A Manifestação de Cristo em Glória - VII - Tifsa Brasil
Este botão que colocamos, é uma cortesia do Tifsa, ao incentivo ao trabalho social. O Botão da ONG: Conselho de Ética Apologista, para doação, não tem um valor definido. O contribuidor poderá doar a quantia que desejar. Você pode ajudar com a quantia que puder, a quem precisa de sua generosidade. ONG: Conselho de Ética Apologista
  • Recentes

    7 de abr de 2018

    A Manifestação de Cristo em Glória - VII


    Quando Jerusalém estiver cercada pelos exércitos do Anticristo, e aos judeus não restar escape, então eles clamarão angustiados em busca do auxílio de Deus. "Eis o grito dos teus atalaias! Eles erguem a voz, juntamente exultam; porque com seus próprios olhos distintamente veem o retorno do Senhor a Sião" (Mt 24.20; Ap 1.7; Zc 14.4,5; Ap 19.11-16). Em resposta ao aflitivo clamor dos filhos de Israel, "aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu com poder e muita glória" (1 Ts 4.17).
    1. Distinção Entre Arrebatamento da Igreja e a Manifestação de Cristo
    Cremos já não haver nenhuma dúvida quanto a afirmação anteriormente feita, de que a segunda vinda de Cristo se dará em duas fases: arrebatamento da Igreja, e manifestação pessoal de Cristo em glória. Na primeira fase, o arrebatamento da Igreja, Cristo virá para os seus. Não tocará os seus pés na terra, tampouco será visível ao mundo. Ele virá até as nuvens onde receberá a sua Igreja triunfante para que com Ele adentre às mansões celestiais. Já na segunda fase, a manifestação propriamente dita, sete anos após a primeira, Cristo virá com os seus. Nesse momento, sim, todo olho o verá, não como um Cristo abatido e humilhado, mas exaltado e triunfante. Paulo se refere à primeira fase da vinda de Cristo para os seus, nos seguintes termos: “... nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor" (Zc 14.4). Já o profeta Zacarias referindo-se à segunda fase da vinda de Jesus, profeticamente vislumbra o seguinte quadro: "Naquele dia, estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; o monte das Oliveiras será fendido pelo meio..." (Zc 12.3,9; 14.2).
    2. A Batalha do Armagedom
    O profeta Zacarias descreve o palco da grande batalha do Armagedom nos seguintes termos: “... contra ela [Jerusalém] se ajuntarão todas as nações da terra... Naquele dia [diz o Senhor] procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém... Então sairá o Senhor e pelejará contra essas nações, como pelejou no dia da batalha" (Ap 19.20; 2 Tm 2.8). A palavra "Armagedom" significa "monte de Megido". Também conhecido como a planície de Jezreel, nesse amplo e espaçoso lugar, os exércitos do Anticristo estarão congregados para aquilo que poderia ser o ataque decisivo contra a cidade de Jerusalém. Será neste momento de apertura dos judeus, que se dará a manifestação de Jesus, revestido com poder e glória, pronto a pelejar pelo seu povo. A batalha anteriormente analisada como um confronto de proporções puramente humanas, assume feições duma guerra entre Jesus Cristo e Satanás. O triunfo de Jesus sobre os exércitos do Anticristo em Armagedom será esmagador. Destruídos os exércitos hotis a Israel, o triunfo final de Cristo será coroado com confinamento do Anticristo e do Falso Profeta no Lago de Fogo e Enxofre, que é o Inferno final (Mt 25.31-34,41,46).
    3. O Julgamento das Nações
    Vencedor da Batalha do Armagedom, agora, Cristo estabelece o julgamento das nações (Jo 3.2,12). Atente para o fato de que o julgamento é de "nações" e não de "indivíduos". A Bíblia diz que esse julgamento se dará no Vale de Josafá (O Calendário da Profecia – CPAD – Pág.73), local até aqui desconhecido. O propósito desse julgamento é determinar quais nações terão participação no Milênio. Assim compreendido não ha dúvida de que nações tomarão parte do Milênio, enquanto que outras serão completamente aniquiladas. "Conforme está escrito em Mateus 25, haverá três classes de nações nesse julgamento: 'ovelhas', 'bodes’ e Irmãos'. Somente nações-bodes e nações-ovelhes serão julgadas. 'Irmãos', devem ser os judeus - os irmãos de Jesus segundo a carne... 'Ovelhas' devem ser os Povos Pacíficos, amigos, protetores e defensores de Israel: Bodes devem ser os povos sanguinários, belicosos, e hostis a Israel, e, que seguiram e adoraram o Anticristo (Mt 25.34). Enquanto que para as "nações-bodes" está destinado o Inferno; às nações tipo "ovelhas'"; dirá o senhor Jesus Cristo: "Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo" (Ap 20.1-3). O "reino" aqui referido não é o Céu, mas, sim, o reino milenar de Cristo sobre a Terra.
    4. O Aprisionamento de Satanás
    Na sua visão em Patmos, dentre tantas coisas que lhe foram reveladas, João teve a seguinte são: "E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou o por mil anos. E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que mais não engane as nações, ate que os mil anos se acabem. E depois importa que seja solto por um pouco tempo" (Estudos Sobre o Apocalipse – CPAD - Pág. 240). Por enquanto Satanás não será ainda lançado no Lago de Fogo, mas é posto numa prisão, de onde não poderá sair para perturbar as nações, enquanto durar o governo milenial de Cristo. O aprisionamento de Satanás, como bem disse o apocalipsista Armando Chaves Cohen, "não significa que o povo se tornará tão esclarecido que Satanás, ainda que deixado livre, não pode mais continuar a enganar, e assim está 'virtualmente amarrado’... Não é sobre o povo da terra que se opera a mudança, nem é dele que se fala aqui, mas sobre Satanás: ele é amarrado e encarcerado. Não se diz que o povo, isto é, a humanidade, torna-se tão instruída, tão fortificada contra os ataques do Maligno de modo a ficar imune, enquanto o Diabo mesmo é deixado livre para continuar sua obra. Não. Satanás em pessoa é agrilhoado e preso. Isto não significa outra coisa. O fechar e guardar todas as casas de uma cidade não seria a mesma coisa com a prisão e encarceramento do ladrão. Não se trata de prevenção contra Satanás. Significa, realmente, que ele foi amarrado e lançado na prisão pelo período de mil anos" (O Fruto Glorioso do Planeta Terra – Editora Betânia – Pág. 239). Ler mais...

    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 » Comentários:

    Postar um comentário

    Olá tudo bem? Encontrou o que procurava? Achou o Tifsa útil? Então compartilhe, curta, envie ou recomende aos amigos nossos artigos. O Tifsa não tem uma campanha de marketing multimilionária ou o patrocínio de celebridades, mas temos algo muito melhor: você.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole as leis, ou que configure em crime cibernético e que vão de e termos de uso, por favor denuncie.

    Item Reviewed: A Manifestação de Cristo em Glória - VII Rating: 5 Reviewed By: Pbsena Sena

    Contato

    Scroll to Top