Palavra dos tradutores da Bíblia Kink James - Tifsa Brasil
  • Recentes

    24 de abril de 2018

    Palavra dos tradutores da Bíblia Kink James

    As melhores coisas foram caluniadas
    O zelo para promover o bem comum, seja inventando algo a nós mesmos, seja revisando o que tem sido trabalhado por outros, merece certamente muito respeito e estima, mas ainda encontra apenas entretenimento frio no mundo. É recebido com suspeita em vez de amor, e com emulação em vez de agradecimento: e se houver algum buraco para cavil entrar (e cavil, se não encontrar um buraco, vai fazer um), com certeza ele será mal interpretado e em perigo de ser condenado. Isso será facilmente concedido por tantos quanto conheça a história, ou tenha alguma experiência. Pois, houve alguma coisa projetada, que tenha saboreado qualquer forma de novidade ou renovação, mas a mesma sofreu muitas tempestades ou oposição? Um homem pensaria que a civilidade, as leis sadias, a aprendizagem e a eloquência, os sínodos e a manutenção da igreja (de que não falamos mais deste tipo de coisas) deveriam ser tão seguros quanto um santuário, e fora do tiro [εξω βελους]; Dizem que nenhum homem levantaria o calcanhar; não, nem cão move sua língua contra os que os movem. Pois, pelo primeiro, somos distinguidos dos animais irracionais levados pela sensualidade; no segundo, somos cerceados e impedidos de comportamentos ultrajantes e de ferimentos, seja por fraude ou por violência; no terceiro, somos capazes de informar e reformar os outros, pela luz e sentimento que alcançamos em nós mesmos; resumidamente, quando o quarto é reunido a um parle face a face, nós mais cedo compomos nossas diferenças do que por escritos, que são infinitos; e por último, que a igreja seja suficientemente provida, é tão agradável a uma boa razão e consciência, que aquelas mães são consideradas menos cruéis, que matam seus filhos assim que nascem, do que aquelas que cuidam de pais e mães (onde quer que elas seja) que se retire daqueles que se penduram em seus seios (e em cujos peitos novamente se enforcam para receber o leite espiritual e sincero da palavra) sustento e apoio adequados para suas propriedades. Assim, é evidente que essas coisas das quais falamos são de uso mais necessário e, portanto, que ninguém, sem absurdo, pode falar contra elas, ou sem nota de iniquidade, pode rejeitá-las.

    Contudo, apesar de tudo isso, os eruditos sabem que certos homens dignos [Anacarsis com os outros] foram levados a morte prematura por nenhuma outra falha, mas por procurarem reduzir seus compatriotas à boa ordem e disciplina; e que em algumas raças comuns [por exemplo Locri] foi feito um crime capital, uma vez para mover a criação de uma nova lei para a revogação de um antigo, embora os mesmos fossem mais perniciosos; e que certos [Catão, o mais velho], que seriam contados pilares do Estado, e padrões de virtude e prudência, não poderiam ser trazidos por um longo tempo para dar lugar a boas cartas e refinado discurso, mas se mostrarem avessos a eles. como de pedras ou caixas de veneno; e quarto, que ele não era bebê, mas um grande funcionário [Gregório, o Divino], que dava a luz (e, por escrito, para permanecer na posteridade) na paixão porventura, mas ainda assim deu, que não tinha visto nenhum lucro por qualquer sínodo, ou reunião do clero, mas pelo contrário; e por último, contra a manutenção da igreja e subsídio, como os embaixadores e mensageiros do grande Rei dos Reis devem ser fornecidos, não é desconhecido o que é uma ficção ou fábula (por isso é estimado, e não é melhor para o repórter o próprio [Nauclerus], embora supersticioso) foi concebido - ou seja, que em tal época como os professores e professores do cristianismo na Igreja de Roma, então uma verdadeira igreja, foram liberalmente dotados, uma voz foi ouvida do céu, dizendo: "Agora é veneno derramado na igreja", etc. Assim, não só quando falamos, como dizemos, mas também como fazemos qualquer coisa de nota ou conseqüência, nos sujeitamos à censura de todos, e feliz é aquele que é menos lançado sobre as línguas; para totalmente escapar do fragmento deles é impossível. Se qualquer homem conceber, que este é o lote e a porção do tipo sóbrio, e que os príncipes são privilegiados por seus bens, ele é enganado. "Assim como a espada devora um como o outro", como é em Samuel [2 Sam. 11:25]; Não, como o grande comandante encarregou seus soldados em uma certa batalha, não atacar nenhuma parte do inimigo, mas sim a face; e como o rei da Síria ordenou a seus capitães-chefes "não lutar nem com pequenos nem grandes, senão somente contra o rei de Israel" [1 Ki. 22:31]; É verdade, então, que a Inveja se debate com mais maldade com a mais justa e principal. Davi era um príncipe digno, e nenhum homem para ser comparado a ele por seus primeiros feitos, e ainda assim tão digno como agir como sempre fez (mesmo por trazer de volta a Arca de Deus em solenidade), ele foi desprezado e ridicularizado por sua própria esposa [2 Sam. 6:16]. Salomão era maior que Davi - embora não em virtude, mas no poder - e pelo seu poder e sabedoria ele construiu um templo para o SENHOR, tal como a glória da terra de Israel e a maravilha do mundo inteiro. Mas foi que sua magnificência gostou de todos? Nós duvidamos disso. Caso contrário, por que colocá-lo no prato de seu filho, e chamar-lhe para aliviar do fardo [σεισαχθειαν]: "Faça", dizem eles, "a servidão grave de teu pai, e seu jugo dolorido, mais leve"? [1 ki 12: 4] Belike ele tinha cobrado-os com algumas taxas, e incomodou-os com algumas carruagens. Então eles levantam uma tragédia e desejam em seu coração que o templo nunca tenha sido construído. É tão difícil agradar a todos, mesmo quando agradamos a Deus melhor, e procuramos nos aprovar para a consciência de cada um.

    As personagens mais altas foram caluniadas
    Se descermos para tempos posteriores, encontraremos muitos exemplos semelhantes de aceitação desse tipo, ou melhor, indelicados. O primeiro imperador romano [C. César, de acordo com Plutarco, nunca fez um ato mais agradável ao erudito, nem mais lucrativo para a posteridade, por conservar o registro dos tempos em verdadeira suposição, do que quando ele corrigiu o calendário e ordenou o ano de acordo com o curso do dom; e, no entanto, isso lhe foi imputado por novidade e arrogância, e lhe atraiu grande obviedade. Assim, o primeiro imperador batizado [Constantino] (pelo menos, que professou abertamente a fé, e permitiu que outros fizessem o mesmo), por fortalecer o império em suas grandes acusações, e prover a igreja como ele, conseguiu por sua trabalhe o nome "Pupilo", como quem diria, um príncipe esbanjador, que precisava de um guardião ou supervisor [Aurel. Vencedor]. Assim, o melhor imperador batizado [Teodósio], pelo amor que ele deu à paz, para enriquecer a si mesmo e seus súditos, e porque não viu a guerra, mas a encontrou, foi considerado como nenhum homem armado [Zósimo] ( embora, de fato, tenha se destacado em façanhas de cavalheirismo, e mostrado tanto quando foi provocado), e condenado por se entregar à vontade e a seu prazer. Para ser breve, o imperador mais instruído dos tempos passados ​​[Justiniano] (pelo menos o maior político), que graças ele teria por cortar as superfluidades das leis e digeri-las em alguma ordem e método? Isto, que ele foi apagado por alguns como um epitomista - isto é, aquele que extinguiu volumes inteiros dignos, para trazer seus resumos ao pedido. Esta é a medida que foi dada aos excelentes príncipes em tempos antigos, até mesmo, "cum bene facerent", audição masculina - "por suas boas ações serem mal mencionadas". Tampouco existe qualquer probabilidade de que inveja e malignidade tenham morrido e tenham sido enterradas com os antigos. Não, não, a repreensão de Moisés se apodera de muitas eras: "Você se levantou no lugar de seus pais, um aumento de homens pecadores" [Num. 32:14]. "O que é isso que foi feito? O que será feito, e não há nada de novo debaixo do sol", diz o homem sábio [Eccl. 1: 9]; e Santo Estêvão: "Assim como vossos pais o fizeram" [Atos 7:51].

    A constância de Sua Majestade, apesar da calúnia, para o levantamento das traduções para o inglês
    Isto, e mais a este propósito, Sua Majestade que agora reina (e por muito tempo e muito tempo ele pode reinar, e sua descendência para sempre, "Ele mesmo e crianças, e filhos de crianças sempre" [",υτος, και παιδες, και παιδων παντοτε παιδες"] ]) conhecia muito bem, de acordo com a sabedoria singular dada a ele por Deus, e o raro aprendizado e experiência que ele alcançou; ou seja, aquele que tenta qualquer coisa para o público (especialmente se for da religião, e para a abertura e limpeza da palavra de Deus), o mesmo se coloca em um palco para ser vislumbrado por todo olho maligno; sim, ele se lança de cabeça em piques, para ser ferido por toda língua afiada. Pois aquele que se meter com a religião dos homens em qualquer parte, medita com seu costume, ou melhor, com sua liberdade; e, embora não encontrem conteúdo naquilo que têm, ainda assim não conseguem ouvir a alteração. Não obstante, seu coração real não foi intimidado ou desencorajado por essa cor, mas permaneceu resoluto, "como uma estátua imóvel, e uma bigorna não fácil de ser batida em placas", como uma estátua imóvel, e uma bigorna que não é fácil de ser batida em placas. um [Suidas] diz; ele sabia quem o havia escolhido para ser um soldado, ou melhor, um capitão, e tendo certeza de que o curso que ele pretendia fazer muito para a glória de Deus e a edificação de sua igreja, ele não permitiria que ele fosse quebrado. para quaisquer discursos ou práticas. Certamente pertence a reis, sim, pertence-lhes especialmente a cuidar da religião; sim, conhecê-lo corretamente; sim, professar com zelo; sim, promovê-lo ao máximo de seu poder. Esta é a sua glória diante de todas as nações que bem entendem, e isto trará para eles um peso muito excelente de glória no dia do Senhor Jesus. Para a Escritura não diz em vão: "Os que me honram, honrarei" [1 Sam. 2:30]; nem foi uma palavra vã que Eusébio proferiu há muito tempo, que a piedade para com Deus [θεοσεβεια] era a arma e a única arma que preservava a pessoa de Constantino, e o vingava dos seus inimigos [Eusebius lib. 10 cap. 8].

    O louvor das Sagradas Escrituras
    Mas agora que piedade sem verdade? que verdade (que verdade salvadora) sem a palavra de Deus? Que palavra de Deus (da qual podemos ter certeza) sem a Escritura? As Escrituras nos ordenam a procurar, João 5:39, Isa. 8:20. Eles são elogiados que os procuraram e estudaram, Atos 17:11 e 8: 28-29. Eles são reprovados que eram inábeis neles, ou demoraram para acreditar neles, Matt. 22:29, Lucas 24:25. Eles podem nos tornar sábios para a salvação, 2 Tim. 3:15 Se formos ignorantes, eles nos instruirão; se fora do caminho, eles nos levarão para casa; se fora de ordem, eles nos reformarão; se em peso, nos consolar; se maçante, nos acelere; se frio, nos inflama. Tolle, lege; tolle, lege, "pegue e leia, pegue e leia" as Escrituras (pois para eles era a direção), foi dito a Santo Agostinho por uma voz sobrenatural [S. Agosto. confessar. lib 8 cap 12]. "Tudo o que está nas Escrituras, acredite em mim", diz o mesmo Santo Agostinho, "é alto e divino; há realmente verdade e uma doutrina mais adequada para a renovação da mente dos homens, e realmente tão temperada, que todos possam atrair Daí o que é suficiente para ele, se ele vier para desenhar com uma mente devota e piedosa, como a verdadeira religião exige "[S. Agosto. de utilit. credendi cap. 6]. Assim Santo Agostinho. E São Jerônimo: Ama scripturas, e amam te sapientia, etc. [S. Hieronym. ad Demetriad], "Ame as Escrituras, e a sabedoria te amará." E São Cirilo contra Juliano: "Mesmo os meninos que são criados nas Escrituras, se tornam mais religiosos, etc." [S. Cyril 7o contra Iulianum]. Mas o que menciona nós três ou quatro usos da Escritura, enquanto tudo o que é para ser acreditado ou praticado, ou esperado, está contido neles? ou três ou quatro sentenças dos Padres, desde que aquele que é digno do nome de um Pai, desde o tempo de Cristo descendente, também escreveu não somente das riquezas, mas também da perfeição das Escrituras? "Eu adoro a plenitude da Escritura", diz Tertuliano contra Hermógenes [Tertul. advers. Hermo. E mais uma vez, para Apeles, um herege do selo semelhante, ele diz: "Eu não admito o que tu trazes (ou conclui) do teu próprio (cabeça ou loja, de tuo) sem escritura". [Tertul. de carne Christi.] Então São Justino Mártir antes dele: "Devemos saber por todos os meios", diz ele, "que não é lícito (ou possível) aprender (qualquer coisa) de Deus ou de piedade correta, senão só dos profetas, que nos ensinam por inspiração divina "[Justin προτρεπτ. προς ελλην. οιον τε.]. Assim, São Basílio, depois de Tertuliano, "é um caminho manifesto de cair da fé, e uma falta de presunção, seja para rejeitar qualquer daquelas coisas que estão escritas, ou para trazer (sobre a cabeça delas, epeisagemin) qualquer daquelas coisas que não estão escritas "[S. Basil περι πιστεως. ιπερηφανιας κατηγορια.]. Nós omitimos citar o mesmo efeito, São Cirilo, bispo de Jerusalém, em sua Quarta Catacéia, São Jerônimo contra Helvídio, Santo Agostinho em seu terceiro livro contra as cartas de Petiliano, e em muitos outros lugares de suas obras. . Também nós deixamos de descender para pais posteriores, porque não cansaremos o leitor. As Escrituras, então, sendo reconhecidas como tão completas e perfeitas, como podemos nos desculpar por negligência, se não as estudamos? de curiosidade, se não nos contentarmos com eles? Os homens falam muito de eiresionè ["Ειρεσιωνη συκα φερει, και πιονας αρτους, και μελιεν κοτυλη, και ελαιον, etc."; um arco de oliva envolto em madeira, com o qual penduravam figos, pão, mel numa panela e azeite, quantas coisas doces e boas penduravam sobre ele; da Pedra Filosofal, que transforma cobre em ouro; da cornucópia, que tinha todas as coisas necessárias para a comida; de Panaces a erva, que era bom para doenças; de Catholicon a droga, que é em vez de todos os expurgos; da armadura de Vulcano, que era uma armadura de prova contra todos os golpes e todos os golpes, etc.

    Bem, aquilo que eles falsamente ou em vão atribuem a essas coisas para o bem corpóreo, podemos justamente e com plena medida atribuir à Escritura, por espiritual. Não é apenas uma armadura, mas também todo um arsenal de armas, tanto ofensivas quanto defensivas, pelo qual podemos nos salvar e colocar o inimigo em fuga. Não é uma erva, mas uma árvore, ou melhor, um paraíso de árvores da vida, que produz frutos todos os meses, e o seu fruto é para a carne e as folhas para a medicina. Não é um pote de maná, ou uma botija de azeite, que eram apenas para memória, ou para uma ou duas carnes de refeição, mas como se fosse uma chuva de pão celestial suficiente para uma hoste inteira, seja ela nunca tão grande; e como se fosse uma adega inteira cheia de vasos de óleo; por meio do qual todas as nossas necessidades podem ser providas e nossas dívidas são liberadas. Em suma, é um panário de alimento saudável contra tradições refinadas; uma loja de médico (São Basílio o chama) ["κοινον ιατρειον.", S. Basil in Psal. primum.] de conservantes contra heresias envenenadas; um punhado de leis lucrativas contra espíritos rebeldes; um tesouro de joias mais caras contra rudimentos medíocres; finalmente, uma fonte da mais pura água brotando para a vida eterna. E que maravilha? O original é do céu, não da terra; o Autor sendo Deus, não o homem; o inditer, o Espírito Santo, não a inteligência dos apóstolos ou profetas; os penens tais como foram santificados desde o ventre, e dotados de uma porção principal do espírito de Deus; o assunto, verdade, piedade, pureza, retidão; a forma, a palavra de Deus, o testemunho de Deus, os oráculos de Deus, a palavra da verdade, a palavra da salvação, etc .; os efeitos, a luz do entendimento, a estabilidade da persuasão, o arrependimento das obras mortas, a novidade de vida, a santidade, a paz, a alegria no Espírito Santo; por fim, o fim e a recompensa do seu estudo, a comunhão com os santos, a participação da natureza celestial, a fruição de uma herança imortal, imaculada e que nunca se desvanecerá. Feliz é o homem que se deleita na Escritura e três vezes feliz que medita nela dia e noite.

    Tradução necessária
    Mas como meditarão os homens naquilo que não podem compreender? Como eles entenderão o que é mantido em uma língua desconhecida? Como está escrito: "Se eu não conhecer o poder da voz, serei estrangeiro para aquele que fala, eo que fala será um bárbaro para mim" [1 Coríntios. 14:11]. O apóstolo não tem língua; não o hebraico, o mais antigo, nem o grego, o mais copioso, nem o latino, o mais belo. A natureza ensinou um homem natural a confessar que todos nós, naquelas línguas que não compreendemos, somos claramente surdos; podemos nos fazer ouvidos surdos. O cita contou o ateniense, a quem ele não entendeu, bárbaro [Clem. Alex. 1o Strom.]; assim o romano fez o sírio e o judeu (até mesmo o próprio São Jerônimo chamou a língua hebraica bárbara, porque era estranha a muitos) [S. Hieronym. Damaso.]; então o imperador de Constantinopla [Michael, Theophili fil.] chama a língua latina de bárbara, embora o papa Nicolas a assuste: [2 Tom. Concil. ex edit. Caranguejo de Petri.]; assim os judeus muito antes de Cristo chamaram todas as outras nações de Lognazim, que é pouco melhor do que bárbaro. Portanto, como alguém se queixa, que sempre no senado de Roma, houve um ou outro que pediu um intérprete [Cícero 5o de finibus.], Então, para que a igreja não seja levada à exigência semelhante, é necessário ter traduções em uma prontidão. A tradução é aquela que abre a janela para deixar entrar a luz; que quebra a casca, para que possamos comer o caroço; aquele que põe de lado a cortina, para que possamos olhar para o lugar santíssimo; que remove a tampa do poço, para que nós possamos chegar pela água, assim como Jacó rolou a pedra da boca do poço, pelo qual os rebanhos de Labão foram regados [Gen. 29:10]. De fato, sem a tradução para a língua vulgar, os ignorantes são como crianças no poço de Jacó (que era profundo) [João 4:11] sem um balde ou algo com o que desenhar; ou como essa pessoa mencionada por Isaías, a quem, quando um livro selado foi entregue, com este movimento: "Leia isto, eu te peço", ele foi capaz de fazer esta resposta: "Eu não posso, pois está selado" [Isa. 29:11].

    A tradução do Antigo Testamento do hebraico para o grego
    Enquanto Deus seria conhecido somente em Jacó, e teria seu nome grande em Israel, e em nenhum outro lugar; enquanto o orvalho jazia somente no velo de Gideão, e toda a terra além estava seca; então para um e o mesmo povo, que falou a todos eles a língua de Canaã - isto é, hebraico -, um e o mesmo original em hebraico era suficiente [S. Agosto. lib. 12 contra Faust. c. 32]. Mas quando a plenitude do tempo se aproximava de que o Sol da justiça, o Filho de Deus, viesse ao mundo, a quem Deus ordenou para ser uma reconciliação pela fé em Seu sangue, não somente do judeu, mas também do grego, sim, de todos os que foram dispersos; então, agrada ao Senhor despertar o espírito de um príncipe grego (grego para descendência e língua), mesmo de Ptolomeu Philadelph, rei do Egito, para obter a tradução do livro de Deus do hebraico para o grego. Esta é a tradução dos Setenta Intérpretes, comumente assim chamados, que prepararam o caminho para nosso Salvador entre os gentios por pregação escrita, como João Batista fez entre os judeus por meio de vozes. Pois os gregos, desejosos de aprender, não costumavam sofrer livros de valor para mentir nas bibliotecas dos reis, mas mandaram que muitos de seus servos, escribas prontos, os copiassem, e assim foram dispersos e tornados comuns. Mais uma vez, a língua grega era bem conhecida e tornava-se familiar para a maioria dos habitantes da Ásia, em razão da conquista que ali haviam feito os gregos, como também pelas colônias, que ali haviam enviado. Pelas mesmas causas também foi bem entendido em muitos lugares da Europa, sim, e também da África. Portanto, a palavra de Deus, sendo estabelecida em grego, torna-se como uma vela no candelabro, que dá luz a todos os que estão na casa; ou como uma proclamação soada no mercado, da qual a maioria dos homens atualmente toma conhecimento; e, portanto, essa linguagem era mais adequada para conter as Escrituras, tanto para os primeiros pregadores do evangelho a apelar para o testemunho, como também para os aprendizes daqueles tempos fazerem a busca e julgamento. É certo que essa tradução não era tão boa e tão perfeita, mas precisava de correção em muitos lugares; e quem foi tão suficiente para este trabalho como os apóstolos ou homens apostólicos? No entanto, pareceu bom para o Espírito Santo e para eles, tomar aquilo que encontraram (sendo o mesmo para a maior parte verdadeira e suficiente), ao invés de fazer um novo, naquele novo mundo e era verde da igreja - expor muitas exceções e cavillations, como se eles fizessem uma tradução para servir sua própria vez e, portanto, testemunhar para si mesmos, seu testemunho não deve ser considerado. Isto pode ser suposto ser alguma causa porque a tradução dos Setenta foi autorizada a passar para corrente. Não obstante, embora tenha sido elogiado em geral, ainda não satisfez totalmente os instruídos - não, não dos judeus. Por não muito tempo depois de Cristo, Áquila caiu na mão com uma nova tradução, e depois dele, Theodotion, e depois dele Symmachus; sim, houve uma quinta e uma sexta edição, cujos autores não eram conhecidos. Estes com os Setenta compunham o Hexapla, e eram dignos e com grande propósito compilados por Orígenes. Contudo, a edição dos Setenta foi embora com o crédito e, portanto, não só foi colocada no meio por Orígenes (pelo valor e excelência dos mesmos acima dos demais, como Epifânio se junta [Epifania. De mens. Et ponderibus.]), Mas também foi usado pelos Padres Gregos para o fundamento e base de seus comentários. Sim, Epifânio acima mencionado atribui-lhe tanto, que ele possui os seus autores não apenas para intérpretes, mas também para profetas em algum aspecto; e o Imperador Justiniano, ordenando aos judeus que seus súditos usem especialmente a tradução dos Setenta, torna essa a razão disso: porque eles eram como eram iluminados com graça profética [S. Agosto. 2o de doctrin. Cristão. c. 15o. Novell diatax. 146]. Contudo, apesar de todos os egípcios dizerem que o profeta é homem e não Deus, e seus cavalos são carne e não espírito [Isaías. 31: 3]; então é evidente (e São Jerônimo afirma isso) [S. Hieron de optimo genero interpretar] que os setenta eram intérpretes; eles não eram profetas. Eles fizeram muitas coisas bem, como homens instruídos; mas, no entanto, como homens, tropeçaram e caíram, um por meio de supervisão, outro por ignorância; sim, às vezes, pode-se notar que eles acrescentam ao original e, às vezes, tiram dele, o que fez com que os apóstolos os deixassem muitas vezes, quando deixavam o hebraico, e para transmitir o sentido de acordo com a verdade da palavra, como o Espírito lhes deu expressão. Isso pode bastar tocar as traduções gregas do Antigo Testamento.

    A tradução do hebraico e grego para o latim
    Houve também, em algumas centenas de anos depois de Cristo, muitas traduções para a língua latina; porque esta língua também estava em condições de transmitir a lei e o evangelho, porque naqueles tempos muitos países do Ocidente, sim do Sul, do Oriente e do Norte, falavam ou compreendiam o latim, sendo feitos províncias aos romanos. Mas agora as traduções para o latim eram demais para serem boas, pois eram infinitas (Latini interpreta nullo modo numerari possunt, diz Santo Agostinho) [S. Augustin. de doctr. Cristo. lib. 2 cap. 11]. Novamente, eles não estavam fora da fonte hebraica (falamos das traduções latinas do Antigo Testamento), mas da corrente grega; portanto, o grego não sendo totalmente claro, o latim derivado dele deve ser enlameado. Isso moveu São Jerônimo - um pai muito erudito, e o melhor linguista sem controvérsia de sua idade ou de qualquer outra que existisse antes dele - a empreender a tradução do Antigo Testamento, das próprias próprias fontes; que ele realizou com essa evidência de grande aprendizado, julgamento, indústria e fidelidade, que ele sempre ligou a igreja a ele em uma dívida de lembrança especial e gratidão.

    A tradução da Escritura para as línguas vulgares
    Agora, embora a Igreja fosse assim mobiliada com traduções gregas e latinas, mesmo antes da fé de Cristo ser geralmente adotada no império (pois os eruditos sabem que mesmo no tempo de São Jerônimo, o cônsul de Roma e sua esposa eram ambos Etnicos, e aproximadamente ao mesmo tempo a maior parte do senado também) [S. Hieronym. Marcell. Zosim]; todavia, apesar de tudo, os piedosos não se contentaram em ter as Escrituras na língua que eles mesmos entendiam, grega e latina (pois os bons leprosos não se contentavam em se sair bem, mas familiarizavam seus vizinhos com o armazém que Deus enviara). , que eles também podem fornecer para si próprios) [2 Ki. 7: 9]; mas também pelo behoof e edificante dos indoutos que tinham fome e sede de justiça, e tinham almas para serem salvas tão bem quanto eles, eles forneciam traduções para o vulgar para seus conterrâneos, de modo que a maioria das nações debaixo do céu fez logo após sua conversão. ouve a Cristo falar-lhes em sua língua materna, não somente pela voz de seu ministro, mas também pela palavra escrita traduzida. Se houver alguma dúvida, ele pode ficar satisfeito com exemplos suficientes, se o suficiente servir o turno. Em primeiro lugar, São Jerônimo, Multarum gentium linguis Scriptura ante translata, docet falsa esse quae addita sunt, etc .; isto é, "A Escritura que está sendo traduzida antes nas línguas de muitas nações, mostra que aquelas coisas que foram adicionadas (por Lucian e Hesychius) são falsas" [S. Hieron praef. em 4. Evangel.]. Então São Jerônimo naquele lugar. O mesmo Jerome em outro lugar afirma que ele, na época, havia estabelecido a tradução dos Setenta suae linguae hominibus, ou seja, para seus compatriotas da Dalmácia [S. Hieron Sophronio.] Que palavras não só Erasmus entende compreender, que São Jerônimo traduziu a Escritura para a língua dálmata, mas também Sixtus Senensis [Seis. Sen. lib. 4], e Afonso um Castro [Alphon. um 'Castro lib. 1 ca. 23] (de que não falamos mais), homens a quem não se pode deixar ficar de fora contra eles, confessam ingenuamente o mesmo. Assim, São Crisóstomo, que viveu na época de São Jerônimo, dá provas com ele: "A doutrina de São João", diz ele, "não era desse tipo" - como os filósofos "fizeram" - desaparece; Os sírios, egípcios, indianos, persas, etíopes e infinitas outras nações, sendo pessoas bárbaras, traduziram-na para a sua (mãe) língua e aprenderam a ser (verdadeiros) filósofos "- ele significa" cristãos "[S. Chrysost. em Johan. boné. hom. 1]. A isto pode ser adicionado Teodoreto, como próximo a ele, tanto para a antiguidade quanto para o aprendizado. Suas palavras são estas: "Todo país que está sob o sol, está cheio dessas palavras (dos apóstolos e profetas) e a língua hebraica (ele quer dizer as Escrituras em hebraico) é transformada não apenas na língua dos gregos mas também dos romanos, egípcios, persas, indianos, armênios, citas e sauromatianos, e brevemente em todas as línguas que qualquer nação usa "[Theodor. 5. Terapêutica.

    Então ele. Da mesma maneira, Ulpilas é relatado por Paulus Diaconus e Isidor (e antes deles por Sozomen) ter traduzido as Escrituras para a língua gótica [P. Diacon. lib. 12, Isidor em Chron. Goth, Sozom. lib. 6 cap. 37], João, bispo de Sevil, por Vasseus para transformá-los em árabe, sobre o ano de nosso Senhor 717 [Vaseus in Chron. Hispan.]; Beda por Cistertiensis, por ter convertido uma grande parte deles em saxão; Efnard por Trithemius, para ter resumido o saltério francês, como Beda havia feito o hebraico, por volta do ano 800; O rei Alfred, dito Cistertiensis, transformou o saltério em saxão [Polydor Virg. 5 histor. Anglorum testatur idem de Alvredo nostro]; Metódio de Aventino (impresso em Ingolstadt) para ter transformado as Escrituras em Slavoniano [Aventin. lib. 4.]; Valdo, bispo de Frising, por Beatus Rhenanus ter causado, por volta dessa época, que os evangelhos fossem traduzidos para o ritmo holandês, ainda existentes na Biblioteca de Corbiniano [Circa annum 900. B. Rhenan. rerum alemão. lib 2.]; Valdus, por mergulhadores, ter-se tornado ele próprio ou tê-los convertido em francês, por volta do ano 1160; Carlos Quinto desse nome, de sobrenome de Sábio, fez com que fossem transformados em francês, cerca de duzentos anos depois de Valdus, sua época, da qual existem muitas cópias ainda existentes, como testemunha Beroaldo. Muito mais ou menos nessa época, mesmo nos dias do nosso Rei Ricardo II, João Trevisa traduziu para o inglês, e muitas Bíblias inglesas escritas ainda estão para ser vistas com os mergulhadores, traduzidas, como é muito provável, naquela época. Assim, a tradução síria do Novo Testamento está na maioria das bibliotecas eruditas de Widminstadius, sua apresentação, e o saltério em árabe está com muitos de Augustinus Nebiensis 'estabelecidos. Assim, Postel afirma que, em sua viagem, viu os evangelhos na língua etíope; e Ambrósio Tésio alega o saltério dos índios, que ele testifica ter sido apresentado por Potken em caracteres sírios. De modo que ter as Escrituras na língua materna não é um conceito estranho ultimamente adotado, seja pelo Lorde Cromwell na Inglaterra, seja pelo Lorde Radevile em Polony [Thuan.], Ou pelo Senhor Ungnadius no domínio do imperador, mas foi pensado e colocado em prática nos tempos antigos, desde os primeiros tempos da conversão de qualquer nação; sem dúvida, porque foi estimado como o mais proveitoso, para fazer com que a fé crescesse nos corações dos homens quanto antes, e para fazê-los serem capazes de dizer com as palavras dos Salmos: "Assim como ouvimos, assim vimos" [Sl. 48: 8].

    A falta de vontade de nossos principais adversários de que as Escrituras sejam divulgadas na língua materna, etc.
    Agora, a igreja de Roma pareceria longamente ter um afeto maternal para com seus filhos, e permitir-lhes as Escrituras em sua língua materna. Mas, de fato, é um presente, não merecendo ser chamado de presente - um presente não-lucrativo [δωρον αδωρον κουκ ονησιμον, Sófocles]; eles devem primeiro obter uma licença por escrito antes de poderem usá-los, e para conseguir isso, eles devem se aprovar para o seu confessor - isto é, para serem como são, se não congelados no escória, ainda azedados com o fermento de seus superstição. Contudo, parecia demais para Clemente o Oitavo que deveria haver qualquer licença concedida para tê-los na língua vulgar, e portanto ele anula e frustra a concessão de Pio IV. [Veja a observação (apresentada por Clemente, sua autoridade) sobre a quarta regra de Pio, o Quarto, que ele fez no Índice, lib. proibir pag. 15. ver. 5.] Tanto eles têm medo da luz da Escritura (Lucifugae Scripturarum, como fala Tertuliano [Tertul. De resur. Carnis]) que eles não confiarão nas pessoas que a possuem - não, não como é estabelecido pela sua próprios homens jurados; não, não com a licença de seus próprios bispos e inquisidores. Sim, tão relutantes em comunicar as Escrituras à compreensão do povo de qualquer espécie, que não têm vergonha de confessar que as forçamos a traduzi-las para o inglês contra suas vontades. Isto parece argumentar uma causa ruim, ou uma má consciência, ou ambos. É claro que não é ele que tem bom ouro, que tem medo de levá-lo à pedra de toque, mas aquele que tem a falsidade; nem é o homem verdadeiro que evita a luz, mas o malfeitor, para que suas obras não sejam reprovadas [João 3:20]; tampouco é o comerciante simples que não está disposto a ter os pesos, ou o meteyard posto em prática, mas aquele que usa o engano. Mas vamos deixá-los sozinhos por essa falha e retornar à tradução.

    Os discursos e as razões, tanto de nossos irmãos como de nossos adversários, contra este trabalho
    Muitas bocas de homens têm estado abertas por um bom tempo (e ainda não são interrompidas) com discursos sobre a tradução tão longa na mão, ou melhor, perusals de traduções feitas antes, e perguntam qual pode ser a razão, qual a necessidade do emprego. A igreja foi enganada, dizem eles, durante todo esse tempo? Com o seu doce pão misturado com fermento, aqui prata com escória, seu vinho com água, seu leite com lima? (Lacte gesso miscetur masculino, diz St. Ireney [S. Iren. 3. lib. Cap. 19].) Esperávamos que tivéssemos estado no caminho certo, que tivéssemos tido os oráculos de Deus entregues a nós, e que, embora todo o mundo tivesse motivo para se ofender e reclamar, ainda assim não tínhamos nenhum. A enfermeira segurou o peito e nada além de vento? O pão foi entregue pelos Padres da Igreja, e o mesmo provou ser lapidosus, como Seneca fala? O que é para lidar com a palavra de Deus enganosamente, se não for assim? Assim certos irmãos. Também os adversários de Judá e de Jerusalém, como Sambalate em Neemias, zombam, como ouvimos, tanto da obra como dos trabalhadores, dizendo: "O que esses fracos judeus, etc.? Farão as pedras inteiras novamente fora dos montes de pó que é queimado? Embora construam, ainda que uma raposa suba, ele até derrubará seu muro de pedra "[Ne. 4: 3]. "A tradução deles era boa antes? Por que eles agora consertam? Isso não era bom? Por que então as pessoas ficavam intrigadas? Sim, por que os católicos (significando romanistas papistas) sempre corriam perigo por se recusarem a ouvir "Não, se deve ser traduzido para o inglês, os católicos são mais aptos a fazê-lo. Eles têm aprendizado e sabem quando uma coisa está bem; eles podem manum de tabula." Nós responderemos a eles brevemente; e o primeiro, sendo irmãos, assim, com São Jerônimo, os veteranos de Damnamus? Minime, sed post priorum studia in domo Domini quod possums laboramus [S. Hieron Apolog. advers. Ruffin.] Isto é, "Condenamos os antigos? Em nenhum caso, mas depois dos esforços daqueles que estavam diante de nós, tomamos as melhores dores que podemos na casa de Deus". Como se ele dissesse: "Sendo provocado pelo exemplo dos homens instruídos que viveram antes do meu tempo, julguei meu dever avaliar se meu talento no conhecimento das línguas pode ser proveitoso em qualquer medida para a igreja de Deus, Parece que trabalhei neles em vão, e para que não se pense que eu me gloriei nos homens (embora antigos) acima do que havia neles. Assim, São Jerônimo pode ser pensado para falar.

    Uma satisfação para nossos irmãos
    E, no mesmo sentido, dizemos que estamos tão longe de condenar qualquer de seus trabalhos que enfrentaram antes de nós nesta espécie, seja nesta terra ou além do mar, seja na época do rei Henrique ou na do rei Eduardo (se houvesse alguma tradução ou a correção de uma tradução em seu tempo), ou a memória da rainha Elizabeth de sempre reconhecida, que reconhecemos que eles foram levantados por Deus, para a construção e fornecimento de sua igreja, e que eles merecem ser de nós e de posteridade na lembrança eterna. O julgamento de Aristóteles é digno e bem conhecido: "Se Timóteo não tivesse existido, não tínhamos tido muita música doce; mas se Fríton (Timóteo, seu mestre) não tivesse sido, não tínhamos tido Timóteo" [Arist. 2 metáforas. boné. 1]. Portanto, abençoados sejam eles, e mais honrados sejam seus nomes, que quebrem o gelo, e dêem o início sobre o que ajuda à salvação das almas. Agora, o que pode estar mais disponível para isso, do que entregar o livro de Deus ao povo de Deus em uma língua que eles entendem? Como de um tesouro escondido e de uma fonte que é selada, não há lucro, como Ptolomeu Philadelph escreveu aos rabinos ou mestres dos judeus, como testemunha Epifânio [S. Epifania loco ante citato]; e como diz Santo Agostinho: "Um homem prefere estar com seu cachorro do que com um estranho (cuja língua lhe é estranha)" [S. Augustin. lib. 19. de civit. Dei. c. 7.]; ainda por tudo isso, como nada é iniciado e aperfeiçoado ao mesmo tempo, e os pensamentos posteriores são pensados ​​para ser o mais sábio; Assim, se edificarmos sobre a base deles que nos precedeu e formos aperfeiçoados por seus esforços, esforcem-se para tornar isso melhor, o que eles deixaram de tão bom, que ninguém, temos certeza, tem motivo para nos fazer mal; eles, nós nos persuadimos, se eles estivessem vivos, nos agradeceriam. A vindima de Abiezer, que atingiu o golpe, ainda que a colheita de uvas de Efraim não devesse ser desprezada (ver Juízes 8: 2). Joás, rei de Israel, não se satisfez até que feriu o chão três vezes; e mesmo assim ofendeu o profeta, por ter cedido então [2 Ki. 13: 18-19]. Áquila, de quem falamos antes, traduziu a Bíblia da maneira mais cuidadosa e habilidosa que pôde; e ainda assim ele achou que seria bom passar por cima disso novamente, e então recebeu o crédito dos judeus, ser chamado de kata akribeian, isto é, "feito com precisão", como São Jerônimo testemunha [S. Jerome. em Ezech. boné. 3.]. Quantos livros de aprendizado profano foram repetidos pelos mesmos tradutores? por outros? De um e mesmo livro da Ética de Aristóteles, existem não menos que seis ou sete traduções. Agora, se esse custo pode ser concedido à cabaça, que nos dá um pouco de sombra, e que hoje floresce, mas amanhã é cortada; o que podemos nós dar - não, o que nós não devemos dar - sobre a videira, o fruto do que alegra a consciência do homem, e o radical de que permanece para sempre? E esta é a palavra de Deus, que traduzimos. "O que é a palha para o trigo, diz o Senhor?" [Jer. 23:28]

    Tanti vitreum, quanti verum margaritum, diz Tertuliano [Tertul. ad Martyr.] - "se um brinquedo de vidro for do nosso agrado, como deveríamos valorizar a verdadeira pérola?" [Si tanti vilissimum vitrium, quanti pretiosissimum margaritum, Hieron. ad Salvin.] Portanto, os olhos de ninguém sejam maus, porque Sua Majestade é boa; nem se entristeça alguém, que temos um príncipe que busca o aumento da riqueza espiritual de Israel. (Deixem que Sambalá e Tobias o façam, os quais, portanto, suportam sua justa repreensão.) Mas vamos, em vez disso, abençoar a Deus a partir do fundo do nosso coração, por trabalhar nele esse cuidado religioso, para que as traduções da Bíblia sejam consideradas e examinadas. . Pois, por este meio, vem a acontecer, que tudo o que já é sadio (e tudo é sólido por substância, em uma ou outra de nossas edições, e o pior de nossa, muito melhor do que seu autêntico vulgar), o mesmo brilhará mais como o ouro. brilhantemente, sendo esfregado e polido; também, se alguma coisa for hesitante, ou supérflua, ou não tão agradável ao original, o mesmo pode ser corrigido e a verdade estabelecida. E o que o rei pode mandar fazer, que lhe trará mais honra do que isso? e onde poderiam aqueles que tivessem estabelecido uma obra, aprovassem seu dever para com o rei - sim, sua obediência a Deus e amor a seus santos - mais do que cedendo seu serviço, e tudo o que há dentro deles, para o fornecimento de o trabalho? Mas, além de tudo isso, eles eram os principais motivos disso e, portanto, deveriam menos discutir; pois a verdade muito histórica é que, sobre as importunas petições dos puritanos, por ocasião da chegada de Sua Majestade a esta coroa, a conferência em Hampton Court foi designada para ouvir suas queixas, quando por força de razão foram postas por todos os outros motivos, recorreram no último, a essa mudança, que não podiam, com boa consciência, subscrever o livro de comunhão, pois mantinha a Bíblia como ali traduzida, que era (como se dizia) uma tradução muito corrompida. E embora isto tenha sido julgado como sendo uma mudança muito pobre e vazia, mesmo assim, em breve, Sua Majestade começou a se considerar o bem que poderia resultar de uma nova tradução, e logo depois deu ordem para esta tradução que agora é apresentada a ti. . Tanto para satisfazer nossos irmãos escrupulosos.

    Uma resposta às imputações de nossos adversários
    Agora a este último respondemos que não negamos - não, nós afirmamos e declaramos - que a mais mesquinha tradução da Bíblia em inglês, apresentada por homens de nossa profissão, (pois nós não vimos nenhum deles em toda a Bíblia). até agora) contém a palavra de Deus, ou melhor, é a palavra de Deus. Como o discurso do rei, que ele proferiu no Parlamento, sendo traduzido para o francês, o holandês, o italiano e o latim, ainda é o discurso do rei, embora não seja interpretado por todos os tradutores com graça semelhante, nem por ser tão adequado à frase. tão expressamente por sentido, em todo lugar. Pois é confessado que as coisas devem receber a denominação da maior parte; e um homem natural poderia dizer, Verum ubi multa nitente em carmim, non ego paucis offendor maculis, etc. [Horace] - "um homem pode ser considerado um homem virtuoso, embora ele tenha feito muitos escorregões em sua vida" (então havia nenhum virtuoso, pois em muitas coisas ofendemos a todos) (Tiago 3: 2); também um homem gracioso e adorável, embora tenha algumas verrugas em sua mão - sim, não apenas sardas em seu rosto, mas também cicatrizes. Nenhuma causa, portanto, porque a palavra traduzida deveria ser negada para ser a palavra, ou proibida de ser corrente, apesar de algumas imperfeições e manchas poderem ser notadas no seu estabelecimento. Pois o que quer que fosse perfeito sob o sol, onde apóstolos ou homens apostólicos - isto é, homens dotados de uma extraordinária medida do espírito de Deus, e privilegiados com o privilégio da infalibilidade - não tinham a mão deles? Os Romanistas, portanto, ao se recusarem a ouvir, e ousando queimar a palavra traduzida, fizeram nada menos que a despeito do Espírito de Graça, de quem originalmente procedeu, e cujo sentido e significado, assim como a fraqueza do homem permitiria, expressou . Julgue por um exemplo ou dois. Plutarco escreve que, depois que Roma foi queimada pelos gauleses, eles logo a construíram; mas, apressados, não lançavam as ruas, nem as casas de forma tão elegante como as mais visíveis e convenientes [Plutarco em Camillo]. Catilina era, portanto, um homem honesto, ou um bom patriota, que procurava trazê-lo para uma combustão? ou Nero, um bom príncipe, que de fato ateou fogo? Assim, pelo relato de Esdras e da profecia de Ageu, pode ser reunido que o templo construído por Zorobabel após o retorno de Babilônia, de modo algum deve ser comparado ao primeiro construído por Salomão (pois os que se lembravam do primeiro choraram quando eles consideraram o último) [Ezr. 3:12]; não obstante, este último poderia ter sido abominado e abandonado pelos judeus, ou profanado pelos gregos? Nós devemos pensar em traduções. A tradução dos Setenta discorda do original em muitos lugares; nem se aproxima disso por perspicácia, gravidade e majestade; todavia, qual dos apóstolos a condenou? Condenar isso? Não, eles usaram isto (como é aparente, e como São Jerônimo e muitos homens instruídos confessam), o que eles não teriam feito, nem pelo seu exemplo de usá-lo tão graciosamente e recomendá-lo à igreja, se ele tivesse Foi indigno a denominação e o nome da palavra de Deus. E enquanto eles insistem em sua segunda defesa de suas difamações e abusos das Bíblias Inglesas, ou de algumas de suas partes com as quais se encontram, pois os "hereges", em absoluto, eram os autores das traduções ("hereges" que eles chamam de Mesmo certo que eles se chamam de "católicos", ambos estão errados, ficamos maravilhados com o que a divindade lhes ensinou. Temos a certeza de que Tertuliano tinha outra mentalidade: Ex personis probamus fidem, uma persona ex fide? [Tertul. de praescript. contra haereses.] - "Nós tentamos a fé dos homens por suas pessoas? Devemos tentar suas pessoas por sua fé." Também Santo Agostinho era de outra mente, pois ele iluminou certas regras feitas por Tychonius, um Donatista, para uma melhor compreensão da palavra, não se envergonhou de usá-las - sim, para inseri-las em seu próprio livro, com dando-lhes elogios tão longe quanto mereciam ser elogiados, como se pode ver no terceiro livro de Santo Agostinho "De doctrina Christiana" [S. Agosto. 3. de doct. Cristo. boné. 30.] Para ser breve, Orígenes, e toda a igreja de Deus por certos cem anos, eram de outra mente, pois eles estavam tão longe de pisotear (muito mais de queimar) a tradução de Aquila, um prosélito (isto é, um que tinha se tornado judeu) - de Símaco e Teodorção, ambos Ebionitas (isto é, os hereges mais vis) - que eles se juntaram a eles junto com o original hebraico, e a tradução dos Setenta (como foi antes significado de Epifânio) e -los abertamente para ser considerado e lido por todos. Mas nós cansamos os ignorantes, que não precisam saber tanto, e incomodam os instruídos, que já sabem disso.

    No entanto, antes de terminar, devemos responder a uma terceira objeção e objeção deles contra nós, por alterar e emendar nossas traduções com tanta frequência; em que verdadeiramente eles lidam mal e estranhamente conosco. Pois a quem foi imputada a culpa (pelos que foram sábios) repassar aquilo que ele havia feito e corrigi-lo onde ele viu a causa? Santo Agostinho não teve medo de exortar São Jerônimo a um palinodia ou retratação, e até mesmo se gloria que ele vê suas enfermidades [S. Aug. Epist. 9; S. Aug. lib. Retractat .; Video interdum vitia mea, S. Ago. Epist. 8.]. Se formos filhos da verdade, devemos considerar o que ela fala e atropelar nosso próprio crédito, sim, e também o dos outros homens, se algum deles for um obstáculo para isso. Isso para a causa. Então, para as pessoas que dizemos, que de todos os homens elas devem ser mais silenciosas neste caso. Por que variedades eles têm, e que alterações fizeram, não apenas de seus livros de serviço, portasses e breviários, mas também de sua tradução latina? O livro de serviço que deveria ser feito por St. Ambrósio (Officium Ambrosianum) foi um grande tempo em uso especial e pedido, mas o papa Adriano chamando um conselho com a ajuda de Carlos, o imperador, o aboliu - sim, queimou - e comandou o livro de serviço de São Gregório universalmente para ser usado [Durand. lib. 5. cap. 2.]. Bem, o Officium Gregorianum consegue por este meio estar no crédito, mas continua sem alteração ou alteração? Não, o próprio serviço romano era de duas modas, a "nova" moda, e a "velha" - a usada em uma igreja, a outra em outra -, como deve ser visto em Pamelius, um romanista, seu prefácio antes Micrologus O mesmo Pamelius expõe Radulphus de Rivo, que no ano de nosso Senhor 1277, o papa Nicolás o Terceiro removeu das igrejas de Roma os livros mais antigos (de serviço), e pôs em uso os missais dos Frades Minoritas, e ordenou-lhes que fossem observados ali; De tal modo que, cerca de cem anos depois, quando o Radulphus acima mencionado estava em Roma, ele descobriu que todos os livros eram novos (do novo selo). Tampouco houve esse corte e mudança apenas nos tempos mais antigos, mas também nos últimos tempos: o próprio Pio Quintus confessa que todo bispado quase possuía um tipo peculiar de serviço, muito diferente do que os outros tinham; o que o levou a abolir todos os outros breviários, embora nunca tão antigos, e privilegiados e publicados pelos bispos em suas dioceses, e a estabelecer e ratificar aquilo que só existia no ano de 1568. Agora, quando o pai de seus bispos a igreja, que de bom grado curaria a ferida da filha de seu povo de maneira suave e ligeira e tiraria o melhor proveito dela, acha tão grande culpa deles por suas dificuldades e discórdia, esperamos que as crianças não tenham grandes motivos para se gabar de sua uniformidade.

    Mas a diferença que aparece entre as nossas traduções, e a nossa correcção frequente delas, é aquilo de que somos especialmente acusados; vejamos, portanto, se eles próprios estão sem culpa deste modo (se for para ser contada uma falta, para corrigir), e se eles são homens aptos para atirar pedras em nós. Em tandem major parcas insane minori - "eles que são menos sadios eles mesmos, não devem objetar enfermidades a outros" [Horat.]. Se disséssemos a eles que Valla, Stapulensis, Erasmo e Vives encontravam defeitos em sua tradução vulgar e, conseqüentemente, desejavam que o mesmo fosse consertado, ou um novo a ser feito, eles responderiam por acaso, que produzimos seus inimigos para testemunhas. contra eles; se bem que eles não eram de nenhum outro tipo inimigos como São Paulo era para os gálatas, por dizer-lhes a verdade [Gal. 4:16], e era de se desejar que eles ousassem dizer isso com mais clareza e frequência. Mas o que eles dirão a isto, que o Papa Leão, a Décima, permitiu a tradução de Erasmo do Novo Testamento, tão diferente do vulgar, pela sua carta apostólica e touro; que o mesmo Leão exortou Pagnin a traduzir toda a Bíblia, e a descobrir qualquer acusação que fosse necessária para o trabalho [Sixtus Senens.]? Certamente, como o apóstolo raciocina aos hebreus, que "se a lei anterior e o testamento tivessem sido suficientes, não haveria necessidade do último" [Heb. 7:11, 8: 7], então podemos dizer que se o velho vulgar tivesse sido em todos os pontos permissíveis, para um pequeno propósito o trabalho e as cargas foram sofridos, sobre o enquadramento de um novo. Se eles dizem, era a opinião pessoal de um papa, e que ele consultava apenas a si mesmo, então nós podemos ir mais longe com eles, e averiguar mais de seus principais homens de todos os tipos, até mesmo seus próprios campeões do Trent, Paiva e Vega. e seus próprios inquisidores, Hieronymus ab Oleastro, e seu próprio bispo Isidorus Clarius, e seu próprio cardeal Thomas a Vio Caietan, ou fazem novas traduções, ou seguem novas de outros homens, ou notam o intérprete vulgar para parar; nenhum deles teme discordar dele, nem ainda se opor a ele. E eles chamam isso de um teor uniforme de texto e julgamento sobre o texto, então muitos de seus dignitários renunciam ao conceito agora recebido? Não, ainda chegaremos mais perto do rápido: a edição de Paris não difere da Lovaine, e a de Hentenius, de ambas, e ainda assim todas elas permitidas pela autoridade? Não, Sixtus Quintus confessar, que certos católicos (ele quer dizer certo do seu próprio lado) estavam com tal humor de traduzir as Escrituras para o latim, que Satanás tomando ocasião por eles, embora eles não pensassem em tal assunto, se esforçavam ele podia, com uma variedade tão incerta e variada de traduções, misturar todas as coisas que nada parece ser certo e firme nelas, etc. [Sixtus 5. praefat. fixa Bibliis.] Além disso, o mesmo Sixtus ordenou por um decreto inviolável, e que com o conselho e consentimento de seus cardeais, que a edição latina do Antigo e Novo Testamento, que o Concílio de Trento teria que ser autêntico, é o mesmo sem controvérsia que ele então expôs, sendo diligentemente corrigido e impresso na gráfica do Vaticano? Assim Sixtus em seu prefácio antes de sua Bíblia. E, no entanto, Clemente, o oitavo, seu sucessor imediato, publicou outra edição da Bíblia, contendo nele infinitas diferenças em relação à de Sisto (e muitos deles de peso e material), e, no entanto, isso deve ser autêntico por todos os meios. O que é ter a fé do nosso glorioso Senhor Jesus Cristo com "sim e não", se não for assim? Mais uma vez, o que é doce harmonia e consentimento, se é assim? Portanto, como Demarato de Corinto aconselhou um grande rei, antes de falar das dissensões entre os gregos, a compor seus grilhões domésticos (pois naquele tempo sua rainha e seu filho e herdeiro estavam em rixa mortal com ele), então o tempo todo que nossos adversários fazem tantas e tão diversas edições, e se empolgam tanto com o valor e a autoridade deles, eles podem, sem nenhuma demonstração de equidade, nos desafiar para mudar e corrigir.

    O propósito dos tradutores com o seu número, mobília, cuidado, etc.
    Mas é chegada a hora de deixá-los e mostrar em breve o que propusemos a nós mesmos, e que curso tomamos neste nosso exame e pesquisa da Bíblia. Verdadeiramente, bom leitor cristão, nunca pensamos desde o início, que precisaríamos fazer uma nova tradução, nem ainda fazer uma boa tradução (pois então a imputação de Sisto foi verdade em algum tipo, que nossa as pessoas tinham sido alimentadas com fel de dragões em vez de vinho, com soro de leite em vez de leite); mas para fazer um bom melhor, ou de muitos bons, um principal bom, não apenas para ser rejeitado. Esse tem sido nosso esforço, essa nossa marca. Para esse propósito, havia muitos escolhidos que eram maiores em olhos de outros homens do que em seus próprios, e que buscavam a verdade em vez de seu próprio louvor. Mais uma vez, eles vieram ou foram pensados ​​para vir ao trabalho, não exercendi causa (como um diz), mas exercitati, isto é, "aprendido, não para aprender". Para o superintendente chefe e εργοδιωκτης sob sua Majestade, a quem não somente nós, mas também toda a nossa igreja estava muito presa, conhecida por sua sabedoria, que também ensinou Nazianzen há muito tempo, que é uma ordem absurda ensinar primeiro e aprende depois, sim que en piqw keramian manqanein, "aprender e praticar juntos", não é louvável para o trabalhador, nem seguro para o trabalho [Ναζιανζεν εις ρν. επισκ παρουσ., Idem em Apologet.]. Portanto, tal foi pensado como poderia dizer modestamente com São Jerônimo, Et Hebreum sermonem ex parte didicimus, e em Latino pene ab ipsis incunabulis, etc., detriti sumus. - "Ambos aprendemos a língua hebraica em parte, e em latim temos sido exercitados quase desde o nosso berço." (São Jerônimo não faz menção da língua grega, onde ele ainda se destacou, porque ele não traduziu o Antigo Testamento do grego, mas do hebraico.) E em que tipo eles se reuniram? Na confiança de seu próprio conhecimento, ou de sua perspicácia, ou profundidade de julgamento, como se estivesse em um braço de carne? Sem mão. Eles confiaram naquele que tem a chave de Davi, abrindo e ninguém fechando; eles oraram ao Senhor, o Pai de nosso Senhor, no sentido que Santo Agostinho fez: "Deixe que as Escrituras sejam minhas Escrituras puras, seja meu puro deleite; não me deixes enganar nelas, nem me deixe enganar por elas" [S. Aug. lib. 11. Confesse. boné. 2.]. Nesta confiança e com esta devoção eles se reuniram; não muitos, para que não se aborreça outro, e ainda muitos, para que muitas coisas não lhes escapem. Se você perguntar o que eles tinham antes deles, realmente era o texto hebraico do Antigo Testamento, o grego do Novo. Estes são os dois tubos de ouro, ou melhor, canais, onde os ramos de oliveira se esvaziam no ouro. Santo Agostinho chama-lhes precedentes, ou línguas originais [S. Agosto. 3. de doutr. c. 3. etc.]; São Jerônimo, fontes [S. Hieron ad Suniam et Fretel.]. O mesmo São Jerônimo afirma, e Graciano não poupou para colocá-lo em seu decreto, que "como o crédito dos livros antigos (ele significa do Antigo Testamento) deve ser julgado pelos volumes hebraicos, assim do Novo por a língua grega (ele quer dizer pelo grego original) [S. Hieron. ad Lucinium, Dist. 9 ut veterum.] Se a verdade é provada por estas línguas, então de onde deve ser feita uma tradução, mas fora delas? portanto - as Escrituras, dizemos, nessas línguas - nós colocamos diante de nós para traduzir, sendo as línguas em que Deus se agradou de falar à Sua igreja por Seus profetas e apóstolos.Também não atropelamos a obra com aquela pressa de postar que a A Septuaginta fez, se isso é verdade, o que é relatado deles, que eles terminaram em setenta e dois dias [José. Antiq. Lib. 12.], nem foram barrados ou impedidos de passar por cima novamente, tendo feito isso uma vez, como São Jerônimo - se isso é verdade que ele mesmo relata, que ele não podia mais cedo escrever nada, mas s pego dele e publicado, e ele não poderia ter permissão para consertá-lo [S. Hieron ad Pammac. pro libr. advers. Ioviniano.] -; tampouco, para sermos breves, fomos nós o primeiro que caiu na mão ao traduzir a Escritura para o inglês, e consequentemente destituído de antigas ajudas, como está escrito de Orígenes, que ele foi o primeiro [πρωτοπειροι] de uma maneira que colocou sua mão escrever comentários sobre as Escrituras e, portanto, nenhuma maravilha, se ele se superasse muitas vezes. Nenhuma dessas coisas; o trabalho não foi encolhido em setenta e dois dias, mas custou aos trabalhadores, por mais leve que pareça, as dores de duas vezes sete vezes setenta e dois dias e mais. Questões de tal peso e conseqüência devem ser aceleradas com a maturidade, pois em um negócio de momento um homem não teme a culpa da negligência conveniente [φιλει γαρ οκνειν πραγμ 'ανηρ πρασσων ηεγα, Sophoc. em Elect.]. Nem pensamos muito em consultar os tradutores ou comentadores, Chaldee, hebraico, sírio, grego ou latim - não, nem o espanhol, o francês, o italiano ou o holandês. Nem desdenharmos a revi o que havíamos feito, e trazer de volta para a bigorna o que havíamos martelado: mas tendo e usando tão grandes ajudas quantas eram necessárias, e não temendo reprovação por lentidão, nem cobiçando louvor por expedição, nós finalmente temos, através de a boa mão do Senhor sobre nós, trouxe a obra para aquela passagem que você vê.

    Razões que nos induzem a não ficar curiosamente sobre uma identidade de fraseado
    Outra coisa em que pensamos ser bom para advertir-te, leitor gentil: que não nos ligamos a uma uniformidade de fraseado, ou a uma identidade de palavras, como alguns porventura desejariam que tivéssemos feito, porque eles observam que alguns homens instruídos em algum lugar foram tão exatos quanto podiam dessa maneira. Verdadeiramente, para que não pudéssemos variar do sentido daquilo que havíamos traduzido antes, se a palavra significasse a mesma coisa em ambos os lugares (pois há algumas palavras que não são do mesmo sentido em todos os lugares [πολυσημα]), nós éramos especialmente cuidado, e fez uma consciência de acordo com o nosso dever. Mas que devemos expressar a mesma noção na mesma palavra particular, como por exemplo, se traduzirmos a palavra hebraica ou grega uma vez por propósito, nunca a chamarmos de intenção; se alguém viajando, nunca viajando; se alguém pensar, nunca suponha; se alguém onde dor, nunca dor; se alguém a alegria, nunca alegria, etc - assim, para mince a questão, pensamos para saborear mais de curiosidade do que sabedoria, e que sim que iria produzir desprezo no ateu do que trazer lucro para o leitor piedoso. Pois o reino de Deus se torna palavras ou sílabas? Por que deveríamos estar em escravidão para com eles, se podemos ser livres, usar um precisamente quando podemos usar outro não menos adequado, como comodamente? Um pai piedoso no tempo primitivo mostrou-se muito movido, aquele de nova fraqueza chamado κραββατον, "σκιμπους" ["a bed"; Niceph Calist. lib.8. cap.42.], embora a diferença seja pequena ou nenhuma; e outro relata que ele foi muito abusado por transformar "cucurbita" (a qual a leitura do povo havia sido usada) em "hedera" [S. Hieron em 4. Ionae. Veja S. Aug. epist. 10.]. Agora, se isso acontecer em tempos melhores, e em ocasiões tão pequenas, podemos com razão temer a censura severa, se geralmente devemos fazer mudanças verbais e desnecessárias. Também podemos ser acusados ​​(por zombadores) de lidar com um número desigual de boas palavras em inglês. Pois, como está escrito de um certo grande filósofo, ele deve dizer que aqueles troncos eram felizes, que eram feitas imagens para serem adoradas, pois seus companheiros, tão bons quanto eles, ficavam em blocos atrás do fogo; então, se disséssemos, por assim dizer, certas palavras: "Levante-se mais; tenha sempre um lugar na Bíblia" e, para outros de qualidade semelhante: "Venham daí; sejam banidos para sempre", podemos ser taxados por perventude. com São Tiago suas palavras, a saber: "Ser parcial em nós mesmos e julgar os maus pensamentos". Some-se a isso, que a gentileza nas palavras sempre foi contada como o próximo passo para a insignificância, e assim também era para ser curioso sobre os nomes; também, que não podemos seguir um padrão melhor de elocução do que o próprio Deus; portanto, Ele usa diversas palavras, em Seu santo escrito, e indiferentemente por uma coisa na natureza [leptologia; / adolescia; / το σρουδαξεινεπι ονομασι; veja Euseb. προπαρασκευ. li. 12. ex Platon.], Nós, se não formos supersticiosos, podemos usar a mesma liberdade em nossas versões em inglês, de hebraico e grego, para aquela cópia ou loja que Ele nos deu. Por fim, de um lado, evitamos a escrupulosidade dos puritanos, que deixam as antigas palavras eclesiásticas e as levam a outras, como quando põem a lavagem para o batismo e a congregação em vez da igreja; como também do outro lado, evitamos a obscuridade dos papistas, em suas azimas, túnicas, racionais, holocaustos, praepuce, pasche, e vários outros semelhantes, dos quais a tradução tardia deles é plena - e que tem o propósito de obscurecer o passado. sentido, que, uma vez que precisam traduzir a Bíblia, ainda pela linguagem da mesma, ela pode ser impedida de ser entendida. Mas desejamos que a Escritura possa falar como ela mesma, como na língua de Canaã, para que seja entendida até mesmo do próprio vulgar.

    Muitas outras coisas que poderíamos dar-lhe aviso de gentil leitor, se não tivéssemos excedido a medida de um prefácio já. Permanece que nos recomendemos a Deus e ao Espírito de Sua graça, que é capaz de edificar além do que podemos pedir ou pensar. Ele remove as escamas de nossos olhos, o véu de nossos corações, abrindo nosso juízo para que possamos entender Sua palavra, ampliando nossos corações; sim, corrigindo nossas afeições, para que possamos amá-lo até o fim. Fomos trazidos a fontes de água viva, que não cavaste; não lance a terra neles com os filisteus [Gen. 26:15], nem prefiram os poços quebrantados diante deles com os judeus perversos [Jer. 2:13] Outros trabalharam e você pode entrar em seus labores. Não recebais tão grandes coisas em vão, ó despreze tão grande salvação! Não seja como o suíno pisar debaixo dos pés, coisas tão preciosas, nem como cães para rasgar e abusar das coisas sagradas. Não digas ao nosso Salvador com os gergesitas: "Sai das nossas costas" [Mateus. 8:34]; nem ainda com Esaú vender o seu direito de primogenitura por uma bagunça de sopa [Heb. 12:16]. Se a luz vier ao mundo, não ame mais as trevas do que a luz; se comida, se roupa for oferecida, não fique nu, não morra de fome. Lembre-se do conselho de Nazianzene: "É uma coisa dolorosa (ou perigosa) negligenciar uma grande feira e procurar fazer mercados depois" [Ναζιανζ. περι αγ. βαπτ. πανηγυριν παρελθειν και τηνικαυτα πραγματειαν επιζητειν]; também o encorajamento de São Crisóstomo: "É totalmente impossível que aquele que está sóbrio (e vigilante) seja negligenciado a qualquer momento" [S. Chrysost. em epist. Rom. boné. 14. orat. 26. in ηθικ. αμηχανον σφοδρα αμηχανον]; por último, a admoestação e ameaça de Santo Agostinho: "Os que desprezam a vontade de Deus, convidando-os, sentirão a vontade de Deus tomando vingança deles" [S. Agosto. ad artic. sibi falso objeto. Artic. 16.]. É uma coisa terrível cair nas mãos do Deus vivo [Hb. 10:31]; mas bem-aventurado é assim, e nos levará a bem-aventurança eterna no fim, quando Deus fala conosco, para ouvirmos; quando ele põe a sua palavra diante de nós, para lê-la; quando Ele estende a mão e chama, para responder: "Aqui estou eu! aqui estamos nós para fazer a tua vontade, ó Deus". O Senhor trabalha com cuidado e consciência em nós para conhecê-Lo e servi-Lo, para que possamos ser reconhecidos por Ele na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, a quem, com o Espírito Santo, todos os louvores e agradecimentos. Amem.



    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 » Comentários:

    Postar um comentário

    Olá tudo bem? Encontrou o que procurava? Achou o Tifsa útil? Então compartilhe, curta, envie ou recomende aos amigos nossos artigos. O Tifsa não tem uma campanha de marketing multimilionária ou o patrocínio de celebridades, mas temos algo muito melhor: você.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole as leis, ou que configure em crime cibernético e que vão de e termos de uso, por favor denuncie.

    Item Reviewed: Palavra dos tradutores da Bíblia Kink James Rating: 5 Reviewed By: Pbsena Sena

    Contato

    Scroll to Top