Terpsícore - Livro V - Tifsa Brasil
  • Recentes

    19 de maio de 2018

    Terpsícore - Livro V

    CONTINUAÇÃO DA HISTÓRIA DE DARIO - ATENAS E ESPARTA - OS PISISTRÁTIDAS - CLEÓMENES - AS ESTÁTUAS DE EGINA - ORIGEM DA INIMIZADE ENTRE OS ATENIENSES E OS EGINETAS - CÍPSELO, TIRANO DE CORINTO - HÍPIAS - TOMADA DE SARDES PELOS IÔNIOS E PELOS ATENIENSES - DARIO LANÇA UMA FLECHA CONTRA O CÉU, PEDINDO AOS DEUSES QUE O VINGUEM DOS ATENIENSES - TODAS AS CIDADES DO HELESPONTO, DA IÔNIA E DA EÓLIA SUBMETIDAS PELOS PERSAS, ETC.

    I - As tropas persas que Dario havia deixado na Europa sob o comando de Megabizo subjugaram primeiramente, entre os povos do Helesponto, os Períntios, que se recusaram a obedecer a seu soberano. Os Peônios, que vivem às margens do Estrímon, tinham, antes, movido guerra contra os Períntios, em conseqüência de um oráculo, que os concitara a marchar contra esse povo e atacá-los, se, quando os dois exércitos se defrontassem, os Períntios os provocassem chamando-os pelos nomes, devendo, porém, absterem-se de qualquer atitude agressiva se tal não se desse. Os Peônios obedeceram. Os Períntios, tendo assentado acampamento diante da cidade e frente a frente com os Peônios, desafiaram-nos a três combates singulares; um, de um homem contra outro; o segundo, de um cavalo contra outro, e o terceiro, de um cão contra outro cão. Obtiveram supremacia nos dois primeiros combates, e, desvanecidos com essa vantagem, puseram-se a entoar o Péon{70}. Foi quando os Peônios, conjecturando que era exatamente isso que o deus lhes havia dado a entender, e dizendo uns aos outros: "O oráculo já se cumpriu; cumpramos nós o nosso dever", caíram sobre os adversários, que continuavam a entoar o hino, desbaratando-os por completo.

    II - Tal foi a vantagem obtida pelos Peônios contra esse povo; mas, com relação aos persas de Megabizo, os Períntios lutaram valorosamente pela própria liberdade, só logrando o inimigo vencê-los pela superioridade numérica. Depois de submeter Perinto, Megabizo percorreu a Trácia com o seu exército, capturando todas as cidades e subjugando todos os povos, impondo-lhes o jugo persa, seguindo as ordens recebidas de Dario.

    III - Os Trácios constituem, depois dos Indianos, a nação mais populosa da Terra. Se fossem governados por um único homem, ou se se mantivessem em estreita união, seriam, acredito, o mais poderoso de todos os povos. Tal união é, porém, impraticável, e isso os torna fracos. Possui, cada grupo, um nome diferente, segundo a região que habita. Todavia, adotam as mesmas leis e os mesmos costumes, com exceção dos Getas, dos Trausos e dos que habitam acima dos Crestônios.

    IV - Já tive ocasião de me referir aos costumes dos Getas, que se dizem imortais. Quanto aos dos Trausos, são em tudo semelhantes aos dos outros Trácios, exceto com relação aos recém-nascidos e aos mortos. Quando nasce, entre eles, uma criança, os parentes, sentados em torno dela, enumeram os males a que está sujeita a natureza humana e lamentam, com gemidos, a sorte ingrata que fatalmente o acompanhará enquanto viver; mas, quando morre um deles, enterram-no alegremente, regozijando-se com a felicidade desse que acaba de libertar-se de tantos males.

    V - Entre os povos que habitam a região ao norte do território dos Crestônios prevalece o costume de cada indivíduo possuir várias mulheres. Quando morre um deles, trava-se entre as viúvas acesa disputa para decidirem qual a que fora mais amada pelo morto, intervindo na contenda os amigos deste. Aquela em favor da qual é pronunciado um tão honroso julgamento recebe os elogios dos homens e das mulheres, depois do que seu mais próximo parente sacrifica-a sobre o túmulo do marido, enterrando-a com ele. As outras mulheres mostram-se profundamente magoadas com essa preferência, que para elas encerra uma grande afronta.

    VI - Os outros Trácios adotam o costume de vender os filhos, com a condição de serem eles levados para fora do país. Não mantêm a menor vigilância sobre as filhas, deixando-as com a liberdade de entregar-se a quem melhor lhes pareça, mas conservam as esposas, que adquirem por alto preço dos pais, rigorosamente segregadas. Trazem estigmas no corpo{71}, o que constitui um sinal de nobreza, sendo infamante não possuí-los. Nada mais belo para eles do que a ociosidade; nada mais honroso do que a guerra e a pilhagem, e nada mais desprezível do que o amanho da terra.

    VII - Esses Trácios não adoram senão Marte, Baco{72} e Diana; mas os reis prestam particular culto a Mercúrio, do qual se julgam descendentes, e juram unicamente por esse deus.

    VIII - Os funerais das pessoas ricas são realizados, entre eles, da seguinte maneira: o morto fica exposto às vistas dos parentes e amigos durante três dias, e depois de lhe haverem sacrificado toda sorte de animais, realizam um festim, sempre iniciado por copioso. pranto. Dão-lhe, em seguida, sepultura tal como se encontra, ou depois de o haverem queimado. Erguem um cômoro sobre a cova e celebram jogos de toda espécie, com distribuição de valiosos prêmios aos vencedores dos combates singulares.

    IX - Nada se pode dizer com segurança sobre os povos que habitam ao norte da Trácia, mas a região situada além do Íster parece deserta e imensa, sendo habitada apenas pelos Siginos, segundo me informaram. As vestes dos Siginos assemelham-se muito às dos Medos. Os cavalos, nessa região, são pequenos e de pêlo longo, e não têm força suficiente para conduzir homens; mas atrelados a um carro deslocam-se com bastante ligeireza, razão por que esse povo faz amplo uso de carroças. Os Siginos confinam com os Venetos, que vivem no litoral do Adriático, e pretendem ser uma colônia dos Medos. Não posso compreender, entretanto, como os Medos conseguiram transplantar-se para essa região. Enfim, é possível que assim tenha sido. Os Ligúrios, situados além de Marselha, chamam siginos aos comerciantes, e os Cíprios assim denominam seus dardos.

    X - Os Trácios asseguram que na região que fica além do Íster existe uma tal quantidade de abelhas, que nenhum ser humano se atreve a avançar mais para diante. Isso não me parece verossímil, uma vez que esses insetos não suportam frio intenso. Na minha opinião, é o rigor do clima que a torna inabitável. Eis o que se diz dessa região, cujo litoral foi submetido por Megabizo.

    XI - Dario, atravessando o Helesponto, dirigiu-se para Sardes, onde, lembrando-se do serviço que lhe prestara Histeu e dos bons conselhos de Coes de Mitilene, mandou chamá-los a essa cidade, dispondo-se a recompensá-los com o que fosse de sua escolha. Histeu, que já era tirano de Mileto, contentou-se em pedir-lhe Mircina, cantão dos Edônios, onde tencionava construir uma cidade. Coes, que ainda não exercia poder algum, pediu-lhe a soberania de Mitilene. Obtendo ambos o que desejavam, retiraram-se.

    XII - Um fato de que Dario foi testemunha levou-o a ordenar a Megabizo que transportasse os Peônios da Europa para a Ásia. Pigres e Mânties, ambos peônios, aspiravam tornar-se tiranos de sua pátria. Logo que Dario regressou à Ásia, dirigiram-se eles a Sardes, com a irmã, jovem e bela. Espreitando o momento em que o soberano se achava no bairro dos Lídios, enfeitaram a moça da melhor maneira possível e mandaram-na buscar água. Levava ela um vaso na cabeça, puxava o cavalo pela rédea, presa ao braço, enquanto com as mãos fiava o linho. Dario, vendo-a passar, pôs-se a observá-la com interesse, tanto mais que as suas maneiras diferiam dos costumes das mulheres persas, lídias, e mesmo das do resto da Ásia. Ordenou, então, a alguns dos seus guardas que a seguissem e observassem o que ela faria com o cavalo. Os guardas seguiram-na. A moça foi até o riacho, deu de beber ao cavalo e, enchendo de água o vaso, voltou pelo mesmo caminho, o vaso na cabeça, a rédea do animal enrolada no braço e manejando o fuso.

    XIII - Espantado com a informação dos guardas e com o que ele próprio presenciara, Dario fez vir a moça à sua presença. Esta chegou acompanhada dos irmãos, que se mantiveram a certa distância, aguardando os acontecimentos. Dario interrogou-os sobre o país a que pertenciam, respondendo eles serem peônios e sua irmã aquela que ali estava. O soberano perguntou-lhes a razão de sua vinda a Sardes, que espécie de homens eram os Peônios e que parte da terra habitavam, respondendo eles que ali tinham vindo para oferecer-lhe seus serviços, e que a Peônia, com suas cidades, ficava situada às margens do Estrímon, rio não muito distante do Helesponto. Quanto ao seu povo, era originário dos Teucros, colônia de Tróia. O soberano quis ainda saber se as mulheres desse país eram todas assim, laboriosas como aquela jovem, respondendo eles prontamente que sim, pois com toda a sua manobra não visavam senão serem levados a essa resposta.

    XIV - Diante disso, Dario enviou uma mensagem a Megabizo, que havia deixado na Trácia à frente de um exército, ordenando-lhe que fizesse sair os Peônios do seu país, conduzindo-os, com as mulheres e crianças, para a Ásia. Imediatamente, um correio dirigiu-se a toda brida para o Helesponto e, atravessando-o, chegou ao local onde se encontrava Megabizo, fazendo-lhe entrega da mensagem. O general, cientificado do desejo do seu soberano, obteve guias trácios e marchou incontinênti contra a Peônia.

    XV - Ante a notícia de que os Persas vinham atacá-los, os Peônios dirigiram-se com suas forças para o litoral, convencidos de que o ataque viria daquele lado e decididos a repeli-lo por todos os modos; mas Megabizo, alertado de que eles guardavam, com todas as tropas, as passagens do lado do mar, enveredou pelas terras altas com os guias, e caindo de surpresa sobre as cidades, delas apoderou-se facilmente, tanto mais que encontrou-as quase desertas. Sabendo que as suas cidades se achavam em poder de Megabizo, os Peônios dispersaram-se sem mais demora e, regressando aos lares, renderam-se aos atacantes. Assim, uma parte dos Peônios, isto é, os Siropeônios, os Peoples, e os que habitam a região que se estende até o lago Prásias, viram-se arrancados de seus lares e transportados para a Ásia.

    XVI - Os Peônios das cercanias do monte Pangeu, os Doberienses, os Agriães, os Odomantes e os Peônios do lago Prásias não puderam, a princípio, ser subjugados, a despeito das tentativas feitas por Megabizo. As habitações do último desses povos a que me referi são construídas sobre pilastras elevadas, enterradas no lago, ligadas à terra firme por uma ponte estreita, que é o único meio de acesso. Os habitantes erguiam outrora essas pilastras por meio de contribuição comum; mas, depois, ficou estabelecido por lei que cada homem devia trazer três delas do monte Orbeto, toda vez que desposasse uma mulher (a poligamia é permitida entre esse povo). Os habitantes armam suas habitações sobre as pranchas colocadas sobre as pilastras, com um alçapão que se abre sobre o lago; e para que as crianças não venham a cair pela abertura, amarram-nas pelo pé com uma corda. Em lugar de feno, dão aos cavalos e às bestas de carga, peixe, sendo este tão abundante no lago, que, lançando-se à água um cesto pelo alçapão, pode-se retirá-lo cheio de papraces e de tilons, as duas espécies mais numerosas ali.

    XVII - Os Peônios subjugados foram levados para a Ásia, e Megabizo, concluída essa expedição, despachou para a Macedônia sete persas, detentores de altos postos no exército, para pedirem a Amintas terra e água em nome de Dario. Do lago Prásias à Macedônia não é grande a distância. Com efeito, a mina explorada pelos Macedônios e que passou a render mais tarde um talento por dia a Alexandre, confina com esse lago. Depois dessa mina fica o monte Disorum, e transpondo-se este, entra-se na Macedônia.

    XVIII - Chegando à presença de Amintas, os emissários de Megabizo pediram-lhe terra e água em nome de seu soberano, sendo prontamente atendidos. Amintas hospedou-os em seu próprio palácio, oferecendo-lhes um magnífico banquete e tratando-os com a maior cordialidade. Findo o banquete, os emissários persas, já um tanto tocados pelo vinho, disseram a Amintas: "Senhor e hospedeiro nosso; nós, os Persas, quando damos um grande banquete costumamos fazer sentar ao nosso lado nossas concubinas e nossas jovens esposas. Já que nos recebeis com tanta cordialidade e magnificência e concedeis terra e água ao nosso soberano, por que não imitais, em tal ocasião, o costume dos Persas?" "Nossos costumes são outros - respondeu Amintas -, e não é uso, entre nós, as mulheres permanecerem entre os homens; mas como desejais ainda este testemunho de nossa deferência e sois nossos senhores, sereis obedecidos". Assim dizendo, mandou vir as mulheres, dizendo-lhes que se sentassem lado a lado, em frente aos persas. Estes, encantados com a beleza das jovens, disseram a Amintas que não lhe ficava bem mantê-las assim tão afastadas e que, se elas tinham vindo para ficarem sentadas defronte deles, causando-lhes verdadeiro tormento para os olhos, seria melhor que ali não estivessem. Cedendo às circunstâncias, Amintas fê-las sentar-se ao lado de seus hóspedes. Elas obedeceram prontamente, e estes, excitados pelo vinho, levaram-lhes as mãos aos seios e tentaram abraçá-las.

    XIX - Embora revoltado com o espetáculo que tinha diante dos olhos, Amintas aparentava tranqüilidade, tal o temor que lhe inspiravam os Persas: mas seu filho, Alexandre, ainda muito jovem e inexperiente, achando-se presente ao banquete, não pôde conter-se, dirigindo-se ao pai nestes termos: "Cedei às exigências da vossa idade, meu pai; ide repousar, não assistindo por mais tempo a tão deprimente espetáculo. Eu ficarei, e terei o cuidado para que nada falte aos nossos hóspedes". Amintas compreendeu que o filho tinha na mente algum plano funesto. "Julgo notar pelas tuas palavras, meu filho - disse ele -, que estás um tanto perturbado pelo vinho e queres que eu me afaste para executares o que tens em mente; mas eu te conjuro a nada fazeres contra esses homens, para que não sejas a causa da nossa desgraça. Observa o seu procedimento, mas sem te exaltares. Cedo, apesar disso, às tuas instâncias, e retiro-me".

    XX - Logo que Amintas se retirou, Alexandre dirigiu a palavra aos persas: "Amigos, se desejais os favores de todas essas mulheres, ou somente de algumas dentre elas, basta dizer-me, e eu vos facilitarei em tudo que depender de mim. A hora já vai adiantada e noto que o vinho vos despertou a alegria. Permiti, pois, que elas tomem o seu banho de costume, voltando depois para junto de vós".

    Os persas aquiesceram. As mulheres saíram, e Alexandre mandou-as para os seus respectivos aposentos. Reunindo, em seguida, um grupo de jovens imberbes, fê-los vestir-se de mulher, armou-os de punhal e, voltando com eles à sala do banquete, disse aos hóspedes de seu pai: "Persas, acreditamos ter-vos oferecido um esplêndido banquete e servido o que possuíamos de melhor, contentando-vos com o que nos foi possível nesse sentido, e agora, para vos convencer de que vos dispensamos a maior consideração, trazemos a vós as nossas mães e nossas irmãs. Não deixeis, pois, de dar testemunho ao rei que vos enviou, do acolhimento cordial que vos dispensou um grego, príncipe da Macedônia. Agora, à mesa e ao leito!". Dito isso, Alexandre ordenou a cada um dos macedônios que se sentasse junto de cada persa, procedendo como uma mulher; mas, no momento em que os persas tentaram tocar-lhes, os jovens massacraram-nos.

    XXI - Assim pereceram os emissários de Megabizo e toda a sua comitiva, pois ali tinham ido acompanhados de grande número de criados, carros e bagagem, que desapareceram com eles. Pouco tempo depois os Persas fizeram um inquérito em torno do fato, mas Alexandre agiu com sagacidade, oferecendo, juntamente com grandes somas de dinheiro, sua irmã Gigéia em casamento a Bubares, um dos comissários nomeados para investigar o desaparecimento dos delegados de Megabizo, abafando, desse modo, os rumores em torno do assassínio dos mesmos.

    XXII - Alexandre e seu pai são realmente gregos e descendentes de Pérdicas, como eles próprios o afirmam. Estou convencido disso, e o provarei no decorrer desta história. Aliás, os helanódicos, que presidem aos Jogos Olímpicos, assim decidiram quando Alexandre tomou a resolução de participar desses jogos, apresentando-se na liça. Os que disputavam o prêmio de corrida quiseram excluí-lo da prova, sob a alegação de que somente os Gregos deviam ser admitidos no torneio. Ficando, porém, provado ser ele árgio, consideraram-no grego; e quando se apresentou para disputar a prova do estádio, seu nome saiu sorteado, juntamente com o do primeiro concorrente.

    XXIII - Chegando ao litoral do Helesponto com os Peônios que subjugara, Megabizo atravessou-o, atingindo Sardes. Informado de que Histeu de Mileto já erguia os muros da cidade denominada Mircina, sobre o Estrímon, com a qual o presenteara Dario como recompensa por haver guardado a ponte durante a expedição contra os Citas, logo que chegou dirigiu-se ao palácio do soberano, a quem falou nestes termos: "Que fizestes, senhor, permitindo a um grego hábil e sagaz assenhorear-se de uma cidade, numa região da Trácia onde há minas de prata e muita madeira própria para a fabricação de remos! Esse país, aliás, encontra-se cercado por grande número de Gregos e bárbaros, que, tomando-o por chefe, segui-lo-ão, a qualquer hora, aonde ele os queira conduzir. Reprimi, senhor, esse homem empreendedor, para evitardes o perigo de uma guerra civil. Chamai-o a vós com doçura, e quando ele estiver em vosso poder, impedi-o de retornar à Grécia".

    XXIV - Estas palavras, pronunciadas por um homem cuja visão penetrante perscrutava o futuro, convenceram facilmente Dario. O soberano enviou logo um correio a Mircina, com instruções para dizer a Histeu: "Histeu, o rei Dario fala-te pela minha boca: depois de muito pensar, cheguei à conclusão de que não poderei encontrar ninguém mais devotado a mim e ao meu governo do que tu. As tuas ações me têm dado prova disso. Encontro-me atualmente empenhado em grandes projetos, e a tua presença aqui me é absolutamente necessária. Espero-te para te comunicar as minhas resoluções".

    Histeu, lisonjeado com essa declaração e sentindo-se honrado por admiti-lo o soberano como seu conselheiro, veio a Sardes, dizendo-lhe Dario, assim que o viu em sua presença: "Mandei chamar-te porque, desde o meu regresso da Cítia, tenho sentido a tua ausência, não desejando outra coisa senão rever-te e confabular contigo, convencido de que um amigo prudente e zeloso dos nossos interesses é o mais precioso dos bens. Ora, notei em ti essas duas qualidades, e folgo com a tua vinda. Escuta, agora, o que te vou propor: Deixa Mileto e a nova cidade que construíste na Trácia, e acompanha-me a Susa; partilharás de todos os meus bens, comerás à minha mesa e serás meu conselheiro".

    XXV - Pouco depois, partia Dario para Susa, levando Histeu consigo, tendo antes nomeado Artafernes, seu irmão por parte de pai, governador de Sardes, e Otanes comandante das costas marítimas. Este último era filho de Sisanés, um dos juízes reais que Cambises mandara executar e esquartejar, por ter-se deixado subornar. Tinham-lhe, em seguida, cortado a pele em tiras, recobrindo com ela a cadeira onde ele exercia a magistratura. Consumado o castigo, Cambises deu ao filho o lugar do pai, dizendo-lhe que se lembrasse sempre, ao ministrar a justiça, da cadeira em que se sentava.

    XXVI - Foi, pois, esse Otanes que sucedeu Megabizo no comando do exército persa na Europa. Tomou Bizâncio, a Calcedônia e Lampônia, e tornou-se senhor de Antandro, na Tróada. Os Lésbios deram-lhe, em seguida, navios, com os quais ele subjugou Lemnos e Imbros, até então habitadas por Pelasgos.

    XXVII - Os Lémnios combateram corajosamente, defendendo-se com galhardia, mas acabaram por sucumbir. Os Persas deram para governador dos que sobreviveram ao desastre Licaretes, irmão de Meândrio, que havia reinado em Samos. Licaretes morreu à testa do governo que lhe fora confiado.

    Otanes subjugou todos esses povos, reduzindo-os à escravidão, acusando-os, uns, de não terem auxiliado os Persas na expedição contra os Citas; outros, de haverem acossado o exército de Dario ao regressar da Cítia. Tal a sua conduta enquanto comandava nessa região.

    XXVIII - Foi de curta duração o repouso de que desfrutou em seguida a essas conquistas. Os Iônios experimentaram novas provações, resultantes de desinteligências na ilha de Naxos e na cidade de Mileto. Naxos era, então, a mais rica de todas as ilhas, e a cidade de Mileto atingia um grau de progresso nunca antes experimentado, sendo considerada um verdadeiro ornamento da Iônia. Muito tinha sofrido com as dissensoes intestinas provocadas pelas duas gerações precedentes, mas os Pários haviam restabelecido a união e a concórdia, a pedido dos Milésios, que os haviam escolhido, de preferência aos Gregos, como mediadores.

    XXIX - Eis como os Pários conseguiram a harmonia desejada: Seus deputados, pessoas eminentes e de alta reputação, notando, logo ao chegarem, a situação deplorável reinante em Mileto, manifestaram o desejo de percorrer o território. Iniciaram a peregrinação, e quando encontravam, por entre terras devastadas, um campo bem cultivado, anotavam, por escrito, o nome do proprietário. Depois de haverem percorrido toda a região, assinalando apenas um pequeno número de terrenos em bom estado, retornaram à cidade, convocaram a assembléia do povo e nomearam para a gerência dos negócios do Estado aqueles que possuíam campos bem cultivados. Acreditavam, explicaram eles, que tais proprietários teriam com os negócios públicos o mesmo cuidado que tinham com suas terras. Feita a escolha, concitaram a todos, até então empenhados em discórdias, a reconhecê-los como seus magistrados e a obedecê-los. Foi assim que esses deputados de Paros restabeleceram a harmonia em Mileto.

    XXX - Os males que afligiram a Iônia vieram-lhe, como já dissemos, dessas duas cidades, originando-se do seguinte fato: Alguns dos mais ricos cidadãos de Naxos, exilados pelo povo, retiraram-se para Mileto, que tinha como governador Aristágoras, filho de Molpágoras, genro e primo de Histeu, filho de Liságoras, que Dario levara em sua companhia para Susa e que ali se achava quando os exilados de Naxos, seus amigos, foram ter a Mileto. Ali chegando, os Náxios pediram a Aristágoras que os auxiliasse a retornar à pátria, mas o governador, refletindo e concluindo que se lhes facultasse os meios para isso passariam a gozar de suprema autoridade em Naxos, tomou por pretexto a aliança que eles mantinham com Histeu, falando-lhes nestes termos: "Não posso conceder-vos as forças necessárias para vos restabelecer em Naxos, porquanto estou informado de que as tropas náxias são em número de oito mil, muito bem armadas, dispondo ainda de vários navios de guerra; mas farei o possível para servir-vos, e eis o meio que me ocorre: Artafernes, filho de Histaspes e irmão de Dario, é meu amigo. Governa ele toda a costa marítima da Ásia, tendo às suas ordens um grande exército e uma poderosa frota. Penso que poderá atender-vos".

    Diante disso, os náxios se empenharam junto a Aristágoras no sentido de obterem a cooperação de Artafernes, comprometendo-se a fornecer mantimentos para as tropas e a recompensá-lo, pois estavam seguros de que, logo que surgissem em Naxos, os habitantes se submeteriam, juntamente com os outros insulares. Com efeito, nenhuma das ilhas que compunham as Cíclades reconheciam, então, o poderio de Dario.

    XXXI - Dirigindo-se a Sardes, Aristágoras expôs a Artafernes as razões que ali o levavam, fazendo-o ver que, se a ilha de Naxos não possuía grande extensão, era pelo menos fértil, de clima agradável e rica em prata e em escravos, estando situada nas vizinhanças da Iônia. "Envia para ali tropas com os exilados - disse-lhe ele. - Tuas despesas serão compensadas, e se concordas com a minha proposta, estou pronto a fornecer-te os fundos consideráveis de que disponho; pois é justo que, como autores da empresa, arquemos com as despesas. De resto, tornar-te-ás rei e senhor de Naxos e das ilhas dela dependentes, tais como Paros, Andros e outras Cíclades. Dali poderás facilmente atacar a Eubéia, ilha vasta e rica, não menor do que a de Chipre e cuja conquista não será difícil. Cem navios bastarão".

    "Tuas propostas - respondeu Artafernes - são muito vantajosas para o rei e teu conselho excelente; e nada tenho a acrescentar senão no tocante ao número de navios. Em lugar de cem, terás duzentos, prontos a abrir vela no começo da Primavera, mas precisamos obter também o consentimento do rei".

    XXXII - Aristágoras regressou a Mileto radiante com essa resposta. Quanto a Artafernes, logo que obteve a aprovação do rei ao seu projeto, mandou equipar duzentos trirremes e levantou um poderoso exército composto de tropas persas e aliadas, entregando o comando a Megabates, persa de nascimento e da dinastia dos Aquemênidas, primo seu e de Dario. Sua filha, ao que se diz, foi escolhida para noiva de Pausânias, filho de Cleômbroto, rei da Lacedemônia, que desejava ardentemente tornar-se tirano da Grécia. Artafernes nomeou-o general e o enviou a Aristágoras à frente do exército.

    XXXIII - Megabates, embarcando em Mileto com Aristágoras, os Iônios e os exilados de Naxos, fingiu que se dirigia para o Helesponto; mas, passando pela ilha de Quios, foi aportar nas Caucásicas, de onde seguiria para Naxos, aproveitando o vento norte. Como, porém, aquela frota não deveria ser funesta aos Náxios, sobreveio um acontecimento que os livrou da ruína. Megabates, inspecionando as sentinelas a bordo, não encontrou nenhuma a postos num dos navios mindenses. Irritado ante tal negligência, ordenou a seus guardas que fossem à procura do capitão do navio, de nome Silax, e que lhe passassem a cabeça por uma das aberturas dos remos, de maneira a ficar ele com o corpo para dentro e a cabeça para fora da embarcação. Informado do castigo infamante que Megabates infligira ao seu hóspede de Minde, Aristágoras foi imediatamente pedir-lhe que reconsiderasse o seu ato, e, não sendo atendido, dirigiu-se ao navio de Silax e libertou-o ele próprio. Furioso por ver contrariadas as suas ordens, Megabates fez-lhe sentir a sua revolta. "Que tens tu com isso? - replicou-lhe Aristágoras - Artafernes não te enviou para me obedeeeres, navegando para onde quer que eu te ordene? Por que te envolves com o que não te diz respeito?"

    Sentindo-se humilhado com a réplica de Aristágoras, Megabates, logo ao cair da noite, mandou advertir os Náxios do perigo que os ameaçava.

    XXXIV - Os Náxios, alertados sobre a ameaça que pairava sobre suas cabeças, puseram-se em movimento, levando para a cidade tudo que tinham no campo, abastecendo-a de víveres e de vinho. Em seguida fortificaram as muralhas e nelas se postaram em atitude de defesa, como quem espera um cerco. Entretanto, os Persas passaram-se da ilha de Quios para a de Naxos, cercaram a cidade, que encontraram muito bem fortificada, e atacaram-na seguidamente durante quatro meses. Quando viram esgotados todos os recursos em dinheiro e mantimentos, não podendo, assim, manter o cerco, ergueram na ilha uma fortaleza para os exilados e retiraram-se para o continente, considerando fracassada a empresa.

    XXXV - Impossibilitado de cumprir a promessa feita a Artafernes, Aristágoras não sabia como adquirir os subsídios para o soldo reclamado pelas tropas. Além disso, receava o descontentamento dessas tropas e o ressentimento de Megabates, e já começava a temer que a soberania de Mileto lhe fosse arrebatada. Foi quando chegou de Susa um correio concitando-o a tomar armas. A ordem vinha escrita na cabeça do portador. Histeu, querendo pedir a Aristágoras que se sublevasse de armas na mão contra Dario, servira-se desse meio, que considerou o mais seguro, pois todos os caminhos estavam rigorosamente guardados. Mandando raspar a cabeça do mais fiel de seus escravos, nela imprimiu a mensagem a Aristágoras e esperou que os cabelos do servo crescessem novamente. Quando os viu crescidos, enviou-o a Mileto, recomendando-lhe apenas que dissesse a Aristágoras que lhe raspasse a cabeça e a examinasse com atenção. Essa mensagem, como já disse, concitava-o à revolta. Histeu tomara essa resolução por sentir-se desesperado pelo fato de Dario retê-lo em Susa, e alimentava a esperança de, no caso de uma revolta em Mileto, o soberano enviá-lo para prender Aristágoras. Já se convencera de que, se não suscitasse distúrbios naquela cidade, nunca mais voltaria a ela.

    XXXVI - A chegada do correio ao palácio de Aristágoras coincidiu com os acontecimentos que acabo de narrar. Tomando conhecimento da mensagem, Aristágoras reuniu seus amigos, fê-los sabedores da sugestão de Histeu e expôs-lhes sua opinião a respeito. Todos o exortaram a sacudir o jugo persa, com exceção de Hecateu, que procurou dissuadi-lo da idéia, mostrando-lhe o poderio de Dario e enumerando-lhe todos os povos a ele submetidos. Não conseguindo convencê-lo, declarou-lhe que o único meio de obter êxito na empresa seria conquistar o domínio do mar, porquanto as forças de Mileto não eram consideráveis, acrescentando que isso poderia ser obtido se ele, Aristágoras, lograsse arrebatar do templo dos Brânquidas as riquezas que Creso, rei da Lídia, lhes havia ofertado, utilizando-as nesse empreendimento e impedindo, ao mesmo tempo, que os Persas as pilhassem. Esse tesouro era realmente prodigioso, como fiz ver na primeira parte desta História.

    A opinião de Hecateu não prevaleceu, muito embora Aristágoras e seus outros amigos não deixassem de revoltar-se. Iniciadas as hostilidades, os revoltosos decidiram enviar um deles a Miunte, por mar, para tentar aprisionar os comandantes da frota, que se achava naquele porto desde seu regresso de Naxos.

    XXXVII - Iatrágoras, o escolhido para o audaz empreendimento, numa manobra hábil apoderou-se de Oliates, filho de Ibanólis, tirano de Mílasos; de Histeu, filho de Timnes, tirano de Termera; de Coes, filho de Erxandres, a quem Dario havia dado Mitilene; de Aristágoras, filho de Heraclides, tirano de Cime, e de vários outros.

    Assim, Aristágoras revoltou-se abertamente contra Dario, causando-lhe os maiores danos e trazendo-lhe grandes dificuldades. Demitindo-se aparentemente do cargo de governador, restabeleceu a igualdade em Mileto, a fim de captar as simpatias dos Milésios e levá-los a apoiá-lo no movimento. Em seguida, expulsou os tiranos do resto da Iônia, e, para conseguir o apoio integral daqueles povos, entregou-lhes os que havia aprisionado nos navios, mandando reconduzi-los às suas respectivas cidades.

    XXXVIII - Os Mitilenos, logo que tiveram Coes nas mãos, supliciaram-no e apedrejaram-no. Os Cimeus expulsaram o seu tirano, exemplo esse imitado pela maioria das outras cidades, sendo a tirania abolida na Iônia. Logo depois, Aristágoras de Mileto ordenava a cada cidade a instituição de estrategos; e, embarcando num trirreme, dirigiu-se à Lacedemônia, pois tinha necessidade de conseguir uma grande aliança.

    XXXIX - Anaxandrides, filho de Leão, rei de Esparta, tinha morrido. Em seu lugar reinava Cleómenes, seu filho, que obtivera a coroa menos por suas belas ações do que por direitos de nascimento. Anaxandrides desposara uma filha de sua irmã, da qual não conseguia ter filhos. Os éforos interrogaram-no um dia com relação à esterilidade desse matrimônio, acabando por dizer-lhe: "Se não tens nenhum interesse pessoal nisso, nós outros não devemos deixar que, por negligência tua, se finde a raça de Eurístenes. Abandona a mulher que desposaste, já que ela não te dá filhos, e une-te a outra. Esse procedimento agradará aos Espartanos". Anaxandrides respondeu-lhes que não faria nem uma coisa nem outra; que sua esposa era uma criatura irrepreensível, e que, por conseguinte, não poderia aceitar semelhante conselho.

    XL - Os éforos, depois de haverem discutido essa resposta com os senadores, disseram-lhe: "Já que te sentes tão ligado à tua mulher, aceita ao menos a sugestão que te vamos fazer, a fim de que, com a tua teimosia, não forces os Espartanos a tomarem uma resolução desagradável contra ti. Não propomos que abandones tua mulher. Continua a ter a mesma consideração para com ela, mas une-te a uma outra da qual possas ter filhos". Anaxandrides concordou, passando a ter duas mulheres e duas casas, contra os costumes de Esparta.

    XLI - Pouco tempo depois, a segunda mulher deu à luz Cleómenes, a que fizemos menção, sendo por ela apresentado aos Espartanos como herdeiro presuntivo da coroa. Acontece, porém, que a primeira esposa, que até então se mostrara estéril, concebeu também, dando origem ao seguinte fato: os pais da segunda esposa, alarmados com a notícia, que vinha transtornar seus planos de sucessão, espalharam o boato de que a primeira se dizia grávida apenas porque sentia o maior desejo de possuir um filho. Como isso despertasse indignação entre os Espartanos, os éforos, que dela suspeitavam, decidiram vigiá-la durante o parto. Nasceu primeiro Dorieu, depois Leônidas e depois Cleômbroto. Alguns dizem que Leônidas e Cleômbroto eram gêmeos. Quanto à segunda mulher, mãe de Cleómenes, filha de Prinetade e neta de Demarmenes, não teve nenhum outro filho.

    XLII - Dizem que Cleómenes não era de espírito muito equilibrado, afirmando-se mesmo que era louco. Dorieu, ao contrário, distinguia-se entre todos os jovens de sua idade, persuadido de que sua coragem e seus méritos o levariam ao trono. Imbuído dessa convicção, encheu-se de revolta quando os Lacedemônios, depois da morte de Anaxandrides, segundo as leis do país elegeram rei a Cleómenes, o filho mais velho. Não querendo sujeitar-se às ordens do novo soberano, Dorieu reuniu um grupo de homens e deixou o país para ir fundar algures uma colônia. Sentia-se tão indignado por se ver preterido, que embarcou para a Líbia sem ao menos consultar o oráculo sobre o lugar onde deveria estabelecer-se e sem observar nenhuma das cerimônias adotadas em tais ocasiões. Ali chegando em companhia dos tereus que lhe serviram de guias, estabeleceu-se em Cinips, belo cantão da Líbia, às margens do rio do mesmo nome; mas sendo dali expulso ao cabo de três anos, pelos Mácios, povo de origem líbia, e pelos Cartagineses, voltou para o Peloponeso.

    XLIII - Chegando ao Peloponeso, ali encontrou Anticares de Eleu, que o aconselhou, segundo os oráculos concedidos a Laio, a fundar uma colônia na Sicília Heracléia, porque o país de Erix pertencia, dizia ele, inteiramente aos Heraclidas, por aquisição feita por Hércules. Diante disso, Dorieu foi consultar o oráculo de Delfos, para saber se se tornaria senhor do país para o qual estava prestes a partir. Tendo a pitonisa respondido afirmativamente, fez-se ao mar com a frota que havia trazido da Libia e contornou as costas da Itália.

    XLIV - Os Sibaritas dispunham-se então, como eles próprios relatam, a marchar com Télis, seu rei, contra a cidade de Crotona. Acrescentam que os Crotonienses, apavorados, solicitaram o auxílio de Dorieu, e que este, tendo aquiescido, atacou com eles a cidade de Síbaris{73}, capturando-a. Foi assim que se conduziram com relação aos Sibaritas, Dorieu e os que o tinham acompanhado. Os Crotonienses afirmam, todavia, não se terem valido, na guerra contra os Sibaritas, do auxílio de nenhum outro estrangeiro senão de Cálias de Eléia. Esse adivinho, da raça dos lâmidas, tendo escapado de Télis, tirano de Síbaris, que o queria eliminar por não lhe ter ele pressagiado nada de favorável na guerra contra Crotona, refugiara-se nesta última cidade.

    XLV - Em apoio do que afirmam, ambos os povos apresentam provas que ainda hoje subsistem. Os Sibaritas apresentam, de um lado, o bosque sagrado e o templo que Dorieu mandou erguer junto ao leito seco do Crátis, a Minerva Cratiana, depois de haver tomado a cidade com os Crotonienses; do outro, a morte de Dorieu, sendo esta a mais forte prova que eles poderiam apresentar, pois Dorieu foi morto por ter agido contra as determinações do oráculo. Se em vez de desobedecê-las, as tivesse cumprido, ter-se-ia apoderado do país de Erix, tê-lo-ia mantido sob o seu domínio e não perecido juntamente com o seu exército. Os Crotonienses, por sua vez, apresentam como prova as terras que deram a Cálias de Eléia. Nada ofereceram de semelhante, nem a Dorieu, nem aos seus descendentes. Se dele houvessem, realmente, recebido auxílio na luta contra os Sibaritas, de certo não deixariam de beneficiá-lo muito mais do que a Cálias.

    XLVI - Alguns outros espartanos, tais como Téssalo, Parebates, Céleo e Euríleo tinham-se reunido a Dorieu para irem fundar uma colônia. Ao chegarem à Sicília, com toda a frota, foram atacados pelos Fenícios e pelos habitantes de Egesta, perecendo todos na luta, com exceção de Euríleo. Este reuniu o que restou da expedição, apoderou-se de Mínoo, colônia de Selinunte, e libertou os Selinúncios do tirano Pitágoras, de cujo trono se apoderou. Todavia, não reinou durante muito tempo. Os próprios Selinúncios sublevaram-se e imolaram-no junto ao altar de Júpiter Agoreu, onde ele se havia refugiado.

    XLVII - Filipe, filho de Butacides, cidadão de Crotona, também acompanhou Dorieu, perecendo com ele. Havia sido banido de Crotona por ter querido casar-se com a filha de Télis, tirano de Síbaris. Obrigado a deixar a cidade, embarcou para Cirene, de onde partiu num trirreme de sua propriedade, para juntar-se à frota de Dorieu, levando consigo um bom número de soldados mercenários. Filipe havia conquistado prêmios nos Jogos Olímpicos, sendo considerado o mais belo homem da Grécia no seu tempo. Devido à sua beleza, os habitantes de Egesta tributaram-lhe honras até então nunca prestadas a ninguém ali. Sobre a sua sepultura ergueram uma capela, como a um herói, onde lhe ofereciam sacrifícios, pedindo sua proteção.

    XLVIII - Assim morreu Dorieu. Se tivesse permanecido em Esparta, ainda que sob o domínio de Cleómenes, teria sido rei da Lacedemônia. Cleómenes reinou pouco tempo, morreu sem deixar filhos varões, tendo apenas uma filha de nome Gorgo{74}.

    XLIX - Aristágoras, tirano de Mileto, chegou, pois, a Esparta, quando Cleómenes ocupava o trono. Ali fora para um colóquio com ele, como dizem os Lacedemônios. Tendo na mão um pedaço de cobre, no qual estava gravado o globo terráqueo com todos os mares e rios, assim se dirigiu ao soberano: "Não vos surpreendais, senhor, de eu me haver apressado a vir aqui. É um assunto urgente. Trata-se da liberdade dos Iônios. Se a escravidão desse povo é para nós um opróbrio, um motivo de dor, com muito mais razão o será para vós, que sois os primeiros dos Gregos. Eles são vossos parentes; são vossos irmãos; libertai-os da escravidão, eu vos conjuro em nome dos deuses gregos. Não se trata de uma empresa difícil. Os bárbaros não são belicosos, e vós, pelo vosso valor, atingistes a maior glória que se pode almejar no campo da luta. Eles lutam apenas com arco e dardos curtos; combatem com trajes que dificultam seus movimentos, e conservam a tiara na cabeça, o que faz com que sejam facilmente vencidos. Os povos desse continente são mais ricos do que todos os outros juntos, possuindo em abundância ouro, prata, cobre, tecidos de diversas cores, animais de carga e escravos. Tudo isso será vosso, se assim o quiserdes. Suas terras confinam umas com as outras, como vos mostrarei em seguida. Os Lídios são vizinhos dos Iônios, e suas terras férteis e muito ricas em prata". Assim dizendo, mostrou-lhe o mapa da terra traçado na prancha de cobre. "Os Frígios ficam a leste - continuou Aristágoras -; confinam com os Lídios. Seu país é, de todos os que conheço, o mais rico em rebanhos e frutos. Vêm, em seguida, os Capadócios, a que chamamos Sírios, e depois os Cilicienses, que se estendem até este mar aqui, onde está situada a ilha de Chipre. Esses povos pagam ao rei um tributo anual de quinhentos talentos. Seguem-se os Armênios, possuidores de grandes manadas. Limitam-se com os Macianos e ocupam este país, que confina com a Císsia, banhada pelo Coaspes, onde está situada a cidade de Susa, residência do rei e onde se acham os seus tesouros. Se conquistardes essa cidade, podereis rivalizar em riqueza com o próprio Júpiter. Por que, pois, bater-vos contra os Messênios, que vos são iguais em força; contra os Arcádios e os Árgios, por um pequeno país que nem mesmo é fértil, apenas para dilatar um pouco os limites do vosso território? Esses povos não possuem nem ouro nem prata; e são esses metais que excitam a nossa ambição e nos levam a arriscar a vida nos combates. Tendes agora uma oportunidade para vos apoderardes da Ásia inteira. Que de melhor poderíeis desejar?" Assim falou Aristágoras. "Meu amigo - disse-lhe Cleómenes -, dar-te-ei uma resposta dentro de três dias".

    L - No dia fixado para a resposta, reuniram-se os dois novamente para reatarem as conversações. Cleómenes perguntou então a Aristágoras quantos dias de viagem marítima havia do mar que banha as costas da Iônia à cidade de Susa, residência real. Aristágoras, que até ali tinha conseguido, com grande habilidade, enganar Cleómenes, cometeu um grave erro, que deitou por terra os seus planos. Em vez de continuar dissimulando a verdade, já que o seu propósito era atrair os Espartanos para a Ásia, deu-lhe a distância exata, dizendo que havia três meses de viagem até lá. Cleómenes interrompeu-o logo, sem permitir-lhe dizer o que desejava sobre essa viagem: "Meu amigo, se estás propondo aos Lacedemônios uma jornada de três meses além dos mares, isso não lhes será, de maneira alguma, agradável. Abandona Esparta antes do pôr do sol".

    LI - Assim dizendo, Cleómenes retirou-se para o interior do palácio. Aristágoras seguiu-o, tendo na mão um ramo de oliveira, e, alcançando-o quando já transpunha seus aposentos particulares, pediu-lhe, suplicante, que o escutasse e que fizesse sair dali sua filha Gorgo, de oito a nove anos de idade, filha única do soberano, e que na ocasião se encontrava no recinto. Cleómenes autorizou-o a dizer o que quisesse, pois a presença daquela criança nenhum embaraço deveria causar-lhe. Então Aristágoras prometeu-lhe dez talentos de prata se acedesse ao seu pedido, e ante a recusa de Cleómenes, aumentou a soma, chegando a oferecer-lhe cinqüenta talentos. Foi quando a pequena Gorgo gritou: "Fugi, meu pai, fugi; este estrangeiro está querendo corromper-vos". Encantado com esse conselho, Cleómenes passou para outro aposento, e Aristágoras viu-se obrigado a deixar Esparta, sem ter tido ocasião de dar a conhecer ao soberano o caminho que leva do mar à residência real.

    LII - Vêem-se, ao longo dessa estrada, habitações reais e belas hospedarias. A estrada oferece toda segurança e atravessa regiões densamente povoadas, servindo também à Líbia e à Frígia, onde existem vinte outras habitações reais. Saindo da Frígia, encontra-se o Hális, cuja travessia é feita, naquele ponto, através de pontes. Vê-se também ali um forte de tamanho considerável. Da Capadócia à fronteira da Cilícia há, por essa estrada, vinte e oito dias de viagem. Para atingir-se a fronteira, passa-se por dois desfiladeiros e dois grandes fortes. O Eufrates, cuja travessia e feita ali em batéis, serve de limite a essa região, separando-a da Armênia. Depois de percorrermos cinqüenta e seis parasangas e meia pelo interior desse país, encontramos quinze habitações reais, que estão sempre guardadas por tropas. O país é banhado por quatro rios navegáveis, sendo o primeiro deles o Tigre; o segundo e o terceiro têm o mesmo nome, embora sejam diferentes e não venham do mesmo país; um nasce na Armênia, e o outro no país dos Macianos. O Gindo, que Ciro dividiu em trezentos e sessenta canais, é o quarto rio. Da Armênia à Maciana há uma distância de quatro dias de jornada. Vem, em seguida, a Císsia, que pode ser atravessada em onze dias, numa distância de quarenta e duas parasangas, até o Coaspes, sobre o qual fica a cidade de Susa.

    LIII - Se a medida da estrada real por parasangas é exata, e se avaliarmos a parasanga em trinta estádios, a que realmente corresponde, temos que, de Sardes ao palácio real de Mémnon, há treze mil e quinhentos estádios, ou quatrocentas e cinqüenta parasangas. A cento e cinqüenta estádios por dia, essa jornada é precisamente de noventa dias.

    LIV - Aristágoras de Mileto tinha, pois, razão de dizer a Cleómenes, rei da Lacedemônia, que havia três meses de jornada até Susa, residência real. Mas se quisermos calcular com maior exatidão, devemos juntar a essa estrada a que vai de Éfeso a Sardes. Assim, do mar dos Gregos a Susa (nome que tem a cidade de Mémnon) contamos quatorze mil e quarenta estádios, pois há quinhentos e quarenta de Éfeso a Sardes. Com essa adição, a jornada de três meses se prolonga por mais três dias.

    LV - Deixando Esparta, Aristágoras dirigiu-se a Atenas, que acabava de recuperar a liberdade da maneira que passo a expor. Hiparco, filho de Pisístrato e irmão do tirano Hípias, teve, em sonho, uma visão que augurava sua desgraça, sendo, pouco depois, assassinado por Aristogíton e Harmódio, gefireus de origem; mas os Atenienses, longe de se tornarem livres com o seu desaparecimento, continuaram a ser governados, durante quatro anos, de um modo ainda mais tirânico do que antes.

    LVI - Eis a visão que Hiparco teve em sonhos: na primeira noite das Panatenéias{75}, julgou ver, enquanto dormia, um homem de grande beleza e esbelto, de pé, diante dele, a recitar-lhe estes versos enigmáticos: "Leão, aceita corajosamente tua sorte desgraçada; homem nenhum pode evitar a punição que merece pelas injustiças cometidas".

    Logo ao nascer do dia, comunicou ele a visão aos intérpretes de sonhos; e depois de fazer expiações para conjurar as conseqüências, conduziu a procissão solene, na qual perdeu a vida.

    LVII - Os Gefireus, dos quais descendiam os assassinos de Hiparco, eram, como eles próprios se dizem, originários da Erétria; mas, nas pesquisas que realizei, descobri serem eles de origem fenícia, pertencendo ao número dos que acompanharam Cadmo, quando este veio estabelecer-se no país conhecido atualmente por Beócia, tendo-lhes sido dado em partilha o território de Tânagra. Os Cadmeus foram os primeiros a serem expulsos pelos Árgios. Logo em seguida, os Gefireus o foram pelos Beócios, indo para junto dos Atenienses, que os admitiram no número dos seus concidadãos, recusando-lhes, porém, alguns direitos, que não merecem menção.

    LVIII - Os Fenícios que haviam acompanhado Cadmo e no número dos quais figuravam os Gefireus, introduziram na Grécia, durante sua permanência nesse país, vários conhecimentos, entre eles os alfabetos que eram, na minha opinião, até então desconhecidos no país. A princípio, os Gregos fizeram uso dos caracteres fenícios, mas, com o correr do tempo, as letras foram-se modificando com a língua e tomaram outra forma. Como os países circunvizinhos fossem, então, ocupados pelos Iônios, estes adotaram os caracteres fenícios, com ligeiras modificações. Achavam justo que lhes dessem o nome de caracteres fenícios, por terem sido introduzidos pelos fenícios da Grécia. Os Iônios chamam, também, por um antigo costume, os livros de difteres{76}, porque outrora, quando o biblos era raro, escrevia-se em pele de cabra e de carneiro. Ainda há muitos bárbaros que escrevem em tais peles.

    LIX - Eu mesmo tive ocasião de ver em Tebas, na Beócia, letras cadméias no templo de Apolo Ismênio. Estão gravadas nos tripés, e assemelham-se muito às letras iônias. Num dos tripés vê-se esta inscrição: "Anfitrião ma dedicou por ocasião do seu regresso do país dos Telebeus". Esta inscrição bem poderia ser do tempo de Laio, filho de Lábdaco, cujo pai era Polidoro, filho de Cadmo.

    LX - Lê-se no segundo tripé, em hexâmetros: "Céu, vitorioso no pugilato, dedicou-me a Apolo, cujas flechas vinham de longe, para lhe servir de ornamento". Esse Céu devia ser filho de Hipocoonte, contemporâneo de Édipo, filho de Laio, se realmente foi ele quem consagrou o tripé e não outro do mesmo nome.

    LXI - A inscrição do terceiro tripé diz também em hexâmetros: "O tirano Laodamas{77} dedicou este tripé a Apolo, para lhe servir de ornamento no templo". No reinado desse príncipe, filho de Etéocles, os Cadmeus, expulsos pelos Árgios, refugiaram-se no país dos Enqueleus. Os Gefireus sentiram-se, então, tranqüilos; mas, pouco depois, os Beócios obrigavam-nos a retirar-se para Atenas. Ali construíram templos, que os Atenienses, aliás, nunca freqüentaram, e que nada têm de comum com os outros templos da cidade, sobretudo o de Ceres Aquenéia.

    LXII - Já sabemos qual a visão que teve Hiparco em sonhos e a origem dos Gefireus, de onde se originaram os assassinos daquele príncipe. Vejamos agora como os Atenienses foram libertados da tirania.

    Indignado com a morte do irmão, Hípias começou a governar com o máximo rigor. Os Alcmeônidas, atenienses de origem, banidos por Pisístrato, tentaram retornar à força, juntamente com outros exilados, sofrendo, porém, fragorosa derrota. Com os seus companheiros de exílio haviam fortificado Lipsídrion, situada ao norte da Peônia, e, empregando todos os meios para destruir os adeptos de Pisístrato, empenharam-se junto aos anfictiões{78} para a construção, por determinado preço, do templo que se vê atualmente em Delfos{79}. Esses exilados, de ilustre linhagem e possuidores de grandes riquezas, fizeram desse templo uma verdadeira maravilha, e, embora houvessem combinado não empregar mármore comum na sua construção, ergueram a fachada com mármore de Paros.

    LXIII - Encontrando-se em Delfos, esses Alcmeônidas concitaram a pitonisa, à força de dinheiro, segundo afirmam os Atenienses, a sugerir a todos os espartanos que viessem consultar o deus, fosse em caráter particular, fosse em nome da república, a restituição da liberdade a Atenas. Cedendo ante as reiteradas propostas da pitonisa, os Espartanos enviaram a Atenas um exército sob o comando de Anquémolo, filho de Áster, homem de grande influência, a fim de expulsar dali os partidários de Pisístrato, embora a eles estivessem estreitamente ligados por laços de hospitalidade. As ordens dos deuses lhes eram mais imperativas do que todas as considerações humanas. As tropas seguiram por mar, desembarcando no porto de Faleros.

    Os partidários de Pisístrato, tendo tido conhecimento do que planejavam contra eles, solicitaram auxílio aos Tessálicos, seus aliados, que atenderam prontamente ao seu apelo enviando-lhes, de comum acordo, mil soldados de cavalaria, comandados por Cíneas, seu rei. Chegados os socorros, os partidários de Pisístrato mandaram limpar toda a planície de Faleros, e quando viram-na em condições para a ação livre da cavalaria, fizeram-na marchar contra os Lacedemônios. Caindo sobre eles, a cavalaria dos Tessálicos fez inúmeras vítimas, entre as quais Anquémolo, obrigando os sobreviventes a se retirarem para suas embarcações. Tal a sorte da primeira expedição dos Lacedemônios contra os Atenienses de Pisístrato. Anquémolo foi sepultado perto do templo de Hércules, em Cinosarges, ginásio situado nos Alopécios, na Ática.

    LXIV - Depois dessa primeira derrota, os Lacedemônios enviaram por terra, e não mais por mar, forças mais consideráveis contra Atenas, sob o comando de Cleómenes, filho de Anaxandrides, um de seus reis. Assim que penetraram na Ática, a cavalaria tessálica caiu sobre eles, sendo, porém, rechaçada, retirando-se imediatamente para a Tessália, depois de haver perdido mais de quarenta de seus homens. Cleómenes, chegando a essa cidade com os atenienses que ansiavam pela liberdade, cercou os tiranos, que se tinham refugiado na cidadela construída pelos Pelasgos.

    LXV - Era absolutamente impossível dar caça aos adeptos de Pisístrato encerrados na cidadela, e os Lacedemônios, que já não pensavam permanecer durante muito tempo diante da praça, que sabiam abundantemente provida de víveres, preparavam-se, depois de alguns dias de cerco, para retornar a Esparta, quando se deu um fato que veio modificar inteiramente a situação de uns e de outros. Os filhos dos adeptos de Pisístrato foram capturados quando eram retirados secretamente do país. Tal acontecimento veio transtornar por completo os planos dos tiranos, que, para reaverem os filhos, tiveram de submeter-se às condições impostas pelos Atenienses, comprometendo-se a deixar a Ática no prazo de cinco dias. Retiraram-se para Sigéia, cidade situada sobre o Escamandro, depois de haverem governado os Atenienses durante trinta e seis anos.

    Esses tiranos exilados eram pílios de origem, da família de Neléia, e seus ancestrais eram os mesmos de Codro e de Melanto, que haviam reinado outrora em Atenas, embora estrangeiros. Hipócrates deu a seu filho o nome de Pisístrato porque um dos filhos de Nestor assim se chamava, e a fim de perpetuar a lembrança dessa origem.

    Foi assim que os Atenienses se libertaram dos tiranos. Vou agora relatar os acontecimentos mais memoráveis, auspiciosos ou lamentáveis, que sobrevieram aos Atenienses depois de haverem recuperado a liberdade e antes da Iônia ter sacudido o jugo de Dario, e de Aristágoras de Mileto ter vindo solicitar-lhe auxílio.

    LXVI - Atenas, já poderosa, tornou-se mais ainda ao libertar-se dos tiranos. Entre os seus cidadãos havia dois que gozavam do maior prestígio. Clístenes, da raça dos Álcmeônidas e que, como alguns pretendem, subornou a pitonisa, e Iságoras, filho de Tisandro. Este último pertencia a uma família ilustre, mas, quanto à sua origem, não posso dizer. Sei apenas que os membros dessa família costumavam fazer sacrifícios em honra de Júpiter Cário{80}. Os dois rivais compartilhavam dos poderes do Estado pelas suas facções e disputavam a autoridade. Clístenes, ficando em desvantagem, tratou de conquistar os favores do público, dividiu as quatro tribos em dez, trocou os seus nomes, tirados dos filhos de Íon: Gélon, Egícora, Argade e Hople, por outros escolhidos entre os dos heróis do país, com exceção de Ájax, que ele conservou, por haver sido esse herói vizinho e aliado dos Atenienses.

    LXVII - Assim agiu, penso eu, a exemplo de Clístenes, seu avô materno, tirano de Sícion. Este, achando-se em guerra com os Árgios, aboliu os torneios em que os rapsodos disputavam o prêmio cantando versos de Homero, porque, nas suas poesias, a cidade de Argos e os Árgios eram celebrados acima de todos os outros gregos, ao mesmo tempo que procurava banir dos seus Estados Adrasto, filho de Tanau, por ser ele árgio. Adrasto possuía, na praça de Sícion, uma capela que ainda hoje subsiste. Tendo Clístenes ido a Delfos perguntar ao deus se devia expulsar o rei Adrasto, a pitonisa respondeu-lhe que Adrasto era soberano dos Siciônios e ele, Clístenes, um homem com poucas qualidades. Não lhe permitindo o deus realizar o seu desejo, Clístenes procurou, ao regressar, um meio de desembaraçar-se de Adrasto; e quando julgou tê-lo encontrado, mandou buscar em Tebas, na Beócia, Melanipo, filho de Ástaco, solicitando, para isso, a permissão dos Tebanos. Estes acederam ao pedido, e ele trouxe-o para o país, consagrando-lhe uma capela no próprio Pritaneu e colocando-o em lugar destacado. Procedeu dessa forma (pois não devo deixar ignorado o motivo de seu gesto) porque Melanipo fora grande inimigo de Adrasto e de Tideu, seu genro. Depois de haver dedicado a capela a Melanipo, pôs-se a oferecer-lhe as festas e os sacrifícios que se faziam em honra de Adrasto, festas essas celebradas com grande pompa pelos Siciônios, cujas terras haviam pertencido a Políbio, avô de Adrasto. O soberano, não possuindo filhos ao morrer, havia legado seus Estados aos netos. Entre outras honras prestadas a Adrasto, celebravam também seus infortúnios, com coros trágicos, e tributavam-lhe louvores sem referência a Baco. Clístenes restabeleceu nos coros essa referência a Baco e ordenou que o resto se fizesse em honra a Melanipo.

    LXVIII - Finalmente, mudou os nomes das tribos de Sícion, a fim de que as dos Dórios não tivessem, nessa cidade, o mesmo nome que tinham em Argos. Com os novos nomes que lhes atribuiu cobriu-as de ridículo, pois, acrescentando a esses nomes, com a significação de porco e asno, a terminação atai, fez ele os Hiatas, os Oneatas e os Quereatas. Houve uma única exceção: a tribo a que ele pertencia, que recebeu o nome de Arqueleus, por causa da autoridade suprema que ele exercia sobre o povo. Os Siciônios conservaram esses nomes durante o reinado de Clístenes e ainda por sessenta anos depois de sua morte. Por fim, depois de haverem deliberado, mudaram-nos para Hileus, Panfílios e Dimanatas, e deram à quarta tribo o nome de Egialéia, em honra a Egíale, filho de Adrasto.

    LXIX - Tal foi a conduta desse soberano. Clístenes, o ateniense, que tirara o seu nome do de Clístenes de Sícion, seu avô materno, não quis, julgo eu, a exemplo deste, que as tribos da Iônia tivessem o mesmo nome das de Atenas, por causa do desprezo que votava aos Iônios. Depois de haver reconquistado as simpatias de seus concidadãos, que haviam perdido todos os privilégios de um povo livre, mudou os nomes das tribos, fazendo de um pequeno número um grande número, criando dez filarcas{81} em vez de quatro e distribuindo os pequenos burgos entre as dez tribos. Granjeando, assim, as simpatias do povo, obteve uma grande ascendência sobre o partido que se lhe opunha.

    LXX - Iságoras, vendo-se, por sua vez, em desvantagem, procurou o apoio de Cleómenes, rei da Lacedemônia. Este príncipe tinha-se ligado a ele pela mais estreita amizade por ocasião do cerco aos partidários de Pisístrato, havendo mesmo quem o acusasse de manter relações com a mulher de Iságoras. Cleómenes enviou primeiramente um emissário a Atenas para obter a expulsão de Clístenes e de vários outros atenienses, sob o pretexto de haverem incorrido no anátema. Seguia, nisso, as instruções de Iságoras, pois os Alcmeônidas e os seus partidários tinham sido acusados de um assassinato, de que falaremos a seguir. Iságoras não tivera participação alguma nesse crime, nem tão pouco seus amigos.

    LXXI - O nome de Enageus, dado a esse grupo de atenienses, teve sua origem no seguinte fato: Cílon de Atenas{82}, vitorioso nos Jogos Olímpicos, levou sua ambição a querer apoderar-se do governo e exercer a tirania. Conseguindo a adesão de pessoas de sua idade, tentou apoderar-se da cidadela, mas, não logrando êxito na empresa, ajoelhou-se suplicante aos pés da estátua de Minerva. Os pritanes dos naucrates{83}, que governavam, então, Atenas, perdoaram-no, bem como aos seus adeptos, mas foram depois massacrados e os Alcmeônidas acusados desse ato. Tal acontecimento é anterior a Pisístrato.

    LXXII - Tendo Cleómenes, como já disse, enviado um emissário a Atenas para obter a expulsão de Clístenes, assim como dos Enageus, estes se retiraram espontaneamente. Algum tempo depois, acompanhado de pequeno séquito, Cleómenes para lá seguiu. Logo ao chegar, baniu da cidade setecentas famílias designadas por Iságoras, tentando, em seguida, cassar o mandato do Senado e confiar a autoridade a trezentos partidários daquele. Como o Senado a isso se opusesse, recusando-se a obedecer, Cleómenes apoderou-se da cidadela com Iságoras e seus adeptos. O resto dos atenienses manteve-se solidário com o Senado, sitiando-os durante dois dias. No terceiro dia, os sitiantes entraram em entendimento com os Lacedemônios encerrados na cidadela, sendo permitido a estes últimos deixar a Ática mediante certas condições. Cumpria-se assim o que havia sido pressagiado a Cleómenes. Tendo ele subido à cidadela, com o propósito de conquistá-la, quis penetrar no santuário da deusa (Minerva) para consultá-la; mas a pitonisa, levantando-se do seu assento antes que ele transpusesse a porta, disse-lhe: "Lacedemônio, volta por onde vieste; não entres neste templo; não é permitido aos Dórios aqui porem os pés". "Não sou dório - replicou Cleómenes -, mas aqueu". E, sem levar em conta a advertência da pitonisa, insistiu nos propósitos que o levaram à cidadela, vendo-se, porém, obrigado a retirar-se com os Lacedemônios, sem lograr êxito. Os demais foram postos sob ferros e condenados à morte. No número destes figurava Timasíteo de Delfos, notável artífice e do qual citam-se muitos atos de bravura. Morreu no calabouço.

    LXXIII - Os Atenienses, chamando de regresso Clístenes e as setecentas famílias banidas por Cleómenes, enviaram a Sardes embaixadores para fazerem aliança com os Persas, pois estavam, com efeito, persuadidos que teriam de sustentar uma guerra contra Cleómenes e os Lacedemônios. Chegando a Sardes, os embaixadores expuseram as razões que ali os levavam, perguntando-lhes Artafernes, filho de Histaspes, quem eram eles e que lugar da terra habitavam, para irem solicitar uma aliança com os Persas. Obtendo deles os esclarecimentos desejados, disse-lhes sem mais rodeios: "Se os Atenienses quiserem dar terra e água ao rei Dario, ele fará aliança com os mesmos; se não, podem retirar-se". Desejando muito essa aliança, os embaixadores, depois de haverem confabulado entre si, declararam aceitar a proposta, mas, ao chegarem a Atenas, foram severamente acusados por isso.

    LXXIV - Enquanto isso, Cleómenes, que não ignorava os movimentos e os propósitos insultantes dos Atenienses, mobilizou tropas em todo o Peloponeso, sem dar-lhes a conhecer a sua intenção. O seu intuito era vingar-se dos Atenienses e impor-lhes a tirania de Iságoras, que havia abandonado a cidadela com ele. Penetrou no território de Elêusis com forças consideráveis, e os Beócios, de comum acordo com ele, tomaram Énoe e Hísias, burgos situados num dos extremos da Ática. Os Calcídios tinham também invadido, igualmente de acordo com ele, as terras da república e devastavam-nas. Embora esses ataques causassem dificuldades aos Atenienses, estes deixaram para mais tarde um ajuste de contas com estes dois povos, e, aprestados para a luta, foram ao encontro dos Peloponésios, que se encontravam em Elêusis.

    LXXV - Os dois exércitos estavam prestes a travar combate, quando os Coríntios, reconhecendo o seu injusto procedimento, mudaram de resolução e retiraram-se. Demarato, filho de Aríston, também rei de Esparta, e que havia trazido com Cleómenes as tropas da república, seguiu-lhes o exemplo, embora não se houvesse verificado, até o momento, nenhuma questão entre eles. Os dois reis, que vinham, até então, acompanhando o exército, ficaram, daquele momento em diante, proibidos de entrarem juntos em campanha, ficando estabelecido que, se um deles se separasse do outro, deixaria em Esparta um dos dois Tindáridas, que tinham por missão irem em socorro dos reis e acompanhá-los em suas expedições. O restante dos aliados reunidos em Elêusis, ante a divisão dos reis da Lacedemônia e a partida dos Coríntios, retiraram-se também para seus respectivos burgos.

    LXVXVI - Foi essa a quarta vez que os Dórios penetraram na Ática. Tinham vindo duas vezes para fazer guerra aos atenienses, e duas vezes para defender os interesses desse mesmo povo: a primeira, quando levaram uma expedição coíonizadora a Mégara, expedição que se poderia, com razão, situar no reinado de Codro; a segunda e a terceira, quando expulsaram os partidários de Pisístrato; a quarta, enfim, quando Cleómenes conduziu os Peloponésios contra Elêusis.

    LXXVII - O referido exército tendo-se vergonhosamente dissolvido, procuraram os Atenienses, então, tirar um desforço, marchando primeiramente contra os Calcídios, mas os Beócios vieram em socorro destes últimos às margens do Euripo. Assim que os perceberam, os Atenienses, tomando a iniciativa, atiraram-se contra eles, dizimando suas fileiras e fazendo setecentos prisioneiros - uma vitória completa. No mesmo dia penetraram na Eubéia, chocando-se com os Calcídios. Vitoriosos na refrega, deixaram na ilha uma colônia de quatro mil homens, aos quais distribuíram, por sorteio, as terras dos Hipobotes - nome dado aos mais ricos habitantes da ilha. Puseram sob ferros todos os prisioneiros que haviam feito, tanto entre os Calcídios como entre os Beócios, mantendo-os sob estrita vigilância; mas, pouco depois, restituíram-lhes a liberdade mediante a contribuição de duas minas por cabeça, pendurando seus grilhões nos muros da cidadela. Esses grilhões ainda eram vistos no meu tempo, suspensos nas muralhas, defronte do templo situado a oeste. Consagraram aos deuses a décima parte do dinheiro obtido pelo resgate dos prisioneiros, mandando fazer um carro de bronze puxado por quatro cavalos, que foi colocado à esquerda, à entrada dos propileus da cidadela, com esta inscrição: "Os Atenienses dominaram em suas campanhas os Beócios e os Calcídios, e, pondo-os sob grilhões, puseram fim à sua insolência na escuridão das prisões. Do dízimo do seu resgate ofertaram a Palas estes cavalos".

    LXXVIII - O poderio dos Atenienses aumentava cada vez mais, o que vinha provar ser mais vantajoso o equilíbrio de forças entre os cidadãos e o governo, Basta este exemplo para demonstrá-lo: durante o tempo em que os Atenienses estiveram sob o poder dos tiranos não se distinguiram na guerra mais do que seus vizinhos; logo, porém, que sacudiram o jugo, adquiriram sobre eles uma enorme superioridade. Isso prova que, no tempo da servidão, se portavam com covardia com propósito deliberado, porque trabalhavam para um senhor. Recuperando a liberdade, cada qual se dedicou intensamente a trabalhar com ardor para si mesmo.

    LXXIX - Os Tebanos desejando, depois dessa vitória dos Atenienses, vingar-se deles, mandaram consultar o deus de Delfos. A pitonisa respondeu-lhes que não poderiam vingar-se com seus próprios recursos, aconselhando-os a exporem o caso à assembléia do povo e a se dirigirem aos seus mais próximos. Os emissários tebanos convocaram, ao regressarem, a assembléia do povo e comunicaram a resposta do oráculo. Os Tebanos, supondo que o deus lhes dava a entender que se dirigissem aos seus vizinhos mais próximos, disseram uns aos outros: "Os Tanagreus, os Coraneus e os Téspios não são os nossos mais próximos vizinhos? Não fazem a guerra de acordo conosco e não se batem com o mesmo ardor pelos nossos interesses? Que necessidade temos de chamá-los em nosso auxílio? Parece-nos que não é esse o verdadeiro sentido do oráculo".

    LXXX - Assim discorriam, quando alguém na assembléia, tomando conhecimento do motivo da discussão, exclamou: "Creio haver compreendido o significado do oráculo: Tebéia e Egina eram, ao que se diz, filhas de Asópis e, por conseguinte, irmãs. Penso, pois, que o deus nos aconselha a pedirmos aos Eginetas que nos vinguem". Como essa explicação lhes parecesse plausível, os Tebanos apressaram-se em pedir, de acordo com a resposta do deus, o auxílio dos Eginetas, como seus vizinhos mais próximos. Estes prometeram enviar-lhes os Eácidas.

    LXXXI - Confiando na cooperação dos Eácidas, os Tebanos realizaram uma sortida contra os Atenienses, mas sendo mal sucedidos, enviaram novos emissários aos Eginetas, solicitando-lhes tropas. Os Eginetas, orgulhosos dos seus recursos e lembrando-se de sua antiga inimizade com Atenas, acederam ao pedido dos Tebanos, movendo guerra aos Atenienses, sem declaração prévia. Enquanto estes lutavam com os Beócios, passaram para a Âtica em navios de guerra e saquearam Faleros e grande número de povoações situadas no litoral, causando, com isso, enorme dano aos Atenienses.

    LXXXII - A inimizade entre os Atenienses e os Eginetas originou-se do seguinte fato: os Epidauros, aflitos com a esterilidade que entre eles se manifestava, consultaram o deus de Delfos sobre a razão disso. A pitonisa aconselhou-os a erguerem estátuas a Dâmia e a Auxésia{84}, prometendo-lhes que, depois disso, obteriam melhores resultados. Perguntando-lhe os Epidauros se deveriam fazê-la de pedra ou de bronze, ela lhes disse que não empregassem nem uma coisa nem outra, mas que se utilizassem da oliveira. Convencidos de que as oliveiras da Ática eram as mais sagradas, os Epidauros solicitaram permissão aos Atenienses para cortar algumas. Diz-se mesmo que, nessa época, a Ática era o único país onde elas floresciam{85}. Os Atenienses consentiram, com a condição de eles imolarem, todos os anos, vítimas a Minerva-Póleas e a Erecteu. Os Epidauros aceitaram as condições e obtiveram as oliveiras desejadas, com elas fazendo as estátuas designadas pelo deus. Com isso, a fertilidade sobreveio para todo o país, cumprindo eles o compromisso assumido com os Atenienses.

    LXXXIII - Os Eginetas reconheciam, antes dessa época e mesmo ainda nesse tempo, a soberania de Epidauro, e eram obrigados a dirigir-se a essa cidade para o julgamento das questões que surgiam entre eles; mas, desde que começaram a construir navios, puseram-se a agir de má fé, acabando por se revoltarem contra os Epidauros, declarando-se seus inimigos. Tornando-se senhores dos mares, devastaram-lhes as terras e arrebataram-lhes as estátuas de Dâmia e Auxésia, colocando-as no centro da ilha, num lugar denominado Ea, distante cerca de vinte estádios da cidade. Depois de transportá-las para esse local, trataram de obter-lhes as graças, instituindo em sua honra sacrifícios e coros femininos, eivados de injúrias e toda sorte de impropérios, não dirigidos contra os homens, mas contra as mulheres do país. Os Epidauros realizavam também entre eles cerimônias dessa espécie e outras de que não se faz referência.

    LXXXIV - Privados das referidas estátuas, os Epidauros deixaram de realizar os sacrifícios segundo o compromisso assumido com os Atenienses. Estes, irritados com tal procedimento, testemunharam-lhes seu desagrado; mas os Epidauros provaram aos emissários de Atenas que, enquanto estiveram de posse das estátuas, tinham cumprido com a promessa que lhes haviam feito, vendo-se, porém, impossibilitados agora de continuar a fazê-lo, porquanto os Eginetas lhas haviam arrebatado, sendo a estes que eles deveriam exigir os sacrifícios que vinham realizando às duas divindades. Ante essa resposta, os Atenienses enviaram uma delegação a Egina para exigir a devolução das estátuas, respondendo os Eginetas que nada tinham a ver com eles.

    LXXXV - Os Atenienses contam que, em vista da recusa dos Eginetas em devolver-lhes as estátuas, equiparam um trirreme e nele enviaram, em nome do Estado, os mesmos delegados, os quais, chegando a Egina, procuraram arrancá-las dos pedestais, a fim de removê-las dali, por tratar-se de uma madeira a eles pertencente. Vendo logrado o seu intento, ataram-nas com cordas para puxá-las. Estavam todos entregues a essa tarefa, quando sobreveio um forte trovão acompanhado de grande tremor de terra, deixando-os de tal maneira desorientados, que começaram a matar uns aos outros, como se fossem inimigos, escapando apenas um deles, que conseguiu transportar-se para Falero.

    LXXXVI - É assim que os Atenienses relatam o fato. Os Eginetas, por sua vez, dizem que, se os Atenienses tivessem enviado, como querem fazer crer, um só navio ou mesmo um pequeno número deles, tê-los-iam enfrentado e derrotado; mas tratando-se, na realidade, de uma poderosa frota, viram-se compelidos a ceder, não querendo arriscar-se a um combate naval. O que os Eginetas não dizem é que se assim procederam foi por se acharem muito fracos para dar-lhes combate no mar, ou com o propósito de executarem o plano que haviam preparado. Acrescentam eles que os emissários atenienses, não vendo ninguém apresentar-se para lhes dar batalha, desembarcaram dos seus navios e dirigiram-se para o local onde se encontravam as estátuas. Não conseguindo arrancá-las dos pedestais, passaram-lhes cordas em torno e puseram-se a puxá-las. As estátuas resistiram, por seu lado, aos puxões, até ficarem ambas de joelhos, postura em que desde então se têm conservado. Esse detalhe não me parece verossímil, ainda que possa sê-lo para algum outro.

    Foi essa, segundo os Eginetas, a conduta dos Atenienses. Quanto ao seu próprio procedimento, afirmam que, informados de que os Atenienses vinham atacá-los, puseram os Árgios de sobreaviso, e quando aqueles desembarcaram em Egina, os Árgios acorreram prontamente em auxílio de seus aliados. Passando de Epidauro para a ilha, sem serem pressentidos pelos invasores, caíram de improviso sobre eles, depois de haverem cortado a rota aos seus navios. Acrescentam que, nessa ocasião, sobreveio um forte trovão, acompanhado de tremor de terra.

    LXXXVII - Esse relato dos Eginetas encontra confirmação no dos Árgios. Os Atenienses declaram que apenas um dos membros da expedição conseguira escapar a esse desastre na Ática; mas os Árgios afirmam que eles foram totalmente dizimados, não tendo conseguido escapar um só. Todavia, esse homem que os Atenienses dizem haver escapado à pronta vingança dos deuses, não sobreviveu por muito tempo, perecendo da maneira que passo a relatar: De regresso a Atenas, informou o povo do trágico fim da missão à Ática; e as mulheres dos que haviam nela tomado parte, indignadas com o fato de só aquele homem haver escapado, cercaram-no e puseram-se a picá-lo com grampos de suas vestes, enquanto lhe pediam notícias de seus maridos, e assim o mataram. A atrocidade desse ato pareceu aos Atenienses ainda mais deplorável do que a própria derrota; e não sabendo como punir aquelas que o haviam cometido, obrigaram-nas a usar trajes iônios. Elas, que até então usavam trajes dórios, que muito se assemelham aos das mulheres de Corinto, passaram a usar uma túnica de linho, ficando, assim, abolidos os grampos. Diga-se, porém, em nome da verdade, que esse traje não é de origem iônia, mas cária, pois as antigas vestes das mulheres gregas são as mesmas usadas atualmente pelas dórias.

    LXXXVIII - Dizem que foi em conseqüência dessa medida que os Árgios e os Eginetas ordenaram às suas mulheres que usassem grampos uma vez e meia maiores do que os comuns; que a principal oferenda das mulheres àquelas deusas{86} consistisse em grampos, e que não oferecessem ao templo nada que viesse da Ática, nem mesmo vasos de barro, só lhes sendo permitido beber nas taças do país. Tais disposições foram levadas tão longe que, no meu tempo, as mulheres Eginetas traziam grampos ainda maiores do que outrora.

    LXXXIX - Foi essa, como já disse, a origem da inimizade entre os Atenienses e os Eginetas. Estes últimos, lembrando-se ainda do incidente havido por causa das estátuas, acederam prontamente ao pedido dos Tebanos e enviaram socorro aos Beócios. Os Eginetas devastaram as costas da Ática, e quando os Atenienses se dispunham a marchar contra eles, veio-lhes de Delfos um oráculo, ordenando-lhes que suspendessem o castigo àquele povo pelo espaço de trinta anos, a contar da data em que recebessem os primeiros insultos, e que, se depois de haverem eles erguido um templo a Eaco, os atacassem transcorridos os trinta anos, teriam assegurado o sucesso. Se os atacassem imediatamente, muito haveriam de sofrer nesse espaço de tempo, pois, embora chegassem a causar grandes danos aos Eginetas, acabariam sendo por eles derrotados. Mal tiveram conhecimento desse oráculo, os Atenienses trataram de erguer a Eaco o templo que ainda hoje se vê na praça pública; mas, vendo que não poderiam conter durante trinta anos o ressentimento das injúrias recebidas, resolveram não adiar sua vingança por tanto tempo.

    XC - Uma questão suscitada pelos Lacedemônios veio obstar a vingança planejada. Os Lacedemônios, informados da manobra dos Alcmeônidas junto à pitonisa e das intrigas desta contra eles e contra os partidários de Pisístrato, ficaram bastante preocupados, tanto por haverem expulsado de Atenas seus hóspedes e amigos, como porque os Atenienses não os viam com bons olhos. Além disso, sentiam-se revoltados contra os oráculos, que lhes haviam predito que muito teriam ainda de sofrer da parte dos Atenienses. Esses oráculos lhes foram dados a conhecer por Cleómenes, que os levou a Esparta, depois de haver deles lançado mão no templo de Minerva, na cidadela, onde os haviam deixado os partidários de Pisístrato.

    XCI - Quando os Lacedemônios se viram senhores da situação e perceberam que os Atenienses recobravam forças e não se mostravam dispostos a obedecer-lhes, decidiram, ao compreenderem que se esse povo fosse livre formaria com eles em pé de igualdade, mandar chamar Hípias, filho de Pisístrato, de Sigéia, sobre o Helesponto, onde se haviam refugiado os partidários de Pisístrato. Hípias acedeu ao convite, bem como os deputados dos aliados, também chamados pelos Lacedemônios. Quando os tiveram reunidos, os Espartanos a eles se dirigiram nos seguintes termos: "Confederados, reconhecemos o nosso erro. Levados por um oráculo ilusório, banimos da pátria amigos leais, empenhados em manter Atenas sob nossas leis, entregando a autoridade nas mãos de um povo ingrato, que, libertado por nós, mostra-se agora arrogante e disposto a resistir-nos. Seu poderio aumenta cada vez mais, como bem o sabem os Beócios e os Calcídios seus vizinhos, e como o saberão outros que tentarem fazer-lhes frente. Já que cometemos um tal erro, convém que o reparemos sem perda de tempo, vingando-nos com os recursos de que dispomos. Foi com esse propósito que convidámos Hípias a vir a Esparta e vos concitámos a fazer o mesmo. Reunamos, pois, nossas forças e marchemos contra Atenas, a fim de que possais reaver o que impensadamente arrebatámos de vós".

    XCII - Esse discurso dos Espartanos foi recebido sem entusiasmo pela maioria dos aliados. Quebrando o silêncio que a ele se seguiu, Sósicles de Corinto dirigiu-se ao grupo nestes termos: "Lacedemônios, considero uma inversão da ordem natural das coisas o querer destruir a isocracia nas cidades, para estabelecer, em seu lugar, a tirania. É o que de mais injusto pode haver no mundo. Se vos parece vantajoso submeter os Estados da Grécia à tirania, por que não começais por vós mesmos uma tal experiência, antes de impô-la aos outros? Jamais tivestes um governo tirânico, e estais sempre alertas, velando para que tal não aconteça em Esparta. Não obstante, procurais estabelecê-lo entre os vossos aliados. Se já tivésseis experimentado o que experimentámos, seria bem outra a vossa maneira de pensar.

    "A forma de governo de Corinto - continuou Sósicles - era oligárquica, estando a autoridade concentrada nas mãos dos Báquidas{87}, que só se casavam entre si, formando uma grande família. Anfíon, um deles, teve uma filha coxa, de nome Labda. Como nenhum báquida quisesse desposá-la, casaram-na com Eécion, filho de Echacrates, do burgo de Petra, mas Iapite de origem e descendente de Canéia. Eécion, não conseguindo ter filhos dessa mulher, como de nenhuma outra, foi consultar o oráculo para saber se viria a tê-lo. Assim que entrou no templo, a pitonisa dirigiu-lhe estas palavras: "Eécion, não és honrado e respeitado por ninguém, embora muito o mereças. Labda, tua esposa, traz no seio uma grande pedra, que esmagará os déspotas e governará Corinto".

    "Essa resposta do deus chegou, por acaso, ao conhecimento dos Báquidas, que, algum tempo antes, tinham recebido, com relação a Corinto, um oráculo que lhes parecera obscuro e que tinha o mesmo significado daquele que o deus acabava de conceder a Eécion. Esse oráculo dizia o seguinte: "Uma águia conceberá entre os rochedos um leão forte e cruel, que fará perecer muita gente. Refleti sobre isso, vós que habitais a altiva Corinto e as margens da bela fonte de Pirene".

    "Os Báquidas não tinham conseguido apreender o significado desse oráculo, mas ao terem conhecimento do de Eécion, tudo lhes pareceu perfeitamente claro, pois que ambos se ajustavam de maneira bem expressiva. De posse do significado do oráculo, mantiveram-no em segredo, alimentando a intenção de eliminar o filho de Eécion, prestes a nascer. Logo que Labda deu à luz a criança, dez dentre eles dirigiram-se ao burgo onde ela residia, a fim de matarem o recém-nascido. Chegando à residência de Eécion, perguntaram pela criança, e Labda, ignorando o verdadeiro motivo daquela visita e supondo tratar-se de uma manifestação de cordialidade para com seu esposo, colocou o filho nas mãos de um dos visitantes. Ficara resolvido em caminho que o primeiro que tivesse a criança nos braços esmagá-la-ia de encontro ao chão; mas no momento em que ela passou para os braços do estranho, sorriu-lhe, deixando-o tão comovido que não teve coragem de matá-la, passando-a para as mãos de outro companheiro. Este, também tocado de piedade, transferiu-a para as mãos de um terceiro, e assim passou ela de mão em mão, sem que nenhum se animasse a sacrificá-la. Devolvendo o recém-nascido ao carinho de sua mãe, deixaram a casa, pondo-se, logo à saída, a censurarem vivamente uns aos outros, recaindo as maiores acusações sobre o que estivera de posse dela em primeiro lugar, faltando com o compromisso assumido. Depois de haverem discutido durante alguns instantes, decidiram voltar à casa e eliminar, todos juntos, a criança. Mas estava escrito que a descendência de Eécion seria o gérmen de onde sairiam as desgraças de Corinto. Labda, que se encontrava junto à porta, ouviu toda a discussão, e temendo que eles mudassem de resolução e viessem arrebatar-lhe o filho para matá-lo, ocultou-o numa arca de trigo{88} que lhe pareceu o lugar mais seguro e do qual eles certamente menos suspeitariam, pois estava convencida de que, se eles voltassem e não encontrassem a criança, revistariam toda a casa. Foi isso, realmente, o que aconteceu. Depois de terem-na inutilmente procurado por toda parte, resolveram ir-se embora e dizer aos que os tinham enviado que se haviam desobrigado da missão. Quando a criança cresceu, deram-lhe o nome de Cípselo, como lembrança do perigo de que havia escapado graças a uma arca de trigo. Chegando à idade viril, foi ele consultar o deus de Delfos, obtendo uma resposta ambígua. Contudo, cheio de confiança no oráculo, atacou Corinto e dela se apoderou. O oráculo estava concebido nestes termos: "Feliz é esse homem que entra no meu templo, Cípselo, filho de Eécion, rei da ilustre cidade de Corinto, ele, seus filhos, mas não os filhos de seus filhos".

    "Tornando-se tirano de Corinto, Cípselo exilou grande número de corintianos, despojando muitos de seus bens e mandando matar inúmeros outros ainda. Acabou tranqüilamente os seus dias, depois de um reinado de trinta anos, sendo sucedido por seu filho Periandro. Este revelou, no início, maior brandura do que o pai, mas as ligações que veio a manter com Trasibulo, tirano de Mileto, por intermédio de seus embaixadores, tornaram-no ainda mais cruel do que Cípselo. Mandando perguntar àquele soberano que forma de governo devia adotar para reinar com segurança, Trasibulo conduziu o emissário para fora da cidade, pondo-se a passear com ele por entre os trigais, inquirindo-o sobre a viagem de Corinto até ali; e voltando constantemente ao assunto, ia cortando as espigas mais altas e atirando-as por terra, destruindo, assim, o que havia de melhor e mais belo naquela plantação. Depois de haver percorrido todo o campo, despediu o emissário de Periandro, sem lhe dar qualquer espécie de conselho. De regresso a Corinto, foi o emissário logo interrogado por Periandro sobre os conselhos que lhe dera Trasibulo, respondendo ele não haver recebido nenhum e estar surpreendido de ter sido enviado para solicitar o parecer de um homem que se mostrava tão insensato, a ponto de destruir seus próprios bens. Em seguida, contou a Periandro o que vira Trasibulo fazer com o trigal.

    "Periandro, compreendendo de pronto o significado daquele procedimento, que tão estranho parecera ao seu enviado, e persuadido de que Trasibulo o aconselhava a eliminar os cidadãos de maior influência em Corinto, começou, desde então, a cometer toda sorte de maldades e perfídias contra eles. Exilou e mandou matar os que Cípselo havia poupado, concluindo assim a obra nefanda iniciada pelo seu antecessor. Obrigou, de uma feita, todas as mulheres de Corinto a se desfazerem de seus trajes, por causa de Melissa, sua falecida mulher. Tendo mandado consultar o oráculo dos mortos, às margens do Aqueronte, no país dos Tesprócios, sobre os bens deixados por um estrangeiro, Melissa, aparecendo, declarou que não revelaria onde se achavam esses bens porque, estando nua, sentia frio; os trajes com que a tinham enterrado de nada lhe valiam, pois não os haviam queimado. E para provar a verdade do que afirmava, acrescentou que Periandro tinha colocado seu pão num forno frio. Esta prova pareceu convincente a Periandro, porquanto tinha realmente violado o cadáver da esposa. Logo que lhe comunicaram o oráculo, expediu uma ordem a todas as mulheres de Corinto, para que se reunissem no templo de Juno. As mulheres para lá se dirigiram, supondo tratar-se de uma festa, envergando os seus mais ricos trajes e cobertas de adornos; mas foram todas, sem distinção de classe, despojadas de seus trajes pelos guardas reais. As suas vestes foram, em seguida, atiradas num fosso, onde as queimaram, endereçando preces a Melissa. Depois disso, o espectro de Melissa indicou o local onde se encontravam os bens procurados.

    "É assim, Lacedemônios, a tirania - concluiu Sósicles -; tais os seus efeitos. Foi por essa razão que nos mostrámos surpresos, nós, os Coríntios, quando mandastes chamar Hípias; e mais espantados ficámos com a linguagem que usastes nesta ocasião. Nós vos conjuramos, em nome dos deuses da Grécia, a não estabelecerdes a tirania nas suas cidades. Se, apesar de tudo persistirdes, contra todos os princípios de justiça, em reconduzir Hípias ao poder, em Atenas, já sabeis que os Coríntios não vos aprovarão".

    XCIIÍ - Sósicles, deputado de Corinto, tendo acabado de falar, Hípias tomou a palavra para dizer, depois de haver invocado os mesmos deuses gregos, que os Coríntios teriam algum dia, mais do que todos os outros povos, motivos para recordar com saudade o governo de Pisístrato, isso quando chegasse o tempo determinado pelos fados, em que se veriam humilhados pelos Atenienses. Assim se expressou Hípias, porque nenhum outro homem tinha conhecimento mais perfeito dos oráculos. Os outros aliados, que até então haviam guardado silêncio, ouvindo o discurso de Sósicles manifestaram-se plenamente de acordo com as suas palavras, e, dirigindo-se aos Lacedemônios, conjuraram-nos a nada empreender contra qualquer cidade grega e a não introduzir modificações no seu governo, fracassando assim o plano dos Lacedemônios.

    XCIV - Quando Hípias deixou a Lacedemônia, Amintas, rei da Macedônia, ofereceu-lhe Antemunte e o país dos Tessálios Iolcos; mas ele, declinando esse oferecimento, retornou a Sigéia. Pisístrato havia tomado essa praça dos Mitilenos, impondo-lhes, como tirano, um filho natural, de nome Hegesístrato, que tivera de uma mulher de Argos. O jovem, porém, não usufruía com tranqüilidade as prerrogativas do poder. Os Mitilenos e os Atenienses estavam, há muito tempo, em guerra, servindo-lhes de bases estratégicas as cidades de Aquiléia e de Sigéia, de onde faziam freqüentes incursões contra os territórios de uns e de outros. Os primeiros reivindicavam a posse desse país; os outros achavam que ele não lhes pertencia, e procuravam provar que tanto eles como todos os outros gregos que haviam auxiliado Menelau a vingar o rapto de Helena, tinham tanto direito aos territórios de Tróia, quanto os Eólios.

    XCV - Nessa guerra e nos combates travados entre os dois povos, tiveram lugar acontecimentos dignos de nota, num dos quais se achou envolvido o poeta Alceu{89}. Numa sortida, em que os Atenienses levaram a melhor, o poeta logrou escapar, deixando em poder do inimigo seu escudo, que foi levado para Sigéia e colocado no templo de Minerva{90}. Sobre esse fato, compôs o poeta uma ode, que enviou a Mitilene e na qual contava a Menalipe, seu amigo, a desgraça que lhe sucedera.

    Periandro, filho de Cípselo, restabeleceu a paz entre os Mitilenos e os Atenienses, que o haviam tomado por árbitro, fazendo ambas as partes cultivarem as terras cuja posse reivindicavam. Sigéia ficou, em conseqüência disso, em poder dos Atenienses.

    XCVI - Hípias, transportando-se da Lacedemônia para a Ásia, procurou por todos os meios tornar os Atenienses odiosos aos olhos de Artafernes, envidando os esforços para colocar Atenas sob sua influência e torná-la submissa a Dario; mas, tendo essas manobras chegado ao conhecimento dos Atenienses, estes enviaram emissários a Sardes para dizerem aos Persas que não se deixassem levar pelas insinuações dos exilados. Artafernes, todavia, aconselhou-os a promoverem a repatriação de Hípias, se desejavam conservar sua integridade. Considerando absurda essa condição, os Atenienses declararam-se abertamente contra os Persas.

    XCVII - Enquanto deliberavam sobre a melhor resolução a tomar e eram caluniados entre os Persas, chegava a Atenas, a mais poderosa cidade então existente na Grécia, Aristágoras de Mileto, expulso de Esparta por Cleómenes, rei da Lacedemônia. Apresentando-se à assembléia do povo, Aristágoras ali falou, como havia feito em Esparta, das riquezas da Ásia e da facilidade com que se poderia vencer os Persas, que não se serviam nem de escudos nem de lanças. A essas razões, acrescentou serem os Milésios uma colônia de Atenienses, sendo natural que os dali, dispondo de grandes recursos, tomassem a iniciativa de libertá-los. E como tinha necessidade premente do auxílio dos Atenienses, não houve promessa que não lhes fizesse, conseguindo, finalmente, persuadi-los da empresa. Pareceu, com efeito, mais fácil convencer uma multidão do que um só homem; pois Aristágoras, que não lograra êxito junto a Cleómenes, conseguira, no entanto, ludibriar trinta mil Atenienses. O povo de Atenas, aceitando as razões de Aristágoras, resolveu enviar vinte navios em socorro dos Iônios, tendo sido escolhido para comandá-los Melântio, muito estimado por todos os seus concidadãos. Essa frota acarretou uma série de males, tanto para os Gregos como para os bárbaros.

    XCVIII - Aristágoras embarcou e tomou a dianteira. Chegando a Mileto, concebeu um plano do qual não deveria resultar nenhum proveito para os Iônios, porquanto ele tinha menos em mira favorecê-los do que causar dificuldades a Dario. Enviou um delegado à Frígia, para entender-se com os Peônios que haviam sido transferidos das margens do Estrímon, onde Megabizo os havia aprisionado, e que habitavam o burgo e o território que lhes foram designados. Chegando à presença deles, o delegado de Aristágoras assim lhes falou: "Peônios, Aristágoras, senhor de Mileto, encarregou-me de vos dar um conselho que, se o seguirdes, vos será sumamente proveitoso. A Iônia inteira levantou-se contra o rei, apresentando-se para vós a oportunidade para voltardes à vossa pátria sem risco algum. Ide apenas até a beira-mar, que do resto da viagem nos encarregaremos nós".

    Os Peônios ouviram essa declaração com o maior júbilo. Reunindo logo suas mulheres e filhos, partiram em direção ao mar, com exceção de um pequeno número, que, temendo os riscos da viagem, preferiu permanecer ali. Do litoral, os Peônios seguiram para Quios. Ao chegarem ali, surgiu-lhes pela frente a cavalaria persa, que se pôs a persegui-los vigorosamente. Não conseguindo alcançá-los, os cavaleiros persas mandaram dizer-lhes que regressassem ao ponto de partida, mas os Peônios não lhes deram ouvidos. Os habitantes de Quios transportaram-nos dessa ilha para a de Lesbos, e os Lésbios para a Dórica, de onde eles seguiram por terra para a Peônia.

    XCIX - Os Atenienses chegaram com vinte navios e cinco trirremes dos Erétrios, que os acompanharam, menos por consideração para com eles, do que por gratidão pelos benefícios recebidos dos Milésios. Estes, com efeito, os tinham auxiliado na guerra que tiveram de sustentar contra os Calcídios, apoiados pelos habitantes de Samos. Quando os Atenienses chegaram e se reuniram com o resto dos aliados, Aristágoras levou a efeito uma expedição contra Sardes, que encontrou deserta. Permaneceu, então, em Mileto, nomeando seu irmão Caropino como comandante dos Milésios, pondo Hermofante à frente dos aliados.

    C - Os Iônios, tendo chegado ao Éfeso, deixaram seus navios em Coresso, e tomando alguns Efésios como guias, avançaram por terra com forças consideráveis. Acompanhando o curso do Caístro, transpuseram o monte Tmolo e chegaram a Sardes. Não encontrando resistência, apoderaram-se da cidade, com exceção da cidadela, defendida por Artafernes com uma forte guarnição.

    CI - Um acidente que se verificou nessa ocasião salvou a cidade da pilhagem. A maioria das casas era de caniço e de bambu, e mesmo as de tijolos eram cobertas de caniço. Tendo um soldado ateado fogo a uma dessas casas, o fogo propagou-se imediatamente às demais, reduzindo a cidade a cinzas. Enquanto as chamas destruíam as habitações, os Lídios e todos os Persas que se encontravam na cidade, vendo-se cercados de todos os lados e não tendo por onde escapar, pois que o fogo já havia atingido os extremos da cidade, dirigiram-se em massa para a praça e para as margens do Pactolo, que a corta pelo meio. Este rio arrasta em suas águas palhetas de ouro arrancadas do Tmolo, e, ao sair de Sardes, desemboca no Hermo, que, por sua vez, deságua no mar. Os Persas e os Lídios, reunidos na praça e nas margens do rio, viram-se forçados a defender-se. Os Iônios, vendo-os dispostos a vender caro a vida e muitos a se encaminharem ameaçadoramente para eles, ficaram atemorizados e retiraram-se para o monte Tmolo, de onde partiram à noite, de regresso aos seus navios.

    CII - O templo de Cibele, deusa do país, foi destruído pelo fogo, juntamente com a cidade, tendo o incêndio servido, mais tarde, de pretexto aos Persas para porem fogo aos templos da Grécia.

    Ante a notícia da invasão, os Persas que habitavam aquém do Hális reuniram-se e acorreram em auxílio dos Lídios. Chegando a Sardes, não mais encontraram os Iônios. Seguindo-lhes as pegadas, foram alcançá-los no Éfeso, onde, obrigando-os a oferecer-lhes combate, infligiram-lhes amarga derrota. Houve muitos mortos, entre os quais figuras de destaque, tais como Euálcis, comandante dos Erétrios, várias vezes vitorioso nos jogos que têm por prêmio uma coroa, e cujos feitos foram decantados por Simônides de Ceos. Os sobreviventes dessa batalha dispersaram-se pelas cidades.

    CIII - Depois dessa malograda expedição, os Atenienses abandonaram completamente os Iônios, negando-se a conceder-lhes qualquer auxílio, a despeito das súplicas que lhes dirigiu Aristágoras por intermédio dos seus delegados. Embora privados da aliança dos Atenienses, os Iônios não se mostraram menos dispostos a continuar a guerra contra Dario, pois a maneira pela qual se tinham conduzido com relação a esse soberano não lhes deixava outro recurso. Fazendo-se à vela em direção ao Helesponto, apoderaram-se de Bizâncio e de todas as cidades vizinhas, dirigindo-se, em seguida, à Cária, obtendo a aliança da maioria dos seus habitantes. A cidade de Cária, que a princípio se recusara a fazer essa aliança, consentiu depois do incêndio de Sardes.

    CIV - Os Cíprios, num movimento unânime e espontâneo, ligaram-se também aos Iônios, com exceção dos habitantes de Amatunte. Tinham-se revoltado contra os Medos em resultado do seguinte fato: Górgus, rei de Salamina, filho de Quérsis, neto de Sirómus e bisneto de Evelton, tinha um irmão mais moço, chamado Onésilo. Esse Onésilo o tinha exortado anteriormente a revoltar-se contra o rei. Ao saber que os Iônios se haviam sublevado, redobrou de esforços para fazê-lo tomar essa atitude. Não conseguindo convencê-lo, esperou o momento em que o rei se ausentou de Salamina, para fechar-lhe as portas com o auxílio de seus partidários. Despojado de seus Estados, Górgus retirou-se para junto dos Medos. Onésilo, vendo-se senhor de Salamina, arrastou todos os Cíprios à revolta, exceto os de Amatunte, que não quiseram dar-lhe ouvidos.

    CV - Achava-se Onésilo diante dessa praça, quando anunciaram a Dario que Sardes havia sido tomada e incendiada pelos Atenienses e Iônios, e que Aristágoras de Mileto era o chefe da liga formada contra o soberano persa. Conta-se que, ao receber essa notícia, Dario nenhuma importância deu aos Iônios, certo de que a insurreição destes não ficaria impune, mostrando-se, porém, interessado acerca dos Atenienses, procurando saber que povo era esse e anotando bem as informações que lhe deram a respeito. Pediu em seguida seu arco e, pondo nele uma flecha, lançou-a para o céu exclamando: "Oh Júpiter! Possa eu vingar-me dos Atenienses!" E voltando-se para um de seus oficiais, ordenou-lhe que lhe repetisse três vezes, sempre que lhe servisse o jantar: "Senhor, lembrai-vos dos Atenienses".

    CVI - Depois de haver dado essa ordem, mandou chamar Histeu de Mileto, que desde muito vinha mantendo em sua companhia. "Histeu - disse-lhe ele -, acabo de saber que o governador a quem confiaste Mileto promoveu desordens contra mim, reuniu aos Iônios, que saberei punir, povos do outro continente e persuadiu-os a segui-los, arrebatando-me a cidade de Sardes. Tal ação te parece honesta? Poderia ele executar essa empresa sem a tua participação? Toma cuidado para não te tomares culpado outra vez!" "Que dizeis, senhor! Credes que eu seria capaz de dar um conselho que viesse a causar-vos o mais leve desgosto? O que poderia eu pretender agindo dessa maneira? Que me falta ao pé de vós? Não compartilho eu de todos os vossos bens? Não vos dignais a admitir-me em vossos conselhos reais? Se meu substituto promoveu a empresa a que vos referis, senhor, foi por deliberação própria; mas não posso acreditar que ele tenha, juntamente com os Milésios, provocado perturbações contra vós. Se, entretanto, o fizeram; se o que vos disseram é verdade, deveis convir, senhor, que destes, sem o querer, motivo para isso, afastando-me do litoral. Sem dúvida, os Iônios desejavam, de há muito, subtraírem-se ao teu domínio, e o meu afastamento lhes deu o esperado ensejo. Se eu estivesse lá, nenhuma cidade teria ousado cometer tais atos de rebeldia. Deixai que eu parta imediatamente para a Iônia, e eu vos prometo restabelecer de pronto a vossa autoridade ali e trazer à vossa presença Aristágoras, o autor dessa trama. Feito isso, eu vos juro pelos deuses protetores dos reis, que não trocarei de roupa enquanto não houver submetido aos teus domínios a grande ilha de Sardenha".

    CVII - Dario deixou-se persuadir por essas palavras, que não visavam outra coisa senão enganá-lo. Deixou Histeu partir, dizendo-lhe que regressasse a Susa logo que houvesse cumprido com o que prometera.

    CVIII - Enquanto essas coisas se passavam, informaram a Onésilo de Salamina, empenhado no cerco de Amatunte, que Cipres de Artíbio, persa de nascimento, estava sendo aguardado a qualquer momento com um poderoso exército composto de tropas de todas as nações. Ante essa notícia, Onésilo enviou arautos aos Iônios, solicitando-lhes socorros. Estes, sem perder tempo em longas deliberações, acorreram em seu auxílio com numerosa frota. Já se encontravam em Chipre, quando as forças persas, tendo passado da Cilícia para, essa ilha, dirigiram-se por terra a Salamina. As tropas fenícias, por seu lado, dobraram o promontório chamado Cleides de Chipre.

    CIX - Entrementes, os tiranos de Chipre convocavam os comandantes das forças iônias, falando-lhes nestes termos: "Iônios, nós, os Cíprios, deixamos a vós a escolha de atacar os Persas ou os Fenícios. Se quiserdes experimentar por terra vossas forças contra os Persas, é tempo de abandonar os vossos navios, colocando-vos em ordem de batalha, enquanto que nós, substituindo-vos ali, combateremos no mar contra os Fenícios. Se, porém, preferis atacar os Fenícios, fazei-o. Seja qual for a vossa escolha, lembrai-vos de que de vós depende a liberdade de Chipre e da Iônia".

    "Soberanos de Chipre - responderam os Iônios -, o conselho comum da Iônia nos enviou para lutar no mar e não para entregar os nossos navios aos Cíprios e combater em terra contra os Persas. Procuraremos cumprir com o nosso dever no posto em que nos colocaram. Quanto a vós, lembrai-vos da dura servidão em que vos mantêm os Medos e combatei como homens de coragem".

    CX - Tendo o inimigo atingido a planície de Salamina, os Cíprios escolheram os melhores soldados de Salamina e de Solos para enfrentarem os Persas, enviando as outras tropas contra o resto do exército invasor. Quanto a Onésilo, preparou-se, ele próprio, para enfrentar Artíbio, general dos Persas.

    CXI - Artíbio montava um cavalo especialmente amestrado para enfrentar um homem armado. Observando isso, Onésilo disse a seu escudeiro: "Observa como investe o cavalo de Artíbio; com as patas e os dentes matará quem quer que encontre pela frente. Reflete um segundo e dize-me qual preferes visar, se o cavalo ou o cavaleiro". "Senhor - respondeu o escudeiro -, estou pronto a enfrentar um ou outro; farei o que me ordenardes. Permiti, contudo, que vos diga o que me parece mais conveniente aos vossos interesses. Penso que um rei e um general devem combater contra um rei e um general. Se fizerdes perecer um general, será para vós uma grande glória; se ele vos matar (do que nos livrem os deuses), será menos triste morrer em mãos nobres. Nós, os servos, devemos combater contra outros servos. Quanto ao cavalo de Artíbio, não lhe temamos as manobras. Eu vos asseguro que ele não se erguerá mais contra ninguém".

    CXII - Logo a seguir, os dois exércitos rivais, de terra e de mar, entraram em luta. Os Iônios deram grandes demonstrações de valor no mar, batendo os Fenícios, sendo os habitantes de Samos os que mais se distinguiram. Os exércitos de terra aproximaram-se e chocaram-se violentamente. Enquanto Artíbio impelia seu cavalo contra Onésilo, este atacava-o como havia combinado com o escudeiro; e quando o animal ergueu as patas dianteiras contra o seu escudo, cortou-lhe o ímpeto com um certeiro golpe de lança. O cavalo baqueou, arrastando na queda o general persa.

    CXIII - Quando mais acesa era a luta, Estesenor, tirano de Curia, que comandava um grande corpo de tropas, bandeou-se para o inimigo. O exemplo dos Curios, que, segundo se afirma, constituem uma colônia dos Árgios, foi logo seguido pelos ocupantes dos carros de guerra dos Salamínios, obtendo, assim, os Persas superioridade numérica. Os Cíprios bateram em retirada, deixando inúmeros mortos no campo da luta, entre os quais Onésilo, filho de Quérsis, o mesmo que havia incitado os Cíprios à revolta. Aristocipros, rei dos Sólios, perdeu também a vida nessa jornada inglória. Aristocipros era filho daquele Filocipros que Sólon de Atenas, quando veio a Chipre, celebrou em versos, dizendo-o superior a todos os tiranos.

    CXIV - Os habitantes de Amatunte cortaram a cabeça de Onésilo, que os tinha sitiado, e levaram-na para Amatunte, colocando-a sobre uma das portas da cidade. Algum tempo depois, estando a cabeça já vazia, um enxame de abelhas encheu-a de favos de mel. Observando isso, os habitantes foram consultar o oráculo, que os aconselhou a enterrar a cabeça e a oferecer, todos os anos, sacrifícios a Onésilo, como a um herói, afirmando-lhes que os deuses lhes seriam mais propícios. Esses sacrifícios eles ainda os realizavam no meu tempo.

    CXV - Os Iônios que se tinham batido no mar perto de Chipre, tomando conhecimento da derrota de Onésilo e sabendo estarem cercadas as cidades de Chipre, com exceção de Salamina, voltando Górgus ao seu antigo trono, rumaram, sem perda de tempo, para a Iônia. De todas as cidades de Chipre, foi Solos a que mais longamente resistiu, só conseguindo os Persas capturá-la ao cabo de cinco meses, minando todas as muralhas da valorosa praça.

    CXVI - Os Cíprios foram de novo reduzidos à escravidão, depois de haverem desfrutado a liberdade durante um ano. Daurises, genro de Dario, Himes, Otanes e outros generais persas que haviam também desposado filhas do soberano, perseguiram os Iônios que haviam tomado parte na expedição contra Sardes e infligiram-lhes severa derrota, depois de os terem forçado a voltar aos seus navios. Os vencedores repartiram entre si as cidades iônias e saquearam-nas.

    CXVII - Daurises voltou-se, em seguida, contra as cidades do Helesponto. Dárdano, Abido, Percote, Lâmpsaco e Paesos não resistiram mais que um dia. Quando, porém, se dirigia de Paesos a Pário, soube que os Cários se tinham revoltado contra os Persas, de comum acordo com os Iônios. Ante essa notícia, deixou o Helesponto e conduziu suas tropas contra a Cária.

    CXVIII - Informados da vinda de Daurises, os Cários concentraram-se no lugar denominado Colunas Brancas, às margens do Mársias, que se lança no Meandro depois de haver atravessado o território de Ídrias. Puseram-se, então, a concertar a melhor maneira de ação, dividindo-se as opiniões, sendo a melhor, a meu ver, a de Pixodares, filho de Mausolo, da cidade de Cinde, e que havia desposado uma filha de Sienésis, rei da Cilícia. Aconselhou ele aos Cários a atravessarem o Meandro e a combaterem de costas para o rio, pois que, não podendo recuar, lutariam mais valentemente para conservar sua posição e a própria vida. Essa opinião, todavia, não prevaleceu, ficando resolvido o contrário, isto é, que os Persas teriam o Meandro atrás deles. Assim, no caso de fuga ou retirada, cairiam no rio e não poderiam salvar-se.

    CXIX - Como fora previsto e estabelecido, os Persas atravessaram o Meandro, chocando-se com os Cários, que os aguardavam às margens do Mársias. O combate foi rude e longo, vendo-se os Cários, por fim, obrigados a ceder ante a superioridade numérica do inimigo. Terminada a luta, jaziam por terra dois mil homens do lado dos Persas e dez mil do lado dos Cários. Aqueles, dentre estes últimos, que escaparam à derrota, refugiaram-se em Labranda, no templo de Júpiter Estrácio e numa grande floresta de plátanos consagrada ao deus.

    Os Cários são os únicos povos, que eu saiba, a oferecerem sacrifícios a Júpiter Estrácio. Refugiados na floresta, reuniram-se e puseram-se a deliberar sobre qual seria o partido mais vantajoso a tomar: entregar-se aos Persas ou abandonar a Ásia.

    CXX - Enquanto deliberavam, chegaram para socorrê-los os Milésios e seus aliados. Ante aquele inesperado auxílio, os Cários deixaram de lado suas resoluções e atiraram-se de novo à luta com os Persas, sendo novamente batidos, e de maneira mais completa que da outra vez. Foi grande o número de mortos nessa refrega, sobretudo do lado dos Milésios.

    CXXI - Algum tempo depois, os Cários reabilitaram-se dessa derrota numa outra campanha. Informados de que os Persas estavam em marcha para atacar suas cidades, puseram-se de emboscada à beira do caminho que leva a Pédaso, e quando os Persas passavam, à noite, atiraram-se sobre eles, massacrando-os, juntamente com os seus generais Daurises, Amorges e Sisimaces. Mírsus, filho de Giges, foi também morto.

    CXXII - Foi Heraclides, filho de Ibanólis, da cidade de Milassa, quem organizou essa emboscada, tão fatal para os Persas. Himes, que figurava entre os que haviam perseguido os Iônios depois da malograda expedição destes contra Sardes, voltou suas forças contra Propôntis, capturando Cio, na Mísia. Tendo sabido, depois disso, que Daurises havia deixado o Helesponto em direção à Cária, abandonou a Propôntis e dirigiu-se com o seu exército para o Helesponto. Subjugou todos os Eólios do território de Ílion e os Gergitas, remanescentes dos antigos Teucros. Enquanto se entregava a essas conquistas contraiu grave moléstia, vindo a falecer na Tróada.

    CXXIII - Artafernes, governador de Sardes, recebeu ordens para ir com Otanes, um dos três generais do exército de Dario, à Iônia e à Eólida. Ali chegando, tomaram Clazômenas, na Iônia, e Cimes, na Eólida.

    CXXIV - Aristágoras de Mileto, responsável pelo levante da Iônia e pelos motins que a agitaram, mostrou, nessa ocasião, bem pouca firmeza de ânimo. Ficou de tal maneira perturbado com a captura daquelas duas cidades, que resolveu fugir, sabendo, naturalmente, que não poderia levar vantagem alguma sobre o soberano persa. Convocou os seus partidários e perguntou-lhes se não seria conveniente poderem contar com um asilo próximo dali, para quando se vissem expulsos de Mileto, quer fosse na Sardenha, quer em Mircina, no país dos Edônios, cidade que Dario tinha dado a Histeu e que este começara a cercar de muralhas.

    CXXV - O historiador Hecateu, filho de Hegesandre, não era de opinião que se estabelecesse uma colônia em qualquer desses dois países, mas que se construísse um castelo na ilha de Leros, para o caso de serem banidos de Mileto, mantendo-se todos tranqüilos ali, pois de lá poderiam retornar facilmente a Mileto.

    CXXVI - Aristágoras, porém, inclinava-se mais por Mircina. Confiou Mileto a Pitágoras, homem de grande influência e filho do lugar, e, reunindo todos os que se dispuseram a acompanhá-lo, velejou para a Trácia, apoderando-se do país que tinha em vista ao deixar Mileto. Pouco depois, tendo ido tentar o cerco de uma praça forte, ali pereceu com todo o seu exército, nas mãos dos Trácios que a defendiam. Ler livro VI, ou ir para o Índice dos livros
    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 » Comentários:

    Postar um comentário

    Olá tudo bem? Encontrou o que procurava? Achou o Tifsa útil? Então compartilhe, curta, envie ou recomende aos amigos nossos artigos. O Tifsa não tem uma campanha de marketing multimilionária ou o patrocínio de celebridades, mas temos algo muito melhor: você.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole as leis, ou que configure em crime cibernético e que vão de e termos de uso, por favor denuncie.

    Item Reviewed: Terpsícore - Livro V Rating: 5 Reviewed By: Pbsena Sena

    Contato

    Scroll to Top