gradua a fama.
    Vivo Ulisses, paciente um ano espero;
    Morto, aqui volto, e um monumento exalço
    E consagro-lhe exéquias dignas dele;
    165 De mim novo marido a mãe receba”.
    Mal toma o seu lugar, Mentor ergueu-se,
    Sócio do grande Ulisses que à partida
    Confiou-lhe interesses da família,
    Que ao velho obedecia; este prudente
    170 Orou de grado: “Cidadãos, ouvi-me,
    Cetrígero nenhum benigno seja,
    Nem precatado e bom, sim duro e injusto,
    Já que o povo deslembra o divo Ulisses,
    Rei homem, rei e pai, senhor e amigo.
    175 Aos cegos procos a violência passo,
    Porque, a seu risco devorando a casa,
    Pensam que Ulisses nunca mais ressurja;
    Ardo só contra o povo, que estais mudos,
    Que, tantos sendo, ao menos com palavras,
    180 Não reprimis o orgulho de tão poucos”.
    Bradou Leócrito Evenório: “Bronco
    E insolente Mentor, nós desistirmos!
    Disputar-se o festim será difícil
    Dos príncipes à flor: se o próprio Ulisses
    185 Maquinasse expelir de casa os procos,
    Não folgava de o ver a amante esposa;
    Crua morte os convivas lhe dariam.
    Fútil arenga. Ao trabalho, ó povo;
    Naliterse e Mentor, muito há paternos
    190 E amigos seus, dispunham-lhe a viagem.
    Falho o projeto, longamente, eu creio,
    Tem de inquirir em Ítaca estrangeiros”.
    Ei-lo, solve o congresso; os mais às próprias,
    De Penélope à casa os procos foram.
    195 Telêmaco da praia ao longo parte;
    No alvo mar banha as mãos, suplica a Palas:
    “Socorro, ó nume que a meu lar vieste,
    E ontem mandaste que, talhando as vagas,
    De Ulisses fosse em busca; obstam-me os Gregos,
    200 E sobretudo os feros pretendentes”.
    Palas à prece acorre, em voz e em corpo
    A Mentor semelhando: “Siso e esforço,
    Ó mancebo, terás, se em ti se instila
    O ânimo de teu pai em dito e em feitos,
    205 Nem baldarás teus passos: a não seres
    De Penélope sangue e do Laércio,
    Que lograsses o intento eu duvidara.
    Muitos filhos do tronco degeneram,
    Raros o imitam, raros se avantajam;
    210 Pois de Ulisses herdaste o gênio e o brio,
    O teu projeto conseguir esperes.
    Desses loucos e injustos não te importes;
    Sem previdência, ignoram que atra morte
    Para um só dia lhes comina o fado.
    215 Não mais o teu propósito retardes:
    Mesmo agora aparece aos pretendentes;
    Vitualhas apresta e acondiciona,
    Em ânforas o vinho e em densos odres
    Mete a farinha, dos barões medula.
    220 Paterno sócio, te serei companha,
    Em baixel que te esquipe: ondicercada
    Ítaca abunda em naus de toda a sorte;
    A melhor se aparelhe e ao mar se deite”.
    À voz da filha do Satúrnio, à casa
    225 Dirige-se o Ulisseida angustiado;
    Os soberbões encontra a esfolar cabras,
    A assar no pátio suculentos porcos.
    Rindo lhe ocorre Antino e a mão lhe trava:
    “Fraco e loquaz Telêmaco, desterra
    230 Mau pensamento; investe, como dantes,
    Ao comer e ao beber, valente e guapo.
    Gregos te escolherão navio e remos,
    Onde a Pilos divina, ao som da fama,
    Tu vás de Ulisses indagando novas”.
    235 Sério o príncipe: “Antino, com soberbos
    Folgar não devo ou conviver forçado.
    Não basta que os meus bens dilapidásseis
    Na infância minha? Alerta e mais crescido,
    Aconselhei-me, e a ira em mim referve:
    240 Seja em Pilos ou Ítaca, procuro
    Vossa ruína; os passos meus não frustro.
    Passagem pagarei, pois vos aprouve
    De embarcação privar-me e de remeiros”.
    E a mão da mão de Antino arranca fácil.
    245 Rompe o festim, e a charlear um deles:
    “Hui! Telêmaco a perda nos prepara!
    Ou da arenosa Pilos ou de Esparta
    Vingadores trará, se é que de Éfira
    Não nos trouxer letíficos venenos,
    250 Que na cratera a todos nos propine”.
    E outro a zombar: “Quem sabe se naufrague
    E longe expire, como o errante Ulisses?
    Seria um grã trabalho o dividirmos
    Tamanhas possessões, à mãe deixando,
    255 Ou a quem a esposasse, este palácio”.
    Ele à paterna estância ampla e sublime
    Corre, onde amontoavam-se ouro e cobre,
    Óleo odorífero e de vestes arcas;
    Dentro, em redor envelheciam pipas
    260 De almo divino baco, se inda Ulisses,
    Depois de tanta angústia, ao lar voltasse.
    Desperta as portas bífores cerradas
    Guardava a ecônoma Euricléia, filha
    De Opes de Pisenor; chamou-a e disse:
    265 “Em ânforas bom vinho, ama, embotelha,
    Do mais suave que a tornada espera
    Do infeliz nobre herói, se a morte o poupa,
    Delas enche uma dúzia e arrolha todas;
    Alqueires vinte em odres bem cosidos
    270 Vaza de grãos de elaborada Ceres.
    Tudo arruma em segredo; à noite venho,
    Mal Penélope a câmara procure.
    A Esparta e a Pilos arenosa vou-me,
    Do pai dileto a recolher notícias”.
    275 Clama Euricléia, debulhada em pranto
    “Filho, que insânia a tua! ires sozinho
    Por esse mundo! É morto o grande Ulisses,
    Ai! longe do seu ninho, em terra ignota:
    Fica entre nós; para teus bens gozarem,
    280 Se partes, eles te armarão ciladas;
    Ao cruel vago mar não te confies”.
    “Ama, responde o príncipe, sossega;
    Isto não é sem deus. Jura à mãe cara
    Onze dias ou doze encobrir tudo,
    285 Salvo se o tenha ouvido ou queira ver-me:
    Não deforme chorando as faces belas”.
    Firma a velha um solene juramento,
    E enquanto o vinho em ânforas transfunde
    E despeja nos odres a farinha,
    290 O jovem se reúne aos pretendentes.
    Mais excogita Palas: disfarçada
    No régio garfo, as ruas percorrendo,
    Incitava um por um a achar-se prestes,
    Ao lusco e fusco, ante um baixel veleiro
    295 Ao de Frômio pedido egrégio filho,
    Que o prometeu benévolo e previsto.
    Obumbrava a cidade o Sol no ocaso:
    Do porto à boca, a mesma Olhicerúlea,
    Em nado posta a nau bem petrechada,
    300 Congrega e exorta a pontual maruja.
    Depois anda ao palácio; os pretendentes
    Entre o vapor do vinho em sono enleia,
    Turba-os, das mãos os copos lhes sacode:
    Eles para dormir, da mesa erguidos,
    305 Carregadas as pálpebras, se espargem.
    Retoma a forma de Mentor a deusa,
    Fora chama a Telêmaco: “Nos bancos
    Te aguardam prontos os grevados Gregos;
    Não demoremos a partida, vamos.”
    310 Já caminha, e Telêmaco após ela.
    Chegados ao baixel, na praia encontram
    Comantes nautas, a quem fala o moço:
    “Os víveres, amigos, transportemos
    Que hei no aposento: exceto uma cativa,
    315 Nem minha mãe conhece este segredo.”
    Ei-los, colocam tudo na coberta:
    Embarca o príncipe, adiante Palas,
    Que a par o assenta à popa. Safam cabos
    E abancam-se remeiros, bem que a deusa
    320 Mande favônio Zéfiro, que aleia
    E encrespa o turvo ressonante pego.
    A vozes de Telêmaco, manobram:
    De abeto o mastro levantado encaixam
    Em sua base e o ligam de calabres,
    325 Com táureas cordas brancas velas içam.
    Venta em cheio; a fremir, purpúreas vagas
    O buco açoutam, que as retalha e voa.
    Finda a mareação, do mais estreme
    Em pé crateras coroando, libam
    330 Aos imortais, principalmente à prole
    De Júpiter Minerva, que da noite
    À nova aurora viajou com eles.

    NOTAS AO LIVRO II

    68-71 — Nesta passagem, usa Rochefort de estilo erótico alheio de Homero: Antino fala no tom do Pastor Fido ou da Marília de Dirceu. Apesar de ser Pindemonte um bom poeta, caiu no mesmo erro, na aparição dramática de Penélope no livro I, pondo-lhe na boca, não palavras convinháveis ao conjugal amor daquela mãe de um filho de vinte anos, sim próprios da mais ardente mocidade. Amiúde, como sucede em outros lugares deste livro II, emprestam os tradutores aos seus quadros cores modernas mal assentes, por mero enfeite. Ora, pode-se uma ou outra vez ornar o pensamento, contanto que não se abuse da licença, e o ornato seja no gosto do autor; e, se tal se permite, é por uma espécie de compensação, visto que em não poucas ocasiões deixa o tradutor forçosamente de passar com a mesma gala muitas expressões do original. A simplicidade homérica é um grande escolho para nós outros.
    118-174 — Éu phroneon tomam alguns na acepção de prudente: Homero, penso, diz que Haliterse falou contente, por ver que as águias reforçavam o seu antigo prognóstico. — No verso 150, trato só da virtude, não da beleza de Penélope, como alguns acrescentaram, contra a precisão do texto: refiro-me à nota antecedente. — Com M. Giguet, tenho que o verso 169 não é Laertes; é Mentor, que, menos idoso, encarregou-se da família na ausência do herói. — O 174 é o enérgico e belíssimo verso de Ferreira na carta primeira, o qual orna o pensamento sem fugir do estilo simples do poeta grego.
    219-244 — Chama-se aqui a farinha ou o pão medula dos varões: não quis eu esfriar esta expressão com um equivalente; o mesmo praticou M. Giguet, em prosa e numa língua menos ousada. — O Reia do 322 do original, verti-o à letra por fácil: parece-me que no seu advérbio indica o autor a força do braço de Telêmaco, de bom agouro para o futuro. Este belo toque de mestre é como o de Virgílio, que no verso 652 do livro VII só no advérbio nequidquam aponta a morte futura de Lauso. Muitos não fizeram caso algum desta passagem, mas Rochefort acertou, bem que a sua versão, longa e prolixa, pareça antes uma explanação do texto. — Ondicercada, no meu verso 221, imitado do italiano, é o mesmo que circúnflua, adjetivo já da nossa língua, do qual falei anteriormente.
    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 » Comentários:

    Postar um comentário

    Olá tudo bem? Encontrou o que procurava? Achou o Tifsa útil? Então compartilhe, curta, envie ou recomende aos amigos nossos artigos. O Tifsa não tem uma campanha de marketing multimilionária ou o patrocínio de celebridades, mas temos algo muito melhor: você.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole as leis, ou que configure em crime cibernético e que vão de e termos de uso, por favor denuncie.

    Item Reviewed: Odisséia de Homero - Livro II Rating: 5 Reviewed By: Pbsena Sena

    Contato

    Scroll to Top