A Ressurreição e Glorificação de Jesus Cristo - VI - Tifsa Brasil
  • Recentes

    12 de abril de 2018

    A Ressurreição e Glorificação de Jesus Cristo - VI

    A ressurreição física e corporal do Senhor Jesus Cristo é o fundamento inabalável do Evangelho e da nossa fé. De fato, o cristianismo não seria mais do que uma religião, se Cristo não tivesse ressuscitado dentre os mortos. Portanto, é a ressurreição de Cristo, dentre outras coisas, que o faz diferente dos grandes filósofos e fundadores de religiões humanas. É a ressurreição de Cristo que faz do cristianis­mo o elo de comunhão entre o homem e uma Pessoa, o pró­prio Cristo ressurreto. Portanto, não é sem motivo que o Diabo e muitos homens ímpios, tendo tentado destruir o cristianismo, foram impedidos de fazê-lo, pois, em qual­quer direção em que se encontrassem, sempre se viam diante dum túmulo vazio, o túmulo daquele que foi morto, mas vive para jamais morrer.

    1. A Realidade da Ressurreição de Cristo
    A realidade da ressurreição de Cristo se evidencia ao longo da narrativa novitestamentária. Suas provas se vêem:
    a)  No sepulcro vazio (Lc 24.3).
    b) Nas aparições do Senhor a Maria Madalena, às mulheres, a Simão Pedro, aos dois discípulos no ca­minho de Emaús, aos discípulos no Cenáculo, a To­me, a João e Pedro, a todo o grupo dos discípu­los (Jo 20.16; Mt 28.,8,9; Lc 24.13,14,25-27,30-32; Jo 20.19,26,29; 21.5-7; 1 Co 15.4-7).
    c) Na transformação operada nos discípulos (Jo 7.3-5).
    d) Na mudança do dia de descanso e adoração sema­nais (At 20.7; 1 Co 16.2).
    e) No testemunho positivo de Pedro no dia de Pentecoste, e de Paulo, no Areópago (At 2.14,22-24; 17.31).
    f) No testemunho do próprio Cristo quando se revelou a João, em Patmos (Ap 1.18).

    2. Resultados da Ressurreição de Cristo
    A ressurreição de Jesus Cristo:
    É o cumprimento da promessa de Deus aos pais (At 13.32,33).
    Confirma a divindade de Jesus Cristo, colocando-a acima de qualquer dúvida (Rm 1.4).
    -É prova de justificação dos crentes (Rm 4. 23-25).
    -Torna possível o imutável sacerdócio de Cristo (Hb 7. 22,25).
    Possibilita o crente tornar-se frutífero para Deus (Rm 7.4).
    É o penhor divino do julgamento futuro (At 17.41).

    3. A Glorificação de Cristo
    Na sua carta aos Filipenses,, quanto à encarnação, hu­milhação e glorificação de Jesus Cristo, escreveu o apósto­lo Paulo:"...pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obe­diente até a morte e morte de cruz. Pelo que Deus também o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo no­me, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e de­baixo da terra, e toda língua confesse que Jesus cristo é Senhor, para glória de Deus Pai" (Fp 2.6-11). Do estudo deste texto do apóstolo Paulo, compreende­mos que a glorificação de Jesus Cristo se evidencia nos se­guintes fatos:

    a) Deus exaltou a Jesus dando-lhe a dignidade de so­berano.
    b) Não apenas a Pessoa de Cristo, mas também o seupróprio nome está acima de todo nome que se possanomear nos céus, na terra e no inferno.
    c) O nome de Jesus impõe reverência da parte dos an­jos, dos homens e dos demônios.
    d) No futuro, o nome de Cristo será declarado em suaplenitude como Rei dos reis, Senhor de todos e Senhor da glória.
    e) A glorificação plena de Jesus Cristo está intima­mente associada à própria glória de Deus Pai.
    Não há melhor defesa contra a especulação do que a fé no Senhor tal como Deus no-lo revelou. Toda a especula­ção é derrotada pela fé que vence o mundo, pela fé que ou­viu as promessas: "Tende bom ânimo, eu venci o mundo" (Jo 16.33). Cristo é o Senhor vivo que domina todos os tempos. Em 1742, alguém, glosando o mencionado final de João, escrevia: "Oxalá, pelo menos, o nosso mundo desse guari­da aos livros que descrevessem a obra do Senhor exalta­do!"Certamente a exaltação de Cristo está indissoluvelmente ligada a tudo quanto Ele fez na terra e que João des­creve com admiração; mas, de fato, merece ponderação especialíssima a realidade de que este Senhor vivo é o Se­nhor da Igreja, o Cristo exaltado, que está a fazer uma obra indescritível e continuada em seu Reino, e cuja proteção nunca cessa. 

    A viva fé da comunidade tampouco cessará, mas sempre ecoará a antiga proclamação cristológica: Verdadeiro  Deus e Verdadeiro  Homem, ba­seada no testemunho dos profetas e apóstolos. Perfeito re­sumo desta fé são as palavras lapidares de Hebreus 13.8; "Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre". Esta inalterabilidade do Ser de Cristo vence qualquer especulação. Aquele que sabe quem ele é, conhece sua Obra e repousa confiado: "Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim" (A Pessoa de Cristo – Aste – Págs. 274-275). Ler mais...
    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 » Comentários:

    Postar um comentário

    Olá tudo bem? Encontrou o que procurava? Achou o Tifsa útil? Então compartilhe, curta, envie ou recomende aos amigos nossos artigos. O Tifsa não tem uma campanha de marketing multimilionária ou o patrocínio de celebridades, mas temos algo muito melhor: você.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole as leis, ou que configure em crime cibernético e que vão de e termos de uso, por favor denuncie.

    Item Reviewed: A Ressurreição e Glorificação de Jesus Cristo - VI Rating: 5 Reviewed By: Pbsena Sena

    Contato

    Scroll to Top